A fábula “A cigarra e a formiga” é uma daquelas histórias que vale a pena partilhar com os mais pequenos de casa. A sua autoria é atribuída a Esopo , mas foi posteriormente recriada por Jean de La Fontaine e Félix María Samaniego .

A fábula conta a história de uma cigarra que passa todo o verão cantando enquanto a formiga trabalhava duro para reunir suprimentos para o inverno. Uma história que trata da importância da previsão e do esforço que, sem dúvida, vem a calhar para refletir sobre essa questão com as crianças.

Foi um verão muito quente, provavelmente um dos mais quentes das últimas décadas. Talvez por isso a cigarra tenha decidido dedicar as horas do dia a cantar alegremente debaixo de uma árvore. Ela não tinha vontade de trabalhar, só queria aproveitar o sol e cantar, cantar e cantar. Então foi assim que seus dias se passaram, um após o outro.

Um daqueles dias uma formiga passou carregando um grão de trigo muito grande, tão grande que mal conseguia segurá-lo nas costas. Ao vê-la, a cigarra zombou dela e disse:

  • Aonde você vai com tanto peso? Com o dia bom que está e com tanto calor! É muito melhor aqui, na sombra, cantando e brincando. Você não quer se divertir? Riu a cigarra.

A formiga parou e olhou para a cigarra, mas preferiu ignorar seus comentários e seguir seu caminho em silêncio e cansada do esforço. Assim, ela passou todo o verão trabalhando e armazenando mantimentos para o inverno. E toda vez que ela via a cigarra, esta ria e cantava alguma canção zombeteira:

  • As formigas me fazem rir quando vão trabalhar! As formigas me fazem rir porque não podem brincar!

Assim o verão passou e as temperaturas começaram a cair. Naquele momento, a formiga parou de trabalhar e entrou em seu formigueiro, onde ficou quente e com comida suficiente para passar todo o inverno. Então, ela se dedicou a tocar e cantar.

Porém, o inverno encontrou a cigarra debaixo da mesma árvore, sem teto e sem comida. Ela não tinha nada para comer e estava gelada. Foi então que se lembrou da formiga e foi bater em sua porta.

  • Amiga formiga, eu sei que você tem muitos suprimentos. Você pode me dar algo para comer e eu devolvo para você quando eu puder?

A formiga abriu a porta para a outra e respondeu com raiva:

  • Acha que vou te dar a comida que tanto me custou colher? O que você tem feito preguiçosamente durante todo o verão?
  • Você já sabe, respondeu a cigarra com tristeza. Para todos que passavam, eu cantava.
  • Bem, agora, como você, posso cantar: Que risada me fazem as formigas quando vão trabalhar! As formigas me fazem rir porque não podem brincar!

E, dito isso, fechou a porta. A partir daí, a cigarra aprendeu a não rir do trabalho alheio e a se esforçar para conseguir o que precisava.

Via Etapa Infantil

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.