Felicidade é uma escolha, assim como o sofrimento.

“Não há razão para sofrer. A única razão pela qual você sofre é porque você decide isso. Se você olhar para a sua vida, encontrará muitas desculpas para sofrer, mas nenhuma razão válida. O mesmo é aplicável à felicidade. A felicidade é uma escolha, assim como o sofrimento “. (Miguel Ruiz)

A domesticação e o sonho do planeta.

As coisas são como as vemos, como as sentimos ou basicamente interpretamos o que elas nos ensinaram a interpretar?

Para a milenar cultura tolteca (México), a “realidade” que assumimos socialmente nada mais é do que um sonho coletivo, o sonho do planeta. Desde o momento do nascimento, interpretamos a realidade por meio de acordos e, assim, concordamos com o mundo adulto o que é uma mesa e o que é um vestido, mas também o que é “certo” e o que é “errado”. mesmo quem somos ou qual é o nosso lugar no mundo (na família, na sala de aula, no trabalho). Para esse processo, o filósofo mexicano de origem tolteca Miguel Ruiz chama isso de domesticação.

“A domesticação é tão poderosa que, em determinado momento de nossas vidas, não precisamos mais que ninguém nos domine. Nós não precisamos de mãe ou pai, escola ou igreja para nos domesticar. Somos tão bem treinados que somos nossos próprios domadores. Somos um animal auto domesticado “.

O juiz e a vítima.
No decorrer desse aprendizado, incorporamos o juiz e a vítima em nossa própria personalidade.

O juiz representa aquela tendência em nossa mente que continuamente nos lembra do livro da lei que governa nossa vida – o que é certo e o que é errado – nos recompensa e, mais freqüentemente, nos pune. A vítima é aquela parte de cada pessoa que sofre as exigências de seu próprio juiz interior. Sofremos, nos arrependemos, nos culpamos, nos punimos pela mesma razão repetidas vezes, toda vez que a memória cobra seu preço.

E como conseqüência do próprio sistema, o medo é estabelecido em nossas vidas.

Medo e auto-exigência são os piores inimigos do nosso pensamento e, portanto, da nossa vida. Durante o processo de domesticação, formamos uma imagem mental de perfeição, que não é ruim como um caminho marcado a seguir. “O problema é que, como não somos perfeitos, nos rejeitamos. E o grau de rejeição depende de quão efetivos os adultos foram em quebrar nossa integridade “, de acordo com a MR.

Se o livro da lei que rege nossas vidas (a nossa moral, nossa lógica, o nosso “senso comum”) não cumpre seus objetivos, que por sua fundação seria fazer nós, seres humanos felizes e em harmonia, é porque, obviamente, ele não funciona. E como isso não funciona, você precisa alterá-lo. E fazemos isso revisando nossos contratos (nossa interpretação inquestionável, nosso sistema de valores), desmascarando aqueles que não são válidos e substituindo-os por outros.

A filosofia tolteca propõe quatro acordos básicos:

1. Seja impecável com palavras

A palavra tem força e poder; a palavra cria tanto o bem quanto o mal. Cabe a nós usá-lo para o bem.

Com ela consolamos, animamos, salvamos, amamos os que nos rodeiam, mas também aniquilamos a confiança e a auto-estima, condenamos, insultamos e atropelamos as pessoas. E com nós mesmos não somos diferentes: o que dizemos está nos criando todos os dias. Quando reclamamos, nos tornamos vítimas; criticando, nos tornamos juízes. É assim que Miguel Ruiz explica este primeiro acordo:

“Use as palavras apropriadamente. Use-as para compartilhar amor. Use magia branca começando por você. Seja impecável com a palavra “.

2. Não tome nada como pessoal

É muito comum que, devido às ações de outras pessoas, ficarmos de mau humor; Isto é em parte porque dependemos muito da opinião dos outros e raramente paramos para pensar que talvez a outra pessoa esteja projetando seus problemas e inseguranças em nós.

Assim, vale a pena que quando alguém nos fizer sentir mal, paremos por um momento para pensar o ditado: “o que João diz sobre Pedro diz mais sobre João do que sobre Pedro”.

3. “Não faça suposições”

Responda a esta pergunta: as vezes em que você imaginou ou fantasiou que as coisas que os outros falam têm a ver com você, são coisas negativas ou positivas? Se você respondeu que elas são positivas, bravo, você é uma das poucas pessoas que pensa assim; mas se você respondeu que elas são negativas, não tenha medo, há uma explicação.

Existe uma teoria segundo a qual o ser humano tende a dar maior importância e credibilidade às más notícias devido ao instinto de sobrevivência. Agora, se assumirmos que os outros têm uma ideia negativa de nós, quanto dano não podemos causar a outra pessoa? Quanta negatividade irá passar pela nossa cabeça enquanto estamos pensando em tal coisa? Fofoca é algo que prejudica nossas relações sociais e pode ser evitada de uma maneira relativamente simples: perguntando coisas e sanando as dúvidas.

4. “Sempre dê o seu melhor”

Essa ideia é resumida da seguinte forma: o dia em que você dá o máximo de esforço, da melhor maneira possível e, como você acredita, é quando você aceitará as consequências de suas ações da melhor maneira.

É importante notar que é bom procurar um equilíbrio no que fazemos. Damos o que podemos dar, fazemos o que podemos fazer, mas sem nos comprometer a oferecer mais do que podemos dar, pois isso só servirá para produzir estresse e frustração. Este princípio tolteca lida com a importância de aceitar e conhecer nossos limites, porque conhecê-los também tornará mais fácil para nós saber se estamos fazendo menos ou mais do que poderíamos fazer.

Devemos lembrar que estes são 4 princípios ou “acordos” inspirados por uma antiga civilização cujas condições de vida são muito diferentes das nossas.

Portanto, é nossa tarefa saber como interpretá-los bem, se quisermos dar-lhes utilidade. No entanto, apesar da prática e do esforço necessários para saber como aplicá-los, é fácil encontrar neles uma lição profunda sobre as relações sociais e como encontrar um equilíbrio entre si e o meio social.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.