Não é apenas um caso de “o que não mata te fortalece”.

Um novo estudo publicado no PLOS One sugere que suportar um evento traumático na infância pode levar a níveis mais altos de empatia quando adulto. Embora não se aplique a todas as formas de empatia, mostra como as dificuldades podem ser superadas e até transformadas em oportunidades de crescimento.

“Há razões para esperar que a empatia possa desempenhar um papel no rescaldo de um evento traumático. O trauma aumenta a atenção à emoção, dicas ambientais e aumenta a responsividade da amígdala (que envolve a atenção emocional). Esse aumento na conscientização pode melhorar a capacidade de reconhecer, entender e reagir adequadamente a esses estados em outros, em comparação com indivíduos que não tiveram uma experiência traumática.”

Pesquisa recente de Lim e DeSteno sugere que a gravidade da adversidade do passado pode levar ao aumento da compaixão e que esta ligação é mediada pela empatia. Pesquisas também mostraram que a adversidade pode estar ligada a um aumento no comportamento pró-social e altruísta.

Como eles descobriram isso?

O primeiro experimento perguntou a 387 adultos se eles haviam sofrido traumas na infância, como a morte de um amigo próximo ou membro da família, um divórcio na família, a violência ou abuso sexual. Os participantes foram então solicitados a preencher um quiz de EQ (Quociente de Empatia) para determinar o quanto eles eram empáticos. Uma segunda pesquisa envolveu 442 participantes e usou o teste IRI (Reatividade Interpessoal) para medir os níveis de empatia.

Os achados em várias amostras e medidas mostraram que, em média, adultos que relataram ter tido um evento traumático na infância apresentaram níveis de empatia elevados em comparação com adultos que não experimentaram um evento traumático.

Os sujeitos do teste que sofreram trauma mostravam traços de empatia afetiva, definido como “a capacidade de responder ao estado mental de outra pessoa com uma emoção adequada “, apenas o segundo teste mostrou-lhes pontuação maior do que aqueles que não sofreram trauma na empatia cognitiva, explicado pelos pesquisadores como “a capacidade de compreender os pensamentos e sentimentos do outro. ”

Os autores sugeriram que as diferenças entre os dois testes utilizados poderiam explicar isso, mas também propuseram que a empatia cognitiva pode não ser usada com frequência quando se recupera de um evento traumático como a empatia afetiva.

O estudo baseia-se em autor relato e retrospectivos de trauma. Também depende de pessoas que avaliassem o quão bem eles concordam com perguntas como “Eu posso me sintonizar rapidamente e intuitivamente como alguém se sente. ” O autor responsável David M. Greenberg disse que este era um problema e que “estudos futuros precisam usar uma abordagem longitudinal.”

Os autores também alertam que encontraram uma correlação entre sofrer trauma e ter maiores níveis de empatia. Enquanto eles propõem que a correlação é causada por indivíduos que podem desenvolver essas habilidades para evitar os efeitos mais horríveis do trauma na infância, eles não podem descartar outro mecanismo sendo a causa.

O lado negativo dessas experiências não deve ser menosprezado. As pessoas que passam por esses traumas quando crianças são mais propensas a sofrer uma série de problemas mentais e emocionais. Essas descobertas sugerem, no entanto, que existe um caminho a seguir após um evento traumático ou uma perda grave. Dr. Greenberg resumiu as descobertas dizendo: “Os leitores deste estudo devem considerar que existem caminhos para o crescimento pessoal e a resiliência depois de experimentar um trauma”.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.