Azriel ReShel

Um mapa para a jornada da vida

Como seres humanos, quando temos nosso leme pronto para fazer a coisa certa, não importa o que aconteça, há um efeito colateral surpreendente: o benefício da paz interior. Quando fazemos a coisa certa, ou fazemos as pazes quando deixamos de fazer a coisa certa, descobrimos que podemos dormir à noite – nossas más ações não assombram nossos sonhos ou nos mantêm de pé, com os olhos arregalados e suando, horas. Um contentamento caloroso torna-se nosso querido amigo. Todos e cada um de nós podem viver uma vida melhor e mais feliz, lutando pela excelência humana.

Platão, o antigo filósofo grego clássico, cujas idéias ainda são ensinadas e debatidas nas universidades de hoje, tem muito a dizer sobre a excelência humana. Sua influente Academia de pesquisa e aprendizado, fundada em 380 aC, foi a ancestral das universidades modernas de hoje. Na República, a obra mais conhecida de Platão e uma das obras de filosofia e teoria política mais influentes do mundo, ele lista as quatro virtudes cardeais da excelência humana como sendo: sabedoria, temperança, coragem e justiça, dizendo que eles refletem a verdadeira natureza da alma. Numerosos outros filósofos, como Aristóteles, Santo Agostinho e São Aquino, expandiram as virtudes cardeais de Platão, todos citando-os como essenciais para o bem-estar humano.

As quatro virtudes cardeais da excelência humana: fortaleza, temperança, prudência e justiça.

Esses pilares de justiça, relacionamento humano, sabedoria e consciência superiores são vitais em um mundo que parece estar perdido. São ferramentas úteis para nos fundamentar na excelência e podem até ser a chave para uma felicidade maior. Esforçar-se pela distinção é algo incrível, e traz à tona nosso verdadeiro caráter; desenvolvendo nossas forças, abrindo nossa sabedoria e sintonizando nossa grandeza inata.

adinserter name=”video ad”]

O quarteto de virtudes cardeais de Platão forma a base sobre a qual todas as outras virtudes repousam e, como tal, representa o fundamento da moralidade natural. O filósofo erudito falou muito sobre ética e acreditou que a felicidade, ou bem-estar, era o objetivo mais elevado do pensamento e da conduta moral. Portanto, essas virtudes agem como um mapa prático para alcançar a felicidade.

Sabedoria / Prudência
A sabedoria é a capacidade de discernir nosso bem maior e a ação correta em cada momento. Muitas vezes é atribuída aos anciãos, e aos antigos ensinamentos e mestres, mas a sabedoria é eterna, atemporal e sem rosto: uma magia que todos nós sentimos e conhecemos quando a experimentamos. Sabedoria é verdade. Ela flui da boca de crianças pequenas e pode ser vista na natureza, nos animais e nas qualidades inatas do coração. Uma pessoa sábia não tem nada a provar e nada a perder.

Justiça
Justiça é a capacidade de ser justo, respeitar os direitos dos outros e dar-lhes o devido. Pode ser visto na vida cotidiana como relações harmoniosas e respeitosas baseadas na integridade. A justiça informa a ética, está ligada aos direitos humanos básicos e é a base da justiça, igualdade e respeito pelas diferenças. Como tal, essa virtude ajuda a unir pessoas e evitar conflitos.

Coragem / Fortitude
A coragem é a capacidade de vencer o medo e ter força diante das dificuldades. É a capacidade de ter a resolução interior de resistir às tentações e superar os obstáculos. Temos coragem quando escolhemos a estrada mais alta e, por exemplo, somos capazes de sacrificar nossos próprios desejos por uma causa justa. Ter coragem sustenta grande parte da excelência humana e viver uma vida excelente. Pode trazer uma tremenda liberdade e crescimento; quando damos esse salto corajoso, o universo se abre para nós. Sem coragem, estamos à deriva no mar. Enquanto aproveitamos o dia, tudo é possível.

Temperança / Moderação
A temperança é o domínio da vontade sobre os instintos e se manter equilibrado e honesto. Ela pode ser visto no dia a dia, como a capacidade de controlar nossos apetites/desejos para o excesso de qualquer coisa. Nós podemos definitivamente a despertar os sentidos, e ser abundante, mostrando moderação, disciplina e restrição. A comida, a bebida e o sexo são todos necessários para a nossa sobrevivência, mas um excesso de desejo para qualquer um destes pode ter terríveis consequências. O extremismo em qualquer coisa é problemático. A temperança é um pouco como o “caminho do meio” budista. Ela pode proteger contra o excesso e o desequilíbrio, e requer simplicidade, presença e consciência.

Abraçando a jornada do herói
Há tantas histórias de grandes seres humanos vencendo obstáculos e situações graves e devastadores na vida. Todos nós amamos essas histórias e as achamos profundamente inspiradoras. Incorporadas nas jornadas destes heróis estão as quatro virtudes cardeais. É preciso muita coragem para começar a busca da excelência humana, recusar-se a desistir e tomar o caminho mais alto, ou continuar em território desconhecido. Então é preciso força incrível para persistir diante da oposição, do desastre e dos problemas. A crença na justiça e a disciplina que a temperança proporciona tornam-se a base desta busca e nasce um herói.

Todos os dias lemos as histórias de pessoas comuns que superaram as chances incríveis de ter sucesso. Penso em Tony Robbins, que se levantou de uma situação de abuso infantil e pobreza para ser o maior e mais bem-sucedido treinador de vida internacional; Anne Frank e tantos outros sobreviventes e heróis do holocausto; Nick Vujicic, nascido sem braços e pernas; e Oprah Winfrey e Maya Angelou, que sofreram terríveis abusos sexuais quando crianças. Pessoas como alpinista, Joe Simpson, que apesar do frio e uma perna quebrada, resgatou-se de uma profunda fenda. E muitas outras histórias simples, mas profundas, de sobrevivência, esperança e resiliência, de heróis comuns, que ocorrem todos os dias – comuns a todas essas histórias – são o fio dessas quatro virtudes de uma forma ou de outra.

Todos nós podemos lutar pela excelência humana e usar as virtudes cardeais de Platão como um mapa para a jornada da vida. Quando nos sentimos como um fracasso, ou como se não pudéssemos continuar, precisamos recorrer à nossa coragem, pois é mais necessário na hora mais sombria. Lembrar-se de fazer uma pausa, ser grato, temperar nosso excesso durante os tempos em que o excesso acena, colocar a vida na perspectiva rígida e abraçar a justiça, traz grande clareza em relacionamentos e situações complexas. Podemos permitir que os outros vivam suas próprias vidas, enquanto damos compaixão, e podemos assumir totalmente as nossas responsabilidades sem interferir no que não é nosso para mudar ou interferir. Tomando tempo para ficar quieto, para nutrir nosso relacionamento conosco e com um poder superior, podemos cultivar a sabedoria, nossa melhor amiga, no caminho da vida. Uma vez que confiamos em nossa própria sabedoria, temos tudo de que precisamos, e nossa vida pode fluir em sintonia com o propósito mais elevado de cada um de nós.

Artigo traduzido de UPLIFT

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS