Acredita-se que os homens morreram escaldados na erupção vulcânica que destruiu a cidade

Arqueólogos descobriram os restos mortais excepcionalmente bem preservados de dois homens escaldados até a morte pela erupção vulcânica que destruiu a antiga cidade romana de Pompéia em 79 dC, disse o ministério da cultura italiano no sábado.

Um dos pares era provavelmente um homem de alto status, com idade entre 30 e 40 anos, e ainda trazia vestígios de uma capa de lã sob o pescoço.

O segundo, provavelmente de 18 a 23 anos, vestia uma túnica e apresentava várias vértebras esmagadas, indicando que havia sido um escravo que fazia trabalhos pesados.

Os restos mortais foram encontrados em Civita Giuliana, 700m a noroeste do centro da antiga Pompéia, em uma câmara subterrânea na área de uma grande vila sendo escavada.

Os dois homens, deitados próximos um do outro, teriam escapado da fase inicial da erupção, quando a cidade foi coberta por cinzas vulcânicas e pedra-pomes, apenas para serem mortos por uma explosão que aconteceu no dia seguinte.

Seus restos mortais, para os quais foram criados moldes, foram descobertos no mesmo local onde num estábulo os restos mortais de três cavalos atrelados foram desenterrados em 2017.

Foram criados moldes de seus esqueletos completos, aproveitando as impressões que o formato das vítimas deixava nas cinzas endurecidas.

“Essas duas vítimas talvez estivessem buscando refúgio quando foram arrastadas pela corrente piroclástica por volta das nove da manhã”, disse Massimo Osanna, diretor do sítio arqueológico de Pompéia. “É uma morte por choque térmico, também demonstrado por seus pés e mãos cerrados.”

Em um comunicado, o ministro da Cultura, Dario Franceschini, disse que a descoberta destacou o status de Pompeia como “um lugar incrível para pesquisa e estudo”.

Os restos de Pompeia não foram descobertos até o século 16 e as escavações organizadas começaram por volta de 1750. No entanto, mais recentemente, a atenção se concentrou em deter a decadência ou o colapso das ruínas expostas ali.

Com informações do The Guardian /

Créditos da imagem: Fotografia: Luigi Spina / Parco Archeologico / EPA

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.