Vivemos em sociedade, o que significa que dependemos até certo ponto da aprovação social. Quando crianças, buscamos a aprovação de nossos pais e então competimos na escola pela aprovação do professor. A necessidade de aprovação não é algo negativo. Na verdade, desde cedo é mais uma busca instintiva dos quadros de referência que precisamos para entender como a sociedade funciona e para nos inserirmos com sucesso nela.

À medida que crescemos, tornamo-nos pessoas mais autônomas e independentes que desenvolvem seus próprios valores e referências, portanto, a necessidade de aprovação deve diminuir. No entanto, a verdade é que a rejeição e a desaprovação social continuam a nos prejudicar. Tanto que ativam as mesmas áreas de dor física em nosso cérebro, como confirmaram pesquisadores da Universidade de Michigan.

Isso significa que, de alguma forma, nossos cérebros estão “programados” para buscar a aprovação de outras pessoas. Porém, em alguns casos, essa busca pode se traduzir em comportamentos disfuncionais que nos causam grande desconforto e nos impedem de crescer como pessoas para atingir nosso potencial.

Quando a busca por aprovação se volta contra nós

Às vezes, quando nos importamos muito com o que as outras pessoas pensam, nos tornamos dependentes de aprovação externa. Essa busca de aprovação faz com que nos sintamos compelidos a subordinar nossas necessidades e desejos aos outros, por medo da decepção ou rejeição. Como resultado, acabamos sabotando nossa felicidade e sacrificando nossa satisfação e realização pessoal.

O problema é que às vezes não percebemos essa auto-sabotagem, então continuamos a repetir padrões de comportamento disfuncionais mais orientados para buscar a aprovação dos outros do que para satisfazer nossas necessidades e nos sentir completos.

  1. Sendo extremamente perfeccionista

Às vezes, o perfeccionismo não surge do desejo de melhorar a si mesmo, mas é um reflexo da necessidade de aprovação. Se nos sentimos compelidos a fazer tudo de maneira superlativa e queremos nos destacar para receber elogios, provavelmente estamos forçando nossos limites pelos motivos errados.

Esse tipo de perfeccionismo, na verdade, esconde a sensação de que não somos bons o suficiente, então tentamos ir mais longe para nos provar. Em outros casos, surge da crença de que não somos dignos de ser amados e apreciados por quem somos, por isso tentamos muito obter o amor e a aprovação dos outros.

O problema é que esse perfeccionismo acaba sendo patológico porque gera muita ansiedade e nos impede de relaxar. Nós continuamente nos esforçamos ao máximo, colocando esforços desnecessários apenas para buscar a aprovação dos outros.

  1. Não correndo riscos por medo de falhar

Há um ditado que diz que quem não arrisca não vence. No entanto, se tememos a desaprovação social, tenderemos a ficar em nossa zona de conforto e evitar novas situações em que possamos fracassar, mesmo que representem uma boa oportunidade.

Um estudo realizado no final dos anos 1990 na Universidade de Columbia verificou esse fenômeno em crianças entre 10 e 12 anos. Eles descobriram que quando a necessidade de aprovação era ativada pelo elogio às crianças por sua inteligência, eles optavam pelos problemas mais fáceis, gostavam menos dos deveres de casa e suas notas despencavam, em comparação com crianças que eram elogiadas pelo esforço.

Se acabarmos equiparando o fracasso com a desaprovação, provavelmente resistiremos a empreender projetos em que não tenhamos sucesso garantido, então acabamos nos limitando. Não só podemos perder boas oportunidades, mas nunca saberemos até onde somos capazes de ir e acabaremos estacionando nossos sonhos, sacrificando-os no altar da aprovação social.

  1. Desistindo de nossas necessidades

A busca por aprovação muitas vezes leva a comportamentos dependentes e submissos que diluem o “eu”. É provável que não ousemos dizer o que pensamos por medo da rejeição ou que escondamos nossos sentimentos para não sermos julgados. Ao nos conformarmos com os outros, acabamos perdendo nossa identidade.

Quando nos perguntamos constantemente o que os outros vão pensar, gradualmente perdemos contato com nossas necessidades e desejos. Em vez de olhar para dentro, olhamos para fora, a ponto de esquecer que também temos o direito de errar, ir contra a maré ou discordar.

Se sempre priorizarmos as necessidades dos outros, acabamos nos deixando em segundo plano. A necessidade de buscar a aprovação de outras pessoas provavelmente nos faz acreditar que devemos estar sempre disponíveis e dispostos a nos sacrificar. Esse tipo de comportamento mal-adaptativo geralmente prepara o terreno para que outras pessoas tirem vantagem de nós, de modo que podemos acabar sendo vítimas do efeito capacho .

Por fim, é importante ter em mente que, embora ninguém seja uma ilha completa em si, como disse John Donne, devemos encontrar um equilíbrio entre a necessidade de nos conectarmos e nos sentirmos validados e a necessidade de nos diferenciarmos e nos reafirmarmos como pessoas únicas .

Todos nós precisamos de apoio na forma de aprovação. A aprovação externa confirma que estamos no caminho certo e muitas vezes nos dá a força necessária. No entanto, quando a busca pela aprovação se torna uma obsessão que nos limita, temos que parar no meio do caminho para entender suas causas e nos livrar de sua influência nociva.

Adaptado de Rincón de la Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.