Segundo a OMS, o suicídio já mata mais jovens que o HIV em todo o mundo. De encontro ao aumento desse problema vem outro dado, o qual aponta que a taxa de suicídios entre os jovens cresceu 30% em 25 anos no Brasil. Esses dados por si só comprovam que existe um problema que precisa ser discutido e combatido, porém o assunto ainda é tabu, inclusive, entre profissionais da área de saúde.

É curioso pensar que em uma sociedade que enaltece o desenvolvimento tecno-científico e todas as múltiplas possibilidades existentes hoje, encontremos uma taxa tão alta de suicídio e, consequentemente, de descontentamento com a vida. O que me parece é que existem cabos demais ligando máquinas e desligando o homem e isso não é um problema próprio da tecnologia, e sim, da maneira como ela tem sido utilizada. Esse esfarelamento do conceito de humanidade tem afastado as pessoas e criado ilhas afetivas, vivendo isoladas. O senso de comunidade, dessa forma, também é desfeito e o sujeito sente-se completamente desolado em um mundo sem a presença de outras pessoas capazes de compreendê-lo e ajudá-lo, ou melhor dizendo, dispostas a, de fato, fazer isso.

Mesmo em um estado de solidão profunda e permanente, há ainda toda uma pressão social que obriga o sujeito a aparentar uma condição que não reflete a realidade interior. É a “famosa” ditadura da felicidade, que cria não só normas de conduta que conduzem invariavelmente qualquer um ao “sucesso” e à “felicidade”, mas também pune severamente todos aqueles que ousam se guiar por outro caminho ou demonstrar qualquer sinal de dor e fraqueza.

O resultado de todo esse aparato ditatorial é, de um lado, a supressão dos desejos, sonhos e ideais presentes nas pessoas, sobretudo, dos jovens (no qual a taxa de suicídio, “curiosamente” é maior, só para relembrar), tornando estes estranhos de si mesmos e infelizes em suas escolhas pessoais e profissionais, vivendo rotinas degradantes e meramente robóticas, sem nenhum sinal de alegria.

Na outra via, encontramos o surgimento e desenvolvimento de várias doenças sorrateiras e silenciosas, como a depressão e a ansiedade. Elas chegam de mansinho e quando percebemos, ela já tomou conta de cada célula do nosso corpo. Entretanto, por mais que o indivíduo esteja sofrendo, não há espaço próprio para que ele possa colocar para fora toda a sua dor. Aliás, como disse, é proibido demonstrar fraqueza, dor, sofrimento. E, então, o que acontece? A doença vai crescendo, mas de modo abafado, para que ninguém perceba, afinal, ninguém quer ser chamado de “fresco” ou “fraco”. O “Admirável Mundo Novo” só aceita pessoas “felizes”.

Diante desse turbilhão interno e de um mundo que não apresenta capacidade empática para lidar com o problema, muitas pessoas acabam sucumbindo e chegam ao suicídio. Se considerássemos, ainda, todas as pessoas que passando pelos problemas supracitados pensaram em algum momento em se matar, a nossa consternação seria ainda maior.

No entanto, apesar disso, continua sendo proibido ou “feio” falar em suicídio, ora porque se matar é pecado, ora porque é sinal de fraqueza, ora pelas duas coisas. E, assim, pessoas continuam morrendo e junto com elas: sonhos, desejos e alegrias irrealizadas. É preciso quebrar esse tabu, que mais do que “pecado” e “fraqueza” esconde todas as contradições de uma sociedade hipócrita, fria e mesquinha que é incapaz de olhar outro ser humano com alguma dose de humanidade. Mas o que esperar de uma sociedade que prefere ter robôs com sorrisos programados em público e humanos com lágrimas no quarto?

Enquanto não entendermos que ser humano também é poder demonstrar fraqueza e saber que haverá do outro lado alguém com a sensibilidade necessária para buscar compreender o que está acontecendo e, por conseguinte, ajudar a diminuir a pressão de uma panela prestes a explodir, infelizmente, esses dados se perpetuarão de maneira cada vez mais triste. No fim das contas, o que alguém com pensamento suicida precisa é de um olhar demasiadamente humano de carinho e empatia, que seja capaz de fazê-lo enxergar o divino presente em cada detalhe pequeno e maravilhoso da vida.

TEXTO DEErick Morais
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Erick Morais

Poderia dizer o que faço, onde moro; mas, sinceramente, acho clichê. Meus textos falam muito mais sobre mim. O que posso dizer é que sou um cara simples. Talvez até demais. Um sonhador? Com certeza. Mais que isso. Um caso perdido de poesia ou apenas um menestrel caminhando pelas ruas solitárias da vida.


COMENTÁRIOS