Adaptado de Nos Pensées

A ferida primitiva ou primária é um trauma não resolvido. Ilustra e aponta a vulnerabilidade do apego, a fraqueza desse elo essencial entre uma criança e seus progenitores; é uma traição a necessidades emocionais não atendidas e negligenciadas. Essa dor, que apareceu em tenra idade e não foi resolvida, é algo que tentamos anestesiar na vida adulta … mas que, de certa forma, continua a nos condicionar.

Um dos termos mais comuns no mundo da psicologia e, mais particularmente, do ponto de vista da psicanálise, é a figura da lesão e também a do trauma. Freud nos explicou que essas lesões psíquicas vão de fora para dentro. Elas ocorrem em nosso ambiente mais próximo, especialmente em nossa infância.
Assim, e longe de se dissolver com o tempo, esta ferida original sobrevive, permanece bem presente e é introduzida em nosso ser, moldando vários níveis, e começa a gravitar em todas as áreas de nossas vidas …

Se Sigmund Freud e sua filha Anna Freud nos revelaram pela primeira vez a transcendência que as primeiras experiências tiveram no desenvolvimento de nossa personalidade, nos anos 90, um livro decisivo foi publicado sobre esse assunto. A ferida primária ou ferida primitiva retratou uma realidade que foi muito além. Neste trabalho, fomos informados sobre o trauma silencioso, invisível, mas permanente, vivenciado pelas crianças adotadas.

Nancy Verrier, que escreveu o livro, apontou para idéias-chave sobre a conexão interrompida ou as feridas muitas vezes inconscientes que os humanos estão acostumados a arrastar para trás na idade adulta, por causa de uma infância habitada. por vazios.

O que é ferida primitiva?

O ser humano tem necessidades que vão muito além da simples alimentação. Quando um bebê vem ao mundo, ele precisa se sentir protegido, envolto em carinho e protegido pela ternura. O amor nos dá significado e nos nutre. Isso nos ajuda a crescer, a nos mover com segurança em um ambiente empático, onde sabemos que somos importantes para alguém.

Assim, quando um psicólogo ou terapeuta recebe seu paciente, ele tenta criar uma atmosfera onde empatia e proximidade são sempre óbvias e palpáveis. Precisamos desse tipo de nutrientes porque, se não os percebemos, não os vemos ou os sentimos, nosso cérebro reage quase que instantaneamente. A suspeita aparece, assim como o medo e a tensão.

É isso que uma criança sente quando não recebe um apego seguro. A ferida primitiva permanece impressa quando os progenitores não estão acessíveis emocional, psicologicamente e / ou fisicamente. Pouco a pouco, o espírito deste bebê, essa criança pequena, é invadido por ansiedade, fome, angústia emocional, vazio, solidão, abandono e negligência.

Quase podemos entender a ferida primitiva como um sacrilégio evolutivo. Esse processo de “hominização” pelo qual todo ser humano passa parte de uma troca de forte afeto e de uma proximidade constante entre a mãe e o filho. Não podemos esquecer que um bebê vem ao mundo com um cérebro ainda não desenvolvido. Ele precisa dessa pele e esse apego seguro para continuar crescendo e dando forma a uma exo-gestação que lhe permita promover a continuidade de seu desenvolvimento.

Se algo falhar nesse processo, se algo acontecer durante os três primeiros anos de nossa vida, uma fratura invisível e profunda surgirá. Uma lesão que ninguém vê. Aquilo que nos prejudicará (provavelmente) no futuro e em várias áreas de nossa existência. Vamos estudar isso mais profundamente.

Os efeitos da ferida primitiva

Há um livro muito interessante que é considerado como o manual de referência no estudo do anexo. Este é o Manual de apego dos psicólogos Jude Cassidy e Philip R. Shaver. Neste último, eles nos lembram que o fim do ser humano é a auto-realização. Nosso objetivo é transcender, avançar com segurança para promover nosso crescimento pessoal e emocional, desfrutando assim de uma vida plena, conosco e com os outros.

Uma das condições mais importantes para que isso aconteça é ter um apego seguro durante nossos primeiros anos de vida. Um apego maduro, próximo e intuitivo às nossas necessidades. Se isso não acontecer, surge a ferida primitiva, com todas as suas consequências:

• Insegurança e baixa auto-estima.

• Impulsividade, má gestão emocional.

• Maior risco de sofrer de vários distúrbios psicológicos.

• Dificuldade em estabelecer fortes relacionamentos emocionais

• Uma “personalidade de sobrevivência” está se desenvolvendo. Tentamos demonstrar autonomia e segurança, mas o vazio está sempre presente. É comum passar por momentos em que você precisa de isolamento e solidão. Às vezes, também temos uma grande necessidade de proximidade, seja ela qual for, mesmo que acabe sendo prejudicial ou falsa.

Como curar nossa ferida original

O mais apropriado é procurar a ajuda de um profissional. Nos últimos anos, terapias como o EMDR (dessensibilização e reprocessamento por movimentos oculares) ganharam maior transcendência. É uma técnica através da qual diferentes tipos de estímulo e processamento de informações são combinados para que as pessoas externalizem experiências traumáticas, feridas na infância. É falar, reconhecer e gerenciar melhor.

Por outro lado, também vale a pena declarar essas estratégias básicas que são frequentemente usadas para confrontar e curar nossa ferida original. Estes seriam os seguintes:

• Tornar-se consciente de nossas emoções latentes e dá-lhes um nome.

• Expressar nossas necessidades não atendidas (carinho, apoio, proximidade, empatia …). Devemos legitimá-las e não reprimi-las.

• Refletir sobre a solidão que sentimos durante a infância. Faremos isso sem medo, raiva ou vergonha. Algumas pessoas evitam pensar no vazio que sentiram na infância, outras preferem não olhar para aqueles anos de sofrimento porque sentem dor e desconforto. Precisamos exteriorizar esse “eu” ferido, aquela parte de nós que ainda está cheia de raiva porque não recebeu carinho e segurança suficientes.

• Você deve entender que não é responsável por isso. A vítima não é culpada de nada.

• Liberte-se dessa tristeza e de suas emoções interiores.

• Envolver-se consigo mesmo para mudar. Você tem a oportunidade de se transformar, de se responsabilizar por alcançar o bem-estar interior.

Por fim, os especialistas em manejo e enfrentamento da ferida primitiva e do trauma recomendam que perdoemos. Perdoar nossos progenitores não os liberta da culpa, mas nos permite nos libertar de suas figuras. Dessa forma, aceitamos o que aconteceu. Assumimos a responsabilidade por tudo o que sofremos enquanto somos capazes de perdoar e pôr um fim à dor. Ao fazer isso, avançaremos mais facilmente. Mais levemente. Livre da dor, raiva e lembranças de ontem.

Pense nisso. O tema da ferida primitiva é, sem dúvida, de grande interesse e vale a pena entender essa realidade psicológica muito complexa.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.