Há pessoas de fácil crítica. Elas estão sempre prontas para julgar, têm uma palavra cortante na ponta da língua e geralmente olham por cima dos ombros para os outros. Essas pessoas não deixam passar nada. Elas aproveitam todas as oportunidades para criticar o que dizemos ou fazemos. Mas também nos criticam se permanecermos em silêncio ou ficarmos ociosos, porque o objetivo delas não é ajudar-nos a melhorar ou corrigir um erro, mas apenas afirmar sua opinião. Criticar.

Relacionar-se com pessoas assim é complicado. Suportar suas críticas constantes não é fácil; portanto, às vezes elas podem trazer à tona o pior de nós, perdendo a paciência e a compostura. No entanto, no fundo, essas críticas escondem uma profunda fragilidade emocional. Não é uma desculpa para o seu comportamento, mas nos ajudará a entender o que está acontecendo no seu mundo interior.

Como são as pessoas que criticam os outros constantemente?

Psicólogos das Universidades da Califórnia e Tilburg submeteram centenas de pessoas a uma série de testes para avaliar seus traços de personalidade e descobriram que aqueles que eram mais críticos e desdenhosos também compartilhavam essas características:

Pouca simpatia. Essas pessoas tinham pouca empatia pelos outros e uma incapacidade manifesta de se colocar no lugar deles e de entender tanto seus pontos de vista quanto seus estados emocionais. Às vezes, essa falta de empatia os impede de perceber o dano que suas críticas podem causar.

Inveja e narcisismo. As pessoas mais críticas costumavam se comparar continuamente com os outros, invejando a sorte dos outros. Mas eles também nutriram a ideia narcísica de que mereciam mais sorte do que os outros porque acreditavam que estavam em um nível superior.

Estilo de apego ansioso. São pessoas com baixa autoestima, com tendência a apreensão e dificuldades para comunicar assertivamente suas necessidades emocionais, por isso recorrem a críticas e drama para alcançar seus objetivos.

Mentalidade fixa. As pessoas mais críticas geralmente atribuem conquista e sucesso a habilidades e competências imutáveis, não a esforço. Elas não acreditam que é possível mudar.

• Dependência social. Essas pessoas demonstram grande preocupação com status social e hierarquia em diferentes contextos, por isso atribuem grande importância ao julgamento de outras pessoas.

• Perfeccionismo. As tendências perfeccionistas se manifestavam por uma propensão a criticar os outros e um profundo medo de serem julgados.

Tudo isso significa que, embora as pessoas que criticam outras possam ser muito contundentes, na base de sua atitude há uma grande fragilidade emocional, um ego hiper-reativo e extremamente sensível que procura se acalmar através de críticas negativas.

Muitas vezes, a crítica diz mais sobre quem critica do que quem é criticado. A crítica envolve julgar uma situação ou pessoa. Mas, nesse processo, geralmente não somos observadores imparciais, nossa subjetividade é média.

Portanto, a crítica é frequentemente a expressão de uma fragilidade emocional, de um ego que se sente constantemente ameaçado e reage se defendendo através da crítica. Como Alphonse de Lamartine disse, “a crítica é o poder do impotente “. Subtraindo valor do outro através de suas críticas, essas pessoas reafirmam a si mesmas.

Do site Rincón de la Piscología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.