Existem inúmeras controvérsias – algumas das quais são bastante substanciais – sobre Sigmund Freud e Carl Gustav Jung. Você pode encontrar especialistas que apoiam suas ideias e outros que são ferozmente contra. Cada um tem suas próprias razões sutis. Essas discussões tornam-se ainda mais interessantes quando analisamos as diferenças entre Freud e Jung. Em vez de estudá-los separadamente um do outro.

As diferenças entre Freud e Jung são interessantes porque, quando suas carreiras começaram, seus pensamentos e teorias tinham paradoxalmente muito em comum.

Na verdade, eles eram tão parecidos que suas teorias eram muitas vezes confundidas. Algo que não aconteceu mais tarde em sua carreira. Com o passar do tempo, as diferenças entre Freud e Jund se tornaram maiores e suas visões sobre psicologia começaram a diferir umas das outras. Veremos:

Freud e Jung

Sigmund Freud foi um neurologista austríaco que criou uma das áreas mais antigas e poderosas da psicologia: a psicanálise. Além disso, ele é considerado por muitos – seguidores e críticos – como um dos mais importantes intelectuais do século 20.

Porque ele era um neurologista, seu primeiro interesse era neurologia. Suas idéias começaram aqui e depois se tornaram mais e mais psicológicas por natureza. Não apenas na maneira como ele analisou as causas dos distúrbios, mas também no tipo de distúrbios estudados por ele.

Carl Gustav Jung foi um psiquiatra, psicólogo e escritor suíço. Ele desempenhou um papel importante na criação da psicanálise. Mais tarde, no entanto, ele formou sua própria corrente dentro da psicologia analítica, conhecida como psicologia junguiana.

O trabalho de Freud foi interessante para Jung. Freud anunciou publicamente que Jung seria seu “sucessor”. No entanto, não demorou muito para que eles seguissem seus próprios caminhos através de diferenças pessoais e teóricas de opinião. Esta é também a razão pela qual Jung foi expulso da Associação Psicanalítica Internacional, onde chegou a ser presidente em determinado momento (1910).

Diferenças entre Freud e Jung

Embora existam muitas diferenças entre Freud e Jung, neste artigo, vamos apenas olhar para algumas das mais importantes.

1. Psicanalista versus nenhum psicanalista
Embora muitas vezes você possa ouvir o termo “psicanálise junguiana” referindo-se às teorias de Jung, esse é um erro nominativo. Jung não é considerado um psicanalista. De fato, ele próprio decidiu se separar completamente desse movimento e criar seu próprio movimento.

2. O termo ‘complexo’
Freud reconheceu Jung como o autor deste termo. Freud usou o termo “complexo” em suas teorias, como ” Complexo de Édipo ” ou ” complexo de castração”. Mas para Jung, o termo “complexo” significava imagens ou conceitos emocionalmente carregados que se comportam como sua própria personalidade dividida. Cada complexo tinha um arquétipo como centro e estava relacionado ao conceito de “trauma”.

3. Parapsicologia e fenômenos paranormais
Para Jung, a parapsicologia e os “fenômenos paranormais” eram muito importantes. Freud, no entanto, foi contra o estudo dessas idéias e ligá-las à psicanálise. Ele acreditava que isso distorcia as teorias existentes.

4. O conceito de ‘restos arcaicos’
Para Freud, “os restos arcaicos” tinham a ver com certas formas mentais inconscientes. Ele os associava a seu conceito chamado “traço mnêmico”. Para Jung, no entanto, restos arcaicos eram mais do que isso. De fato, ele usou isso para fazer um mapa do inconsciente diferente da psicanálise proposta. Jung estava falando sobre o inconsciente coletivo .

Ele psicanalisava os sonhos de seu paciente, interpretava mitos de diferentes culturas e os incluía em sua pesquisa sobre símbolos alquímicos. Para Jung, o inconsciente coletivo é uma parte da natureza humana. Consiste em estruturas arquetípicas derivadas dos momentos emocionais mais transcendentais da humanidade. Ele diz que é aqui que vem o nosso velho medo das trevas e nossas idéias sobre Deus e o bem e o mal.

5. Fatores históricos e a importância do presente
Segundo Freud, tanto a neurose quanto a psicose se desenvolvem por causa dos fatores históricos de cada indivíduo. Portanto, não por causa de seus fatores ou circunstâncias atuais. Ou seja, fatores históricos determinam ações atuais e futuras.

De acordo com Jung, no entanto, isso funcionou de maneira completamente diferente. Fatores históricos são relativos para ele. Mesmo quando Freud não discordou especificamente dessa questão, ele geralmente discordava do foco de Jung no presente como resultado do passado em relação à neurose.

6. força vital versus libido
Jung definiu o conceito de libido como uma energia vital geral ou força vital que mudaria dependendo do que é mais importante na época para a evolução biológica de nosso corpo: comida, morte, sexo. Mas o conceito de libido de Freud era diferente. Ele dizia que era uma energia predominantemente sexual, concentrada em diferentes partes do corpo durante o desenvolvimento psicossexual de um indivíduo.

7. Psicotopologias
Segundo Freud, a estrutura psicológica do homem tem três níveis: o pré-consciente, o consciente e o inconsciente. Embora Jung tenha concordado com Freud sobre o nível consciente, ele falou de dois inconscientes: o pessoal e o coletivo.

8. Transferência
Outra das diferenças entre Freud e Jung pode ser encontrada em como elas explicam o fenômeno da transferência. Freud acreditava que isso requer um relacionamento assimétrico. O terapeuta é como uma lousa limpa onde o paciente pode colocar ou transferir fantasias, modelos, etc. Essas fantasias e modelos podem ser usados ​​para análise. É, portanto, tráfego de mão única.

Embora Jung ainda fosse da opinião de que a transferência era um problema central para a análise, ele não concordava com as idéias tradicionais de Freud. Ele definiu o relacionamento terapêutico em termos de seu conhecimento alquímico. Ele usou a metáfora de duas substâncias químicas diferentes que se alteram quando entram em contato umas com as outras. Em outras palavras, a relação entre o paciente e o psicoterapeuta é um tráfego colaborativo e de mão dupla.

9. O banco
Freud usou o banco como uma ferramenta indispensável para análise, com o objetivo de manter o analista fora de cena. Mas Jung fez suas sessões cara a cara, sentado na frente do paciente, sem um banco.

10. Frequência da sessão
Uma das últimas diferenças entre Freud e Jung tem a ver com a frequência da sessão. Carl Gustav Jung viu seus pacientes pelo menos duas vezes por semana no início, cerca de uma hora por sessão. Então ele mudou isso frequentemente para apenas uma sessão por semana, durante três anos. No entanto, Freud via seus pacientes seis vezes por semana, cerca de 45 a 50 minutos por sessão.

Acima discutimos dez diferenças entre os métodos, pensamentos e teorias de Freud e Jung. Mas há muitos mais. É bastante interessante olhar para o relacionamento deles e como eles deixaram sua marca na psicologia. Nós encorajamos você a ir um pouco mais fundo em seu trabalho e personalidades.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS