Do site verkenjegeest

A lei do espelho afirma que a origem de nossos sentimentos negativos em relação aos outros está conosco, e não com o outro. Isto é, esta lei nos diz que os sentimentos surgem em nós. Nós somos os responsáveis ​​por gerenciar nossas crenças, idéias e pensamentos ruins sobre os outros.

A raiva geralmente é dirigida contra nós mesmos e não contra qualquer outra pessoa. Ou seja, tudo começa e termina com a mesma pessoa. É a projeção que confunde nossas mentes. É como se nossa realidade fosse um espelho que simplesmente reflete a imagem que emitimos.

Yoshinori Noguchi reconstrói essa lei em seu livro The Mirror Rule ( A lei do Espelho).

Esse autor nos coloca diante de um espelho para que possamos confrontar nosso mundo interior. Isso é certamente algo que determina tudo em sua vida. Como Jung diria: “O que você nega deixa você fraco, o que você aceita muda você”.

O que achamos irritante nos outros é o que negamos em nós mesmos
Precisamos pensar sobre o que nos incomoda nos outros. Por que estamos tão incomodados com nosso irmão durante as refeições familiares? Pense nisso, por que somos incapazes de permanecer razoáveis ​​quando passamos tempo com a nossa cunhada? Por que não podemos lidar com isso se os outros não nos apoiarem quando quisermos?

É útil fazer uma lista de coisas que nos incomodam. Veremos que existem valores que subestimamos. Em outras palavras, provavelmente veremos que há coisas que nós mesmos não fazemos bem.

Por que não respondemos a todos da mesma maneira? Por que um simples ‘olá’ nos incomoda se vem de alguém, mas não se outros dizem isso?

O próximo passo é fazer uma lista de coisas pelas quais você é grato em relação às pessoas que estão incomodadas. É provável que haja coisas que tenham feito por você ou por pessoas de quem você gosta.

Você descobrirá que dessa maneira você pode libertar-se das coisas que o aborreceram para que não causem mais inconveniências, e você não sofrerá mais.

Não há limite de tempo para este projeto. Ou seja, temos que determinar o tempo que temos para investigar quantas características desagradáveis ​​de outra pessoa encontramos em nós próprios. Quando terminarmos, podemos fazer outra lista das coisas pelas quais queremos ser perdoados.

Isso pode ser difícil. Quando estiver pronto, você pode perceber que criou uma lista forçada de pequenos detalhes. Mas este gesto precioso servirá para nos mostrar que o nosso olhar é às vezes hostil. Que nós julgamos injustamente alguém ou que falamos erradamente dele ou dela pelas costas.

O último e mais corajoso passo é contatar a pessoa por meio de um telefonema, uma carta ou uma reunião pessoal. É importante agradecer-lhe pelas coisas que você colocou na sua lista. E então você tem que perguntar se essa outra pessoa está disposta a perdoá-lo pelas coisas daquela outra lista.

Este é um passo tão difícil que provavelmente não achamos que seja possível. No entanto, devemos nos perguntar se queremos levar essa dor conosco para sempre. Se vale a pena preservar nosso orgulho como um modo de vida?

Se quisermos superar isso e nos curar do ressentimento, devemos contatá-los. Mas se isso não é uma opção, você pode escrever uma carta (email) que você não envia. Isso ajudará você a se libertar do peso emocional que carrega em sua mochila emocional.

Por estar familiarizado com a lei do espelho, você estará mais atento. A lei do espelho nos impede de alimentar nosso ressentimento e sentimentos ruins. Não devemos esquecer que irradiamos o que sentimos por dentro. É por isso que o que vemos nos outros provavelmente diz mais sobre nós mesmos do que sobre eles.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.