A imagem do escritor falido está enraizada na imaginação popular. O artista muitas vezes torturado que escreve até que se lembre de comer, e depois come muito pouco para esticar o orçamento que está minguado.

Embora essa imagem não se aplique à maioria dos escritores, há alguns autores incrivelmente famosos que praticamente não conseguiram um centavo por seus escritos. Isso não os impediu de se juntar às fileiras dos mais célebres poetas e romancistas de todos os tempos. Aqui temos seis desses autores para sua consideração.

HP Lovecraft


Lovecraft era um escritor americano que ficou conhecido pelo seu estilo considerado como ” ficção estranha “, que, apesar da tal estranheza, veio influenciar gerações de artistas por muito tempo. Seus Mitos de Cthulhu, uma coleção de novelas e contos interconectados, inspiraram autores de Stephen King a Alan Moore. A palavra “Lovecraftiano” entrou em uso para descrever seu tipo de horror cósmico e o próprio Cthulhu aparece frequentemente na cultura popular.

Apesar de trabalhar toda a sua vida como escritor, ele nunca conseguiu ganhar dinheiro suficiente para cobrir até mesmo suas despesas mais básicas, nos pontos mais baixos de sua vida, foi forçado a pular refeições para pagar os selos postais. Um projeto planejado com Harry Houdini, que lhe renderia muito dinheiro, teve que ser abandonado com a morte de Houdini. A falta de perspicácia nos negócios também o afligia; Certa vez, ele não conseguiu responder a uma editora que perguntou sobre qualquer romance que ele pudesse ter preparado.

Lovecraft, cujo desejo de ganhar a vida como escritor nunca deu certo, morreu em 1937 de câncer aos 46 anos.

 

Franz Kafka


Kafka era um escritor tcheco que vivia e trabalhava em Praga no início do século XX. Sua escrita muitas vezes se concentrava nos poderes alienadores das burocracias, dos sistemas bizantinos que trabalhavam para se promover e das características isoladas da vida moderna. Entre suas obras estão A Metamorfose e A Trilha, que inspiraram os filósofos existencialistas e tiveram tal influência na literatura que a palavra “ Kafkiano” foi criada para descrever seu estilo.

Como Lovecraft, Kafka publicou alguns trabalhos em vida. Kafka, no entanto, manteve a maior parte do seu trabalho para si e ordenou que fosse queimado após a sua morte. Seus amigos enviaram para a editora em vez disso. Incapaz de se sustentar escrevendo, Kafka assumiu vários empregos que lhe permitiram escrever à noite. Ele teve um período longo, relativamente próspero, como funcionário de seguros em uma agência de segurança no trabalho.

Kafka foi relativamente desconhecido durante a sua vida, mas tornou-se famoso quase imediatamente após a sua morte de Tuberculose aos 40 anos. Várias das suas obras podem ser lidas na Internet.

“Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso”. – A Metamorfose

 

Emily Dickinson


Emily Dickinson era uma poetisa americana que escreveu cerca de 1800 poemas, dos quais menos de uma dúzia foram publicados durante a sua vida e foram muitas vezes editados em grande número. A poesia de Dickinson foi continuamente publicada desde sua morte em 1890 e tem sido altamente elogiada.

Dickinson escreveu prolificamente durante a guerra civil americana e continuou a correspondência com outras pessoas para obter feedback sobre seu estilo experimental. Ela, como Kafka, pediu que seus documentos fossem queimados depois de sua morte em 1886. Felizmente para nós, essa promessa não foi cumprida. Sua irmã mais nova encontrou o tesouro de poemas inéditos e os imprimiu.

 

 

Marcel Proust


Um escritor francês no início dos anos século 20, Proust é mais conhecido por seu trabalho monumental “Em busca do tempo perdido”, partes do qual foram publicados apenas após sua morte. É considerado por muitos como um dos maiores romances já escritos.

Realizou sem entusiasmo outras atividades. Certa vez ocupou um cargo em uma biblioteca e tirou uma licença médica tão prolongada que presumia-se que ele tivesse renunciado ao posto. Ele vivia com seus pais enquanto eram vivos e depois por conta de uma herança deixada para ele. Embora Proust ganhasse algum dinheiro como escritor, seu trabalho não estava acabado e não foi totalmente apreciado até depois de sua morte, aos 51 anos.

“Estamos curados de um sofrimento apenas experimentando-o ao máximo.”

– Em busca do tempo perdido

Edgar Allen Poe


Um escritor americano que dificilmente precisa de qualquer introdução. Poe era um mestre do horror gótico e o inventor do gênero de ficção policial. Suas obras são necessárias para leitura em qualquer aula de literatura americana e seu trabalho mais famoso, The Raven (O Corvo), foi gravado e parodiado inúmeras vezes.

O Corvo foi extremamente popular após a publicação e rendeu a Poe precisamente nove dólares. Ele foi o primeiro autor americano notável a tentar ganhar a vida escrevendo sozinho. Porém foi incapaz desse feito e teve que realizar vários outros trabalhos para se sustentar. Poe foi encontrado delirando em uma sarjeta em Baltimore e morreu de causas ainda desconhecidas em um hospital próximo. Uma biografia popular descrevendo falsamente Poe como um degenerado foi publicada e fez muito dinheiro, deturpando a imagem que ele tinha construído de si mesmo desde então.

“Corvo sombrio e horripilante vagando da costa noturna – o corvo

 

Fredrich Nietzsche


Filósofo germânico que co-fundou o existencialismo, Nietzsche teve uma tremenda influência na filosofia, na política, na psicologia e na imagem popular de um filósofo. Seus trabalhos são frequentemente referenciados por pessoas que não têm idéia do que estão falando, e ele continua sendo um filósofo que é bem conhecido mesmo para aqueles que nunca estudaram filosofia.

Ele abandonou uma carreira de professor na academia para tentar ganhar a vida como escritor e filósofo independente. Foi incapaz de ganhar muito dinheiro vendendo seus livros e muitas vezes recorria aos amigos. Isso não o deteve, e no auge de sua escrita ele estava lançando um livro de alta qualidade por ano. No momento de sua morte, ele alcançou alguma fama, se não riqueza, de seus escritos. Versões ligeiramente mais antigas de seu trabalho podem ser lidas Internet.

“Eu não sou homem, sou dinamite!”- Ecce Homo

 

Via BigThink

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.