O futuro é uma preocupação do presente. Ainda mais: você não pode pensar no amanhã sem pensar no dia de hoje. A questão filosófica por excelência “Quem somos nós?” tem, então, uma possível resposta de outra conjugação verbal: “Quem nós seremos?”

Mas como você explora um território desconhecido? Qualquer habitante do 1018 poderia ter imaginado com um certo grau de certeza como seria o 1060. Para nós, no entanto, 2060 é um mistério sem resolução.

Algum tempo atrás, o antropólogo francês Marc Augé propôs em um ensaio chamado Futuro que, diante dos efeitos da globalização e dos avanços na ciência e tecnologia, nenhuma categoria do passado – especialmente, a utopias do século 19 – poderia ser uma ferramenta adequada para interpretar a sociedade do século 21.

Um museu de grandes novidades

“Muitos estudiosos tentam prever como será o mundo em 2100 ou 2200. É uma perda de tempo”, diz ele, em consonância com Augé, o historiador israelense Yuval Noah Harari no Homo Deus. “Qualquer previsão que valha a pena deve levar em conta a capacidade de remodelar a mente humana, e isso é impossível.”

Depois de Sapiens (2011), um best-seller arrebatador que vendeu mais de um milhão de exemplares em 30 idiomas e recebeu grandes elogios de personalidades como Barack Obama e Bill Gates, Harari decidiu com o Homo Deus investigar o futuro.

Sapiens tem uma teoria provocativa: o homem se tornou a espécie dominante do planeta graças à “revolução cognitiva” que lhe deu a habilidade da linguagem. O fato de elaborar e transmitir mitos – Deus, o Estado, as empresas – fez com que milhões de indivíduos se unissem em busca de um objetivo comum e se organizassem em uma comunidade que, de outro modo, teria sido impossível de sustentar.

“Não há outro animal que possa ser medido conosco”, diz ele, aceitando essa hipótese, “não porque lhes falta alma ou mente, mas porque lhes falta a imaginação necessária”. Os leões podem correr, pular, morder e rasgar, mas não podem abrir uma conta bancária ou entrar com uma ação judicial. E no século 21, um banqueiro que sabe como fazer uma ação judicial é mais poderoso do que o mais feroz dos leões da savana “.

Homo Deus leva a ideia desenvolvida em Sapiens ao extremo de uma maneira bastante perturbadora: se o que nos fez reis da criação é a “história” que conseguimos construir, hoje é essa mesma história que nos limita. Se pudéssemos nos livrar das idéias sobre Deus, o Estado e o sistema liberal capitalista que regula a ordem mundial, daríamos um passo em direção ao futuro. Com esta proposta, não está muito perto do precipício do relativismo social? Sim claro. Mas se toda história é uma construção humana, é, portanto, relativa. Este não é mais o século das verdades absolutas.

O tempo não para

Na história da humanidade há três revoluções que marcaram o curso do homo sapiens: a revolução cognitiva de 70.000 anos atrás, a revolução agrária de 12.000 anos atrás – que nos fez deixar de ser caçadores-coletores para serem os senhores da terra -, e a revolução científica de apenas 5 séculos atrás. Hoje estamos às portas de uma nova revolução: a tecnológica. O humano do futuro, se a palavra humana se encaixar, terá um salto evolucionário muito mais notável do que aquele entre o homem neandertal e o homo sapiens. O homem do futuro, para Harari, terá a grande oportunidade de se tornar um homem sem fome, sem guerras, sem morte.

O próximo passo na história da evolução é a ascensão do Homo Deus: um homem melhorado tecnologicamente que pode alcançar a imortalidade. Nesse novo mundo: “O leitor quer saber como os ciborgues super-inteligentes podem tratar humanos comuns de carne e osso? É melhor começar investigando como os humanos tratam seus primos animais menos inteligentes”.

Para Harari, a grande questão não é determinar se haverá um “Homo Deus”, mas quando será. Enquanto a medicina do século 20 aspirava curar os doentes, o século 21 aspira mais e mais a melhorar os saudáveis. Essa mudança substitui a medicina de massa pelo perigoso darwinismo: “Melhorar as pessoas saudáveis é um projeto elitista”, diz Harari, “porque rejeita a idéia de um padrão universal aplicável a todos e visa dar vantagens a alguns indivíduos em detrimento de outros. ” Segue-se que a revolução tecnológica provocará nos homens do século 21 o que a revolução industrial provocou nos homens de 1700. “O problema crucial não é a criação de novos empregos”, diz ele quase no final do livro. “O problema crucial é criar novos empregos nos quais os humanos tenha um desempenho melhor que os algoritmos.”

Não há no futuro cenários de Harari de estepes áridas pós-nucleares ou lutas contra robôs assassinos. Mas esse futuro que imagina – que pode não durar os próximos 30 anos – é terrivelmente perturbador.

 

Traduzido de Infobae

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS