Não, eu não vou odiar você porque as nossas opiniões divergem. Não vou enfiar o seu nome na boca do sapo porque, primeiro, eu nada tenho a ver com a sua vida e, depois, o coitado do sapo nada tem a ver com isso.

É claro que eu não vou odiar você por defender e incentivar essa onda de violência dos que se entrincheiram à esquerda ou à direita, atacando uns aos outros nas ruas como inimigos de morte. E como se hoje fizesse alguma diferença ser “de esquerda” ou “de direita”.

Não vou riscar o seu nome do meu caderno por você não perceber que nós estamos todos no meio da confusão, no alvo, na linha de tiro. E que o nosso bizarro, tacanho e antiquado sistema político-partidário foi criado mesmo para favorecer a corrupção e o enriquecimento de meia dúzia de “escolhidos”. Enquanto nos engalfinhamos, os políticos de TODOS os partidos, únicos beneficiados por essa máquina medonha, estão achando ótima a nossa desunião. Mas eu não vou repelir você por não ter se dado conta disso.

Você vai me desculpar, mas se enganou feito uma besta ao imaginar que eu ia perder um só segundo maldizendo a pobre da sua mãe em resposta à sua mensagem covarde, escondida sob um nome falso, ofendendo a minha.

Por André J. Gomes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo

Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.


COMENTÁRIOS