Em Uganda, Margaret Chepoteltel , corajosa mãe de duas meninas de 7 e 8 anos, opõe-se veementemente à possibilidade de suas filhas sofrerem alguma forma de mutilação genital feminina (MGF).

A mutilação genital feminina , que inclui um conjunto de práticas tradicionais de origem ancestral (clitoridectomia, excisão, infibulação) que consiste na remoção parcial ou total da genitália externa feminina ou outras lesões nos órgãos genitais femininos não são motivadas por qualquer necessidade terapêutica, na verdade, sujeito a uma vasta campanha de denúncia internacional.

Hoje, Margaret participa ativamente da campanha “ Make Happiness Not Violence ”, lançada pela Communication for Development Foundation Uganda (CDFU) para levar a cabo a batalha internacional contra o MGF. Graças ao apoio conjunto da Iniciativa Spotlight e da ONU Mulheres , a campanha mencionada visa eliminar todas as formas de violência contra as mulheres em Uganda e no resto do mundo.

Margaret está trabalhando em sua aldeia, Luchengenge, localizada no distrito de Amudat, na parte oriental de Uganda , para testemunhar sua experiência dramática e conhecer todos os membros de sua comunidade (não apenas meninas, meninas e mulheres, mas também homens) para convencê-los a aderir à campanha de “tolerância zero” em relação à Mgf. Para abolir a MGF de uma vez por todas, é necessária uma política efetiva de educação, informação e capacitação, que aumente o nível de consciência da população local sobre a inutilidade e os graves riscos de tais práticas.

Testemunho de margaret

Em entrevista ao Spotlight Initiative , a mulher explica que quando criança, aos 13 anos, sofreu, como aconteceu com 95% das mulheres de sua comunidade, essa prática cruel, que lhe causava problemas de saúde, não só sexuais, mas também psicológico, tanto a curto como a longo prazo.

Depois de dois anos, ela foi forçada a se casar com um homem e viver com a família de seu marido. Dois anos depois do casamento, ela engravidou, mas a mutilação criou sérios problemas para ela no momento do parto, agravados pelo fato de que devido à mutilação ela teve que fazer novos cortes para levar o recém-nascido pelo canal do parto, com dores excruciantes dor e sangramento. Ela sobreviveu ao parto, mas o recém-nascido, infelizmente, não sobreviveu.

Alguns dados sobre Mgf
MGFs são vistos como instrumentos de opressão e violação dos direitos das mulheres. Agora se sabe o quão fortemente incapacitantes são: além de causar dor crônica, sangramento, infecções urinárias e vaginais recorrentes e incontinência, privam a mulher do prazer sexual, podem levar à infertilidade, complicações graves no parto e, nas mais graves casos, óbito neonatal e favorecem patologias como fístulas e outros distúrbios ginecológicos.

Distribuídos em muitas partes do mundo – com maior incidência em alguns países do continente africano ou asiático, como Eritreia, Guiné, Egito, Mali, Índia e Paquistão e, de forma mais geral, em contextos rurais caracterizados pela pobreza endêmica e marginalização social – estes Práticas brutais colocam em risco a saúde da mulher e produzem traumas psicofísicos, mesmo permanentes, difíceis de apagar em meninas e meninas submetidas a eles desde a infância até os 15 anos.

Apesar da forte condenação internacional da ONU, União Europeia e União Africana, dos 27 países africanos onde a mutilação genital feminina é generalizada, cinco (Libéria, Serra Leoa, Somália, Chade e Mali) ainda não aprovaram uma lei que criminalize MGFs, introduzindo um novo tipo de crime.

A justificativa das MGFs pode ser atribuída a fatores de ordem social: na verdade, fazem parte de um rito de passagem simbólico que permitiria à criança tornar-se finalmente mulher (e esposa) e entrar plenamente na comunidade a que pertence; portanto, as famílias que decidem se abster dessa prática são alvo de atos discriminatórios vinculados a um forte estigma social.

Estima-se que em 2021 até 4 milhões 160 mil meninas corram o risco de sofrer o mesmo destino das 200 milhões de mulheres que, em 30 países ao redor do mundo, já sofreram mutilação genital.

Fontes: UN News / CDFU – Via GreenMe

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.