As pessoas não querem sentir empatia a menos que achem que são boas nisso, diz estudo

Mesmo quando sentir empatia pelos outros não é financeiramente caro ou emocionalmente desgastante, as pessoas ainda irão evitá-la, porque elas acham que a empatia requer muito esforço mental, de acordo com uma nova pesquisa publicada pela American Psychological Association.

A empatia, a capacidade de compreender os sentimentos de outra pessoa, é muitas vezes vista como uma virtude que encoraja comportamentos de ajuda. Mas as pessoas geralmente não querem sentir empatia.

“Há uma suposição comum de que as pessoas sufocam sentimentos de empatia porque podem ser deprimentes ou caras, como fazer doações para caridade”, disse o pesquisador C. Daryl Cameron, PhD. “Mas descobrimos que as pessoas basicamente não querem fazer o esforço mental para sentir empatia em relação aos outros, mesmo quando isso envolve sentir emoções positivas.”

O estudo, que foi publicado online no Journal of Experimental Psychology: General®, incluiu 11 experimentos com mais de 1.200 participantes. Cameron liderou uma equipe de pesquisadores da Penn State University, onde ele é professor assistente de psicologia e da Universidade de Toronto.

Os pesquisadores projetaram uma “Tarefa de Seleção de Empatia” para testar se os custos cognitivos, ou o esforço mental, poderiam deter a empatia. Durante uma série de testes, os pesquisadores usaram dois baralhos de cartas, cada um com fotos sombrias de crianças refugiadas. Em um baralho, os participantes foram orientados apenas a descrever as características físicas da pessoa na carta. Para o outro baralho, elas foram orientadas a tentar sentir empatia pela pessoa na foto e pensar sobre o que essa pessoa estava sentindo. Os participantes foram orientados a escolher livremente de qualquer baralho em cada tentativa.

Em alguns experimentos adicionais, os pesquisadores usaram baralhos que apresentavam imagens de pessoas tristes ou sorridentes. Quando dada a escolha de escolher entre os baralhos, os participantes escolhiam constantemente os que não exigiam sentir empatia, mesmo pelas fotos de pessoas felizes.

“Vimos uma forte preferência para evitar a empatia, mesmo quando alguém estava expressando alegria”, disse Cameron.

Em todos os experimentos, os participantes em média escolheram o empatia em 35% do tempo, mostrando uma forte preferência pelo baralho que não exigia empatia.

Também não havia nenhum custo financeiro para sentir empatia no estudo, porque ninguém foi convidado a doar tempo ou dinheiro para apoiar crianças refugiadas ou qualquer outra pessoa incluída nas fotos.

Em questões de pesquisa após cada experimento, a maioria dos participantes relatou que a empatia se sentia mais desafiadora cognitivamente, dizendo que exigia mais esforço e que eles se sentiam menos bem nisso do que descreviam as características físicas de outras pessoas. Participantes que relataram que sentir empatia era mentalmente exigente ou os fazia se sentir inseguros, irritados ou angustiados eram mais propensos a ter evitado o empatia durante os experimentos.

As pessoas podem ser encorajadas a sentir empatia se acham que são boas nisso? Em dois experimentos, metade dos participantes foram informados de que eram melhores que 95% dos outros no baralho de empatia e 50% melhor para o baralho de características físicas objetivas, enquanto o outro grupo foi informado do contrário. Os participantes que foram informados de que eram bons em sentir empatia tinham maior probabilidade de selecionar cartas do baralho de empatia e relatar que a empatia exigia menos esforço mental.

Os custos cognitivos da empatia podem levar as pessoas a evitá-la, mas pode ser possível aumentar a empatia incentivando as pessoas a fazê-la bem, disse Cameron.

“Se podemos mudar as motivações das pessoas para se engajar em empatia, então isso pode ser uma boa notícia para a sociedade como um todo”, disse Cameron. “Isso poderia incentivar as pessoas a chegarem a grupos que precisam de ajuda, como imigrantes, refugiados e vítimas de desastres naturais.”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.