Gabriel Garcia Márquez foi um importante escritor de contos, novelista, jornalista e ativista político colombiano. Nasceu em 6 de marco de 1927, no município de Aracataca. Faleceu em 17 de abril de 2014, aos 87 anos, na Cidade do México.

Considerado pela crítica literária mundial como sendo um dos mais importantes escritores do século XX, em 1982 ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, pelo conjunto de sua obra. A obra mais popular de Garcia Márquez é “Cem anos de solidão”, onde o autor mistura o épico com o realismo fantástico.

Veja abaixo 20 de suas mais belas reflexões:

1- “Um escritor só escreve um único livro, embora esse livro apareça em muitos tomos, com títulos diversos.”

2- “Tinham vivido juntos o suficiente para perceber que o amor era o amor em qualquer tempo e em qualquer parte, mas tanto mais denso ficava quanto mais perto da morte.”

3- “Quem não tiver Deus, que tenha superstições.”

4- “Cada linha de Cem Anos de Solidão tem o ponto de partida na realidade. Eu forneço uma lente de aumento para os leitores entendê-la.”

5- “Acho muito perigoso descobrir por que motivos um livro que escrevi pensando apenas em alguns amigos é vendido em todos os lugares como cachorro-quente.”

6- “Todos somos reféns de nossos preconceitos.”

7- “Mais vale chegar a tempo do que ser convidado.”

8- “Nossa independência da dominação dos espanhóis não nos pôs fora do alcance da loucura.”

9- “Onze anos atrás, em 1971, o chileno Pablo Neruda, um dos brilhantes poetas de nosso tempo, iluminou este público com suas palavras. Desde então, os europeus de boa vontade — e às vezes aqueles de má vontade também — têm sido arrebatados, com cada vez mais força, pelas novidades fantásticas da América Latina, esse reino sem fronteiras de homens alucinados e mulheres históricas, cuja infinita obstinação se confunde com a lenda.”

10- “Poetas e mendigos, músicos e profetas, guerreiros e canalhas, todas as criaturas desta indomável realidade, temos pedido muito pouco da imaginação, porque nosso problema crucial tem sido a falta de meios concretos para tornar nossas vidas mais reais. Este, meus amigos, é o cerne da nossa solidão.”

11- “A América Latina não quer, nem tem qualquer razão para querer, ser massa de manobra, sem vontade própria.”

12- “Nunca me interessou uma ideia que não resista a muitos anos de abandono.”

13- “Sei por experiência própria que, quando se toma notas, a gente acaba pensando para as notas e não para o livro.”

14- “Há um momento em que todos os obstáculos são derrubados, todos os conflitos se apartam e à pessoa ocorrem coisas que não tinha sonhado, e então não há na vida nada melhor que escrever. Isso é o que eu chamaria de inspiração.”

15- “A vida cotidiana na América Latina nos demonstra que a realidade está cheia de coisas extraordinárias.”

16- “A solidão, para mim, é o contrário da solidariedade.”

17- “Sempre acreditei que o poder absoluto é a realização mais alta e mais complexa do ser humano e que por isso resume ao mesmo tempo toda a sua grandeza e toda a sua miséria.”

18- “Não poderia entender a minha vida, tal como é, sem a importância que nela tiveram as mulheres.”

19- “Em todos os momentos de minha vida há uma mulher que me leva pela mão nas trevas de uma realidade que as mulheres conhecem melhor que os homens e nas quais se orientam melhor com menos luzes.”

20- “Tenho um instinto muito especial: quando entro num lugar cheio de gente, sinto uma espécie de sinal misterioso que me dirige a vista, irremediavelmente, para o local onde está a mulher que mais me inquieta entre a multidão.”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo

Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.


COMENTÁRIOS