Adaptado de Rincón Psicología

Existem realidades que doem. E é por isso que preferimos olhar para o outro lado. Fingir que eles não existem, com a secreta esperança de que elas desapareçam enquanto preenchemos nossa mente com outras coisas, menos importantes, mas também menos desconfortáveis.

No entanto, quando “não pensar” se torna a palavra de ordem, temos um problema. Tanto pessoal como social. Sócrates havia dito séculos atrás: “Só existe um bem: o conhecimento. Existe apenas um mal: a ignorância “.

Pawel Kuczynski, um ilustrador de origem polonesa que ganhou 92 prêmios nacionais e internacionais por seu trabalho, é uma daquelas pessoas que não olham para o outro lado. Suas ilustrações não deixam indiferentes aqueles que têm um mínimo de sensibilidade e um olho afiado o suficiente para capturar o que acontece na sociedade.

Seus traços são extremamente reveladores, eles trazem os mesmos demônios internos dos quais não queremos tomar nota de que as relações líquidas que não contribuem para nada, a dependência da tecnologia e as formas sutis, mas terríveis de manipulação social a que estamos sujeitos, às vezes sem perceber, às vezes com um consentimento sutil.

Talvez o que mais nos impressiona em seu trabalho seja que suas imagens são tão reais quanto a própria vida, são aquelas outras faces que normalmente não vemos ou que não queremos ver. De fato, o próprio artista disse: “Eu me considero um observador de tudo que acontece ao meu redor”.

1. Pense sozinho. Pesquise, investigue, leia … Se você não o fizer, alguém o fará em seu lugar, ensinando o que pensar, dizer e até mesmo sentir. Lembre-se de que educar não é encher a mente, mas libertá-la de seus vínculos e que, muitas vezes, o aprendizado mais duradouro e profundo são aqueles que fazemos sozinhos.

2. Mais e mais conectados, mas também mais sozinhos. As redes sociais “satisfazem” nossa imperiosa necessidade de escapar da solidão, mas, contraditoriamente, fazem de nós uma ilha trancada em nós mesmos. Enquanto elas nos encorajam a nos conectar, elas tiram nossas habilidades sociais. Enquanto espantam o fantasma da marginalização, isolam-nos dos que nos rodeiam.

3. “A televisão pode nos dar muitas coisas, exceto o tempo para pensar”, disse Bernice Buresh e Fellini, dando mais um passo afirmando que “a televisão é o espelho que reflete a derrota de todo o nosso sistema cultural”.

 

4. Existem relacionamentos tóxicos que nos prejudicam muito, mas mesmo assim, continuamos a mantê-los. Talvez por hábito, por medo de não encontrar mais ninguém, por simples dependência …

5. “Quem detém o celular como símbolo de poder está declarando ao mundo inteiro sua condição desesperada como subordinado”, disse Zygmunt Bauman. Temos certeza de que usamos o celular ou a tecnologia que nos usa? Às vezes a linha é tão sutil que desaparece.

6. Há um novo Deus e uma nova verdade, que é compartilhada na Internet e impõe tecnologia, em torno da qual acabou transformando nossas vidas. Essa nova realidade alternativa acaba suplantando as relações no mundo real, servindo como alimento, muitas vezes de pouco valor, para satisfazer nossa fome de conhecimento e intimidade.

7. Ser a ovelha negra não é ruim, apenas implica pensar ou agir de forma diferente. De fato, Marc Twain nos alertou: “Toda vez que você se encontra do lado da maioria, é hora de parar e refletir.” E Albert Einstein disse: “A pessoa que acompanha a multidão normalmente não vai além da multidão, a pessoa que anda sozinha provavelmente chegará a lugares onde ninguém esteve antes.” Você decide.

8. A falsa sensação de liberdade alimentada pela sociedade que o escritor Étienne de La Boétie já havia nos alertado no século XVI, explicando que o princípio supremo dos novos tempos era que as pessoas tinham a “liberdade” de fazer o que eles devem. Pouco mudou nos últimos séculos.

9. “A Internet é projetada para nos dar mais do mesmo, qualquer que seja o mesmo, não importa o que é mais importante, e também para ficar preso ao que é diferente, tudo o que é diferente”, disse Bauman. Em uma época em que todos olham para baixo, quem olha além de tentar ver o horizonte pode se tornar um problema a ser erradicado.

10. A sensação de falsa segurança alimentada pela sociedade que Bauman já havia nos alertado quando disse: “A incerteza, a principal causa da insegurança, é o instrumento mais decisivo de poder”. Eles nos vendem segurança como um remédio, enquanto nos roubam nosso verdadeiro valor, deixando-nos a enfrentar riscos sem estarmos preparados.

11. Relações líquidas, um amor que conectamos e desconectamos com extrema velocidade e com a mesma facilidade com que trocamos camisas. É sobre esse amor líquido que procuramos não sentir a solidão e a insegurança, mas em que não estamos dispostos a investir mais do que o mínimo esforço e o menor sacrifício possível.

12. O cerco de tecnologia, chamadas, mensagens recebidas, notificações e e-mails se tornam perigos que nos assediam, colocando nossa atenção sob controle, impedindo-nos de relaxar.

13. Carlos Catañeda disse: “Enquanto você se sente a coisa mais importante do mundo, você não pode verdadeiramente apreciar o mundo ao seu redor, você é como um cavalo com vendas: você só se vê, alheio a todo o resto”. Internet, e especialmente redes sociais, geram esse efeito aterrorizante, impedindo-nos de apreciar as coisas e as pessoas ao nosso redor.

 

14. O confessionário das redes sociais, onde a ruptura entre o privado e o público é clara. Para dizer de Bauman: “o espaço público é onde ocorre a confissão de segredos e intimidades particulares”. A linha divisória entre os dois mundos foi obscurecida, esvaziando o sentido público de significado e subtraindo o poder de unir as pessoas ao privado.

      15. “A vocação do político de carreira é tornar cada solução um problema”, disse Woody Allen, mas não podemos esperar mais nada em uma sociedade que confia seu governo nas mãos de pessoas que se prepararam em uma cadeia para não ter voz ou ideias próprias.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS