A política faz parte do nosso cotidiano como membros da sociedade. Todo o tempo estamos lendo notícias, participando ativamente da comunidade e discutindo política. E, claro, todos têm suas próprias opiniões e querem defendê-las, mas às vezes é difícil dizer se não temos uma boa base teórica.

Embora a ciência política seja uma disciplina científica relativamente nova, desde os tempos antigos, os pensadores mais ilustres considevam a política um problema fundamental da sociedade. A forma do Estado, as funções que deve cumprir e o modo como deve fazê-lo são debates da teoria política que são fundamentais para entender o funcionamento do mundo atual.

O que é o estado? O que é democracia? O que é política? Muitos filósofos se fizeram essas perguntas e, para começar a conhecer a resposta, é conveniente fazer uso dessas cinco obras clássicas da ciência política.

A República – Platão

Platão é conhecido como um dos principais filósofos da antiguidade por registrar o pensamento de Sócrates em suas obras. Neste trabalho de dez livros, um dos mais famosos da história da filosofia, Platão transcreve o diálogo entre Sócrates e seus discípulos (Glaucón, Polemarco, Trasímaco, Adimanto, Céfalo e Clitofonte) sobre diferentes temas da vida política em dez livros.

O tema central do trabalho é a justiça entre os homens e, com base nisso, propõe uma organização da sociedade em três classes. A classe mais baixa é composta de artesãos e trabalhadores manuais, o intermediário por guerreiros e a classe alta é a dos líderes políticos – apenas homens – que são os únicos capazes de ver o bem absoluto para o resto da sociedade.

Política – Aristóteles

Política é a mais famosa obra literária de Aristóteles, que viveu entre 384 aC. e 322 a.C. Este livro é frequentemente considerado a antítese da supracitada República de Platão, uma vez que Aristóteles discute fortemente a concepção de classe de Platão sobre a sociedade. Este trabalho de oito livros define nada mais e nada menos que a organização de uma República com três poderes políticos independentes (Executivo, Legislativo e Judiciário) eleitos diretamente pela demos, que é a cidadania composta de homens politicamente iguais.

A importância deste trabalho hoje é indiscutível. É incrível que a organização política dos estados modernos tenha sido pensada há mais de 2000 anos. Mas é assim, e isso torna este livro muito mais que um trabalho de filosofia, um clássico.

O Príncipe – Nícolas Maquiavel

Saltamos mil anos no tempo e nos encontramos na Itália em 1513. E não é capricho ou coincidência: a Idade Média na Europa era uma era sombria da qual nem grandes artistas nem grandes pensadores emergiram. Nicolás Maquiavel é um dos melhores representantes de seu tempo desde que seu livro O Príncipe foi um dos que marcaram o início da teoria política clássica.

Se há uma figura histórica muito mal compreendida, isso é Maquiavel. Erroneamente, uma personalidade tirânica e sanguinária é atribuída a ele, tanto que a palavra “maquiavélico” é usada hoje em dia para descrever algo cruel ou implacável. Todo o pensamento de Maquiavel baseava-se em duas premissas fundamentais que explicavam que, para que um senhor príncipe feudal obtivesse êxito, ele precisava ganhar poder e saber como mantê-lo. O que ele disse, por sua vez, nada mais era que a verificação da realidade.

Dois Tratados do Governo Civil – John Locke

John Locke é considerado o pai do liberalismo político, já que em seu trabalho sobre o governo civil ele discute fortemente o modo de sociedade e o governo imposto pela monarquia baseada no poder divino. O pensamento de Locke foi revolucionário na época em que ele o formulou no auge do Absolutismo europeu e propôs que os homens nascem com direitos inerentes à sua condição humana e são completamente livres – e iguais – para fazer o que consideram necessário para alcançar seus objetivos. bom pessoal

Para Locke, o bem coletivo não era mais do que a soma do bem de cada um separadamente e considerava que o Estado deveria ser organizado em três poderes políticos independentes, como Aristóteles propôs. O poder mais importante, para ele, era o Legislativo, que tinha que ser eleito diretamente pelos cidadãos e era fundamental para garantir liberdade e segurança entre os indivíduos.

O contrato social – Jean Jacques Rousseau

O contrato social de Rousseau é um dos livros mais importantes da história. Não só pela teoria política como disciplina científica, mas também pela compreensão de um dos mais importantes eventos históricos de todos os tempos: a Revolução Francesa. O pensamento de Rousseau serviu como fundamento teórico e filosófico para os revolucionários, uma vez que reivindicava a condição humana como intrinsecamente livre e independente de qualquer poder superior à organização entre iguais.

O pensamento radical de Rousseau não só serviu de base para a Revolução Francesa, mas também para o pensamento socialista um século depois, uma vez que estabeleceu, ao contrário de Locke, um bem comum – ou geral – que é muito mais do que a soma de os bens individuais.

Sem dúvida, são livros complicados de ler, mas se você está interessado em política e filosofia e quer entender um pouco mais sobre alguns debates contemporâneos sobre as ciências sociais e a sociedade em geral, é essencial pelo menos considerá-los. A coisa boa, além disso, é que estes são livros clássicos que você pode facilmente encontrar na internet gratuitamente.

 

Fonte: despiertacultura

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS