Um recente estudo sobre comportamento humano realizado pela Universidade Yale indica que temos uma tendência involuntária a escolher amigos geneticamente parecidos conosco.

Os resultados comprovaram que é possível encontrar semelhanças genéticas entre pessoas que são apenas amigas, ou sejam, não têm nenhum vínculo familiar.

Amizade e genética: qual a relação?

Para chegarem à conclusão, os pesquisadores cruzaram 1,5 milhão de variáveis genéticas de um banco que reunia dados sobre relações familiares e pessoais de um total de 1.932 voluntários do trabalho científico.

Aproximadamente 1% das variáveis genéticas – um número considerado alto pelos cientistas – foi compartilhada entre os amigos.

Uma das funções das variáveis genéticas é controlar diferenças no sistema imunológico, o que poderia explicar o sucesso evolutivo do ser humano. Em um grupo, se um dos membros apresenta alguma doença, os outros podem permanecer protegidos mesmo em um contato próximo, garantindo uma melhor sobrevivência da espécie.

TEXTO DEPAULO NOBUO
FONTEVix
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS