Traduzido de HuffPost Austrália

Por Juliette Steen

Muitas vezes ouvimos pessoas dizendo ‘oh, essa comida é cancerígena’ e ‘comer isso causa câncer’, mas muitos de nós sequer têm noção do que isso significa.

Como um alimento se torna cancerígeno? Comê-los definitivamente causa câncer? Devemos evitar essas coisas completamente?

Que significa um alimento ser cancerígeno?

A porta voz e gerente de nutrição do instituto australiano Council NSW, Clare Hughes, esclarece o que significa um alimento ser cancerígeno.

“Simplificando, um carcinógeno é algo que causa câncer”, Hughes diz. “Pode ser substâncias como tabaco e outros produtos químicos, ou pode ser algo que você está exposto, como radiação UV ou vírus específicos”.

Para que um alimento seja cancerígeno, deve haver evidências fortes que liguem o consumo do produto a uma maior incidência de cânceres específicos, bem como evidências sobre como esse alimento pode causar o desenvolvimento do câncer.

Os alimentos cancerígenos com a maior evidência são o álcool, a carne processada e a carne vermelha”, disse Hughes.

No entanto, é importante enfatizar que os alimentos cancerígenos significam que existe uma ligação ao câncer, e não a quantidade de câncer que um alimento causa.

“É importante entender que quando um alimento é classificado como um carcinógeno, isso é uma indicação de quão forte é a evidência do vínculo entre consumo e câncer”, explicou Hughes. “Não é uma indicação de quanto câncer causa esse alimento ou quanto desse alimento lhe dará câncer”.

Aqui estão alguns alimentos e bebidas diárias que são rotulados como cancerígenos:

  • Carnes processadas , como bacon, salsichas, cachorros-quentes, pepperoni, presunto, carne de bovino e salame (qualquer carne que tenha sido preservada por cura, salga ou defumação, ou adicionado conservantes químicos)
  • Bebidas alcoólicas
  • Peixe salgado (estilo chinês)
  • Alimentos queimados ou pesadamente grelhados
  • Carne vermelha , incluindo carne bovina, vitela, porco, cordeiro, carne de
    carneiro e cabrito.
  • Bebidas quentes acima de 65 ° C
  • Ar e água contaminados

Álcool

“Há uma série de maneiras pelas quais diferentes carcinogênicos causam o desenvolvimento de um câncer”, disse Hughes. “Até mesmo carcinógenos, como o álcool, causam câncer de maneiras diferentes em diferentes partes do corpo”.

O álcool é classificado como um “carcinógeno do Grupo 1”, o que significa que, como a carne processada, a evidência de que o álcool pode ser associado ao câncer é extremamente forte, explicou Hughes – particularmente câncer de boca, garganta, esôfago, mama, fígado, estômago e intestino.

A razão pela qual o álcool está ligada ao câncer é porque o álcool pode danificar o revestimento da boca e da garganta, causando câncer nessas partes do corpo.

“O álcool também pode afetar os níveis de hormônios ligados ao câncer de mama “, disse Hughes.

Carnes vermelhas e processadas
A Organização Mundial de Saúde classificou as carnes processadas, incluindo presunto, salame, salsichas e cachorros-quentes como “cancerígeno do Grupo 1”, o que significa que existem fortes evidências de que as carnes processadas estão ligadas ao câncer, disse Hughes.

“A carne vermelha, como carne bovina, cordeiro e carne de porco, foi classificada como cancerígena do Grupo 2A, o que significa que é uma causa” provável “de câncer”, acrescentou Hughes.

A razão pela qual a carne vermelha e as carnes processadas são cancerígenas é devido aos produtos químicos que elas contêm.

“Pesquisas atuais indicam que existem certos produtos químicos em carnes vermelhas e processadas – adicionados em ambas, que ocorrem naturalmente – que fazem com que esses alimentos sejam cancerígenos”, explicou Hughes.

Em termos de risco de câncer, não há motivo para cortar completamente a carne da sua dieta, mas o Cancer Council recomenda apenas comer quantidades moderadas, o que é aproximadamente 65-100g de carne vermelha cozida 3-4 vezes por semana.
“Por exemplo, quando um produto químico em carne vermelha chamado haem é quebrado no intestino, formam-se produtos químicos N-nitrosos, formando uma situação danosa ao alinhamento das células desse órgão, o que pode levar ao câncer de intestino .

“Estes mesmos produtos químicos também se formam quando a carne processada é digerida. Os conservantes de nitrito utilizados para preservar a carne processada também produzem esses produtos químicos N-nitrosos e podem levar ao câncer intestinal”.

No entanto, não é como se você só precisasse comer uma grande porção de bacon para obter câncer.

“O risco de desenvolver câncer com base na ingestão de alimentos classificados como cancerígenos também depende de outros fatores, incluindo como o indivíduo está exposto ao produto, quanto ele come e por quanto tempo ele consome tal produto”, disse Hughes.

Quanto podemos comer disso antes que o risco se torne potencial? É aqui que as coisas ficam um pouco complicadas. Enquanto os carcinogênicos, como os cigarros, devem ser evitados por completo, alimentos como a carne vermelha também têm alguns benefícios.

“A carne vermelha magra pode ser uma fonte importante de ferro, zinco, vitamina B12 e proteína”, disse Hughes.

“Em termos de risco de câncer, não há razão para cortar completamente a carne da sua dieta, mas os especialistas recomendam apenas comer quantidades moderadas, o que é aproximadamente 65-100g de carne vermelha cozida 3-4 vezes por semana.

“Você também pode tentar adicionar ovo, feijão, lentilhas, peixe ou frango às suas refeições para obter proteína”.

Quando se trata de carne processada, Hughes recomenda diminuir significativamente esses alimentos ou removê-los completamente.

“Mantenha a carne processada em um mínimo absoluto ou, melhor ainda, corte-a completamente”, disse Hughes. “Troque o presunto ou a cobertura por frango.

Quanto ao álcool, enquanto a ingestão zero é ideal (mas inatingível), a limitação do consumo de álcool para menos de duas doses por dia é uma boa ideia.

“Qualquer nível de álcool aumenta seu risco de câncer”, disse Hughes. “Quanto mais você beber, maior o risco de desenvolver câncer. E se você beber álcool e fumar, seu risco é ainda maior , pois o efeito do tabagismo e do álcool no corpo é mais significativo do que os comportamentos individuais.

“Para reduzir o risco de câncer, o Conselho do Câncer recomenda que as pessoas limitem o consumo de álcool. As pessoas que optam por beber devem beber apenas dentro das Diretrizes de Álcool do Conselho Nacional de Saúde e Pesquisa Médica , consumindo mais de duas doses por dia”.

 

Traduzido de HuffPost Austrália

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.