Em 590 dC, o papa Gregório I revelou uma lista dos Sete Pecados Capitais – luxúria, gula, ganância, indignação, ira, inveja e orgulho – como uma maneira de evitar que o rebanho se perdesse nos espinhosos campos da impiedade. Hoje em dia, para todos, menos para os mais devotos, a lista do papa Gregório parece menos um meio para o comportamento moral do que uma descrição da programação da TV a cabo.

Então, em vez disso, vamos olhar para um dos santos do século XX – Mahatma Gandhi . Em 22 de outubro de 1925, Gandhi publicou uma lista que ele chamou de Sete Pecados Sociais em seu jornal semanal Young India .

Os sete pecados sociais definidos por Gandhi são uma bela compilação de comportamentos que causam sérios danos a uma sociedade . Esse líder espiritual e político estava intrinsecamente convencido de que a moralidade era uma força superior. É por isso que ele apontou os fatores que minaram a moralidade social.

1- Política sem princípios

Quando falamos de política , imediatamente imaginamos políticos . Tornou-se lugar-comum criticá-los e chamá-los de corruptos. Nós também tendemos a usar essa ideia como um pretexto para, aparentemente, não participar da política.

Esquecemos, no entanto, que também somos parte desse regime que estamos questionando. Se é mantido, é graças a nós, seja por ação ou omissão. Estamos todos envolvidos na política, como participantes ativos ou passivos. A questão é se nossa participação contribui para elevar valores na política ou não.

2- Riqueza sem trabalho

O trabalho não é apenas uma maneira de ganhar renda. Trabalhar e ganhar a vida também é um fator que nos torna dignos. Viver do trabalho dos outros, por outro lado, deteriora nosso ser. Isso nos torna parasitas sociais.

O bem-estar deve ser o resultado do esforço. Isso é assim na realidade. As pessoas que vivem sem ser prestativas raramente se sentem muito bem. O oposto é muito mais comum: a pessoa se torna insaciável, nada satisfaz, nada faz sentido a seus olhos.

3Prazer sem consciência

A busca do prazer é absolutamente legítima. Todo ser humano tem o direito de buscar o que dá prazer aos seus sentidos e ao seu espírito. É diferente quando caímos em excessos, o mesmo prazer acaba causando danos.

Gandhi tinha uma visão estóica sobre isso. A moderação era para ele uma grande virtude. Ser responsável pelo prazer é manter um equilíbrio com o que nos dá prazer. Não deixe que isso se torne um excesso vicioso, acabando por prejudicar outros valores.

4- Conhecimento sem caráter

Acumular conhecimento não necessariamente significa que a pessoa é compassiva e generosa. O conhecimento pode até, em muitos casos, estar mascarando uma falta grave de caráter.

5- Comércio sem moralidade

A ambição é outro fator que às vezes leva a pecados sociais. Quando pensamos apenas em nosso próprio bem-estar, geralmente há a ideia de que esse objetivo justifica toda ação. O sucesso pessoal tornou-se um pretexto para recorrer aos comportamentos mais sórdidos.

Até mesmo as pessoas consideradas como “pessoas de bem”, acabam acreditando que essa postura é natural, que estão apenas sendo práticas. Tendemos a chamar alguém idealista ou sonhador que confia em valores morais. Este tipo de comportamento leva apenas a reduzir ainda mais o limite e acaba por reger uma espécie de “lei da selva” .

6- Ciência sem humanidade

Embora, em princípio, a ciência sirva à humanidade, também encontramos muitos casos em que ela é diferente. Por exemplo, quando informações imprecisas ou falsas são promovidas com base em investigações fraudulentas, ou quando experimentos e pesquisas são conduzidos, enquanto comportamento antiético é realizado em pessoas ou animais.

7- Religião sem sacrifício

Embora Gandhi fale exclusivamente de religião, o princípio pode aplicar-se aqui a qualquer tipo de crença espiritual, religiosa ou não. Quando uma crença é professada, ela assume que o que está na mente e no coração é traduzido em ação.

A religião sem sacrifício é considerada um dos pecados sociais porque as crenças sem fatos perdem seu valor em grande parte. Quando realmente acreditamos em algo, devemos estar dispostos a assumir isso.

A lista surgiu de uma correspondência que Gandhi tinha com alguém apenas identificado como um “amigo honesto”. Ele publicou a lista sem comentários, exceto pela seguinte linha: “Naturalmente, o amigo não quer que os leitores saibam essas coisas meramente através do intelecto, mas conhecê-las através do coração, de modo a evitá-los.

Ao contrário da lista da Igreja Católica, a lista de Gandhi é expressamente focada na conduta do indivíduo na sociedade. Gandhi pregou a não-violência e a interdependência, e cada um desses pecados são exemplos de egoísmo que vencem o bem comum.

Em 1947, Gandhi deu a seu quinto neto, Arun Gandhi, um pedaço de papel com essa mesma lista, dizendo que continha “os sete erros que a sociedade humana comete e que causam toda a violência”. No dia seguinte, Arun voltou para sua casa na África do Sul. Três meses depois, Gandhi foi morto a tiros por um extremista hindu.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.