Platão foi um dos principais filósofos gregos do mundo antigo. Nascido em Atenas, ele era um seguidor de Sócrates e professor de Aristóteles; ele fundou a Academia, na qual transmitiu seu conhecimento e escreveu os conhecidos ” Diálogos”, textos em que ele incorporava idéias adquiridas durante sua vida sobre amor, psicologia, cosmogonia e ética.

A teoria platônica com a maior difusão tem sido a das Idéias, na qual o mundo é explicado como um lugar dividido em dois: o das idéias e o sensível; no primeiro, tudo é perfeito porque vem de um nível ontológico mais alto, isto é: é completo e não precisa de representação; Quando o mundo sensível, sua contraparte, interage com o das idéias, então as formas são criadas: imperfeitas, deficientes e em constante mudança.

Um dos mitos mais conhecidos é o da caverna e representa de maneira simples a Teoria das Idéias; conta como seria a vida de alguns homens que, acorrentados, só observam sombras na parede e os confundem com a realidade externa; O paradoxo surgiria quando os homens fossem libertados e deixassem o lugar que os aprisionou para descobrir que existe algo além do que eles conheciam.

Platão marcou uma lacuna no pensamento ocidental, de modo que sua filosofia, ainda em vigor, foi levada para a tela grande para perpetuar seu conhecimento, porque embora pareça simples, tem um nível de complexidade que só poderia ser entendido através de filmes como aqueles que apresentamos a você em seguida.

 

Matrix” (1999) – Lana e Lilly Wachowsky

MATRIX, Carrie-Anne Moss, Keanu Reeves, 1999. (c) Warner Bros./ Courtesy: Everett Collection.

Este filme tira idéias, mitos e crenças de diferentes filosofias e religiões e as unifica de maneira sublime. Considerado por muitos como um filme de culto, ” The Matrix” É um daqueles filmes que você sempre tem que voltar para rever as idéias que aborda. Com efeitos especiais que deslumbraram diferentes gerações em sua estréia, um roteiro que toca profundamente o mito da caverna de Platão, que foi representado através de um mundo virtual que é controlado por máquinas que são fornecidas pela energia gerada pelo corpo humano. Neo, o protagonista, que é o Messias e Buda ao mesmo tempo, se depara com a decisão de deixar para trás tudo o que acredita como verdade e se aventurar por uma realidade mais crua, que parece mais complicada, mas definitivamente mais autêntica.

“O Show de Truman m- O show da Vida” (1998) – Peter Weir

Não faz muito tempo que houve uma superexploração do gênero chamado reality show; parte da premissa de que não há ações ou roteiro, apenas pessoas “normais” em situações cotidianas, conseguiu despertar o interesse do público. Mas também o culto à personalidade, ao efêmero, aos 15 minutos de fama que Andy Warhol havia profetizado em uma cultura pop. ” O Show de Truman”é um exagero levado a limites que superam o ético por tentar manter cativo um público que sempre quer mais, que quer observar e viver do outro, e ao qual tem acesso 24 horas por dia, 365 dias por ano. Neste filme o protagonista está diante de uma câmera desde que nasceu, portanto, sua vida, família, pessoas que conhece e sua cidade são uma farsa criada por um produtor de televisão para satisfazer os desejos do público e dele mesmo. O que é verdade e o que é mentira? Truman está disposto a descobrir.

“Mulholland Drive” (Cidade dos Sonhos) (2001) – David Lynch

Para apreciar o cinema de David Lynch é necessário ter nervos de aço. Sua maneira de retratar a realidade é sombria e cheia de simbolismo, o enredo parece se mover sem sentido e às vezes comovente, o que provoca sentimentos desconfortáveis ​​para aqueles que não estão acostumados com seus filmes. Em “Mulholland Drive” o mundo das idéias e a mistura sensata de maneira ultrajante e caótica, para criar formas em que o protagonista está perdido e constantemente redescobre, em seguida, tentar fazer um sonho, sempre que ele se aproxima, ele observa que há uma enorme sombra que cobre tudo …

“O dia da besta” (1995) – Alex de la Iglesia

Nesta comédia espanhola, a realidade é invertida como símbolos. O protagonista, um padre e estudioso da Bíblia, chega à conclusão, depois de muita releitura, de que o Apocalipse está próximo e o Anticristo será concebido em poucos dias. Como ele é o único que entendeu a mensagem criptografada, ele terá que interromper tal evento. Uma ideia simples construída a partir de outras ideias que foram reverenciadas ao longo do tempo e levam a um ponto sem retorno onde a realidade, apesar de mostrar o contrário, parece interagir intimamente com sua visão catastrófica do Universo. O mundo sensível se adapta a idéias que parecem perfeitas, mas que são completamente autodestrutivas. Neste filme, o mito da caverna é invertido.

“The Young Scissorhands” (Edward Mãos de Tesoura – 1990) – Tim Burton

Platão não apenas escreveu sobre idéias e formas, ele também deu seu ponto de vista sobre o amor. A maioria das pessoas está familiarizada com o termo “amor platônico” , no qual a carga emocional está sujeita apenas a um lado. Não há reciprocidade ou união, só avança em uma direção; mas essa ideia de amor platônico é falso, porque para ele o amor implicava um equilíbrio. Um ponto intermediário em que os excessos não transbordam, mas também não caem em apatia. Uma visão em que a beleza poderia ser apreciada em todo o seu esplendor, sem a necessidade de colocar rótulos nela. Este filme mostra muito do que Platão pensou sobre o assunto, além de abordar a maneira pela qual uma sociedade se torna obcecada com as formas, a competência e a vida do outro, e como isso pode afetar o amor.

Platão deixou um legado impressionante na sociedade de hoje, seu sistema e pensamento ainda são válidos, porque filosofia, teatro, drama, arquitetura e ciência têm fundamentos muito sólidos da Grécia antiga, e embora ele não fosse o único filósofo grego, É uma obrigação quando você quer começar a ler filosofia. Então, se você quiser aprofundar sua visão de amor, idéias e formas, recomendamos seus ” Diálogos”.

 

Via Cultura Colectiva

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS