O vasto problema da humanidade com plásticos descartáveis ​​não surge do nada.

Antes dessa avalanche de resíduos transitórios, descartáveis, são descartados em aterros ou queimados – a menos que encontrem seu caminho para o meio ambiente natural – alguém é pago para produzi-los, ganhando dinheiro ao trazer essa poluição inevitável à existência.

Agora, sabemos quem são esses alguéns. Em um relatório inédito, os pesquisadores construíram um índice identificando os 100 maiores produtores de polímeros em todo o mundo que manufaturam plásticos descartáveis ​​que, em última análise, acabam como lixo.

Outros pesquisadores que investigaram esse problema procuraram identificar quais marcas são os piores contribuintes para a poluição do plástico ( spoiler: é a Coca-Cola ) por meio de suas embalagens – mas o próprio plástico começa a vida em outro lugar.

A nova análise – preparada por pesquisadores da Fundação Minderoo, uma organização filantrópica australiana – vai mais fundo na cadeia de suprimentos do plástico, olhando para as próprias empresas que fabricam os polímeros que compreendem plásticos de uso único, como garrafas de Coca e inúmeros outros descartáveis. ‘itens, incluindo máscaras faciais de plástico .

Concentrando-se em polímeros ‘virgens’ obtidos a baixo custo de combustíveis fósseis – que representam cerca de 98 por cento de toda a produção de polímeros – os pesquisadores identificaram cerca de 1.200 instalações de produção em todo o mundo que fazem os cinco principais polímeros em plásticos de uso único: polipropileno (PP), de alta polietileno de densidade (HDPE), polietileno de baixa densidade (LDPE), polietileno linear de baixa densidade (LLDPE) e tereftalato de polietileno (PET).

Essas 1.200 instalações pertencem e são operadas por cerca de 300 empresas distintas, dizem os pesquisadores, mas as 100 maiores são de longe as que mais contribuem para o problema geral, produzindo cerca de 90% de todos os resíduos plásticos descartáveis ​​gerados globalmente.

Em meio a esse notório campo, os 20 primeiros ocupam o centro da crise. Essas 20 empresas produtoras de polímeros – lideradas pelas americanas ExxonMobil e Dow, com a chinesa Sinopec em terceiro lugar – respondem por cerca de 55 por cento dos resíduos plásticos descartáveis ​​em todo o mundo, que no total totalizaram mais de 130 milhões de toneladas métricas de resíduos em 2019.

As três maiores empresas sozinhas fabricaram cerca de 16 por cento disso, cada uma produzindo mais de 5 milhões de toneladas métricas de resíduos – mas os principais produtores do problema do plástico quase não foram notados, dizem os pesquisadores.

“Hoje, a regulamentação é amplamente voltada para dezenas de milhares de empresas que vendem produtos acabados usando plásticos descartáveis”, escrevem os autores no relatório .

“Uma solução mais eficaz seria enfrentar a crise de resíduos de plástico por meio dos produtores de polímeros na base da cadeia de abastecimento, que são relativamente poucos em número. As melhorias nesta fase estariam em cascata por toda a cadeia de abastecimento, com um impacto desproporcional na circularidade e poluição de plástico. “

Além de indexar os produtores de polímeros por trás da crise do plástico, os pesquisadores também identificaram os 100 maiores proprietários de capital dos produtores de polímeros (sejam estados nacionais, como a Arábia Saudita em primeiro lugar, ou instituições privadas) e também os 100 maiores bancos que financiam produtores de polímeros – os cinco principais são todos bancos sediados no Reino Unido ou nos Estados Unidos.

Os fluxogramas desenvolvidos pela equipe revelam como a propriedade dos produtores de polímeros acaba impactando cada país individualmente. Per capita, os maiores geradores de resíduos plásticos descartáveis ​​são Austrália, Estados Unidos, Coreia do Sul e Reino Unido – com o maior volume geral de resíduos terminando na China, seguido pelos EUA, Índia, Japão e Reino Unido.

“Esta é a primeira vez que os fluxos financeiros e materiais da produção de plástico descartável foram mapeados globalmente e rastreados até sua origem”, disse o co-autor do estudo Toby Gardner, do Stockholm Environment Institute.

“Revelando a dimensão da crise global que temos em mãos, é fundamental quebrarmos o padrão de inação.”

Romper esse padrão não será fácil, dado que a crise – literalmente propriedade de atores estatais e empresas privadas de grande poder – é um “problema geopolítico arraigado”, de acordo com o relatório, que faz várias recomendações importantes para diferentes setores e partes interessadas.

Mas o passo mais importante, dizem os pesquisadores, envolve deixar de lado a produção de polímero virgem – proveniente de combustíveis fósseis e responsável por grandes quantidades de emissões de gases de efeito estufa – e, em vez disso, usar plásticos feitos de materiais reciclados, que atualmente representam apenas 2% da produção total de plástico.

“Assim como a divulgação das emissões de gases de efeito estufa foi o primeiro passo para a criação de metas globais de redução, a divulgação de financiamento e produção de plástico de uso único é necessária para virar a maré neste problema crescente”, escreve o ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore, em um prefácio ao relatório .

“Com o Índice de Fabricantes de Resíduos de Plástico como uma linha de base essencial, os formuladores de políticas, empresas do setor e de serviços financeiros podem criar as etapas necessárias para nos mover em direção a um futuro sustentável.”

Os resultados estão disponíveis no site da Fundação Minderoo . A fundação foi co-estabelecida por Andrew Forrest, presidente do Fortescue Metals Group.

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.