O plâncton bioluminescente fez as ondas do mar azul fluorescente brilharem novamente, dando um espetáculo impressionante para os sortudos residentes que testemunharam o fenômeno ao longo da praia de Puerto Marqués em Acapulco, México, e postaram em fotos sociais e vídeos desse brilho maravilhoso.

As imagens capturadas na segunda-feira, 20 de abril, mostram a costa de Acapulco brilhando em azul quando as ondas batem na areia, um evento raro produzido pela “reação bioquímica” desencadeada pelos microorganismos bioluminescentes depositados. Provavelmente, o fenômeno pode ser atribuído em parte à falta de atividade humana causada pelo bloqueio do coronavírus. A redução da poluição e a falta de pessoas na água teriam favorecido a propagação do fitoplâncton brilhante.

De fato, existem várias praias no mundo famosas pelo fenômeno da bioluminescência, como por exemplo a Baía Bioluminescente em Porto Rico, onde, no entanto, nos últimos anos, houve um desaparecimento crescente e progressivo justamente por causa da poluição.

Segundo o biólogo marinho Enrique Ayala Duval, que no sabersinfin.com explica como a bioluminescência pode ser atribuída à evolução e à maior presença de oxigênio:

“A bio-luminescência é a luz produzida como resultado de uma reação bioquímica na qual na maioria das vezes participa luciferina [proteína], oxigênio molecular e ATP [adenosina trifosfato], que reagem por meio da enzima luciferase da seguinte maneira: l o oxigênio oxida a luciferina, a luciferase acelera a reação e o ATP fornece a energia para a reação, produzindo água considerável e luz particularmente visível à noite.

Inicialmente, quando a atmosfera da Terra tinha uma concentração quase zero de oxigênio e o oxigênio aumentava gradualmente devido à presença crescente de organismos fotossintéticos, os organismos eram liberados do oxigênio, que era, portanto, tóxico para eles, com a reação de bioluminescência, produzindo água “.

O biólogo também explica como o fenômeno pode ser explorado pelo homem para detectar substâncias tóxicas e mutagênicas em ambientes aquáticos: adicionando essas substâncias tóxicas a culturas bacterianas luminescentes, de fato, há uma diminuição na intensidade bioluminescente. Um fato, isso, portanto, confirmaria que a redução da poluição poderia ser precisamente a base do retorno da bioluminescência nas praias de Acapulco.

Tudo muito bom, pena apenas que o homem não possa deixar de intervir: entre os vídeos postados também os de algumas pessoas que violaram a quarentena e aproveitaram o show oferecido para tomar banho.

Via GreenMe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.