Do site La mente è meravigliosa

Você certamente já ouviu pelo menos uma vez dizer “não pode amar alguém se não aprender a se amar primeiro”. Infelizmente, no entanto, amar a si mesmo não é tão fácil. Para fazer isso, precisamos trabalhar duro para nos conhecermos. Isso significa tomar consciência de nossas origens e nossa história, aprender com ela e, ainda mais difícil, aceitá-la. Também devemos entender que nosso nível de autoconsciência e auto-estima é fundamental na escolha de um parceiro.

Embora estejamos cientes das vantagens de amar a nós mesmos e aos outros , geralmente não obtemos sucesso sem primeiro fazer um trabalho por nós mesmos, observando modelos que nos permitem distinguir os diferentes vínculos emocionais.

Segundo a pesquisa realizada pelo neurologista, psiquiatra e escritor Boris Cyrulnik , é necessário tentar observar, durante a vida cotidiana, pessoas diferentes e diferentes “estilos emocionais”.

Tipos de casais

Desde os primeiros anos de vida, aprendemos a nos relacionar com os outros. A princípio, nos relacionamos com nossos pais e o resto da família. Eles representam para nós o primeiro exemplo de vínculo emocional . Observamos e aprendemos com a maneira como eles nos tratam e como eles se relacionam.

Pouco a pouco, nosso contexto social vai se expandindo. Desde o momento em que começamos a conhecer novas pessoas, até um certo ponto, nos encontramos escolhendo nosso primeiro parceiro e iniciando nosso primeiro relacionamento amoroso.

Boris Cyrulnik diz que nossa infância afeta o tipo de vínculo emocional que estabeleceremos com nosso parceiro. Segundo Cyrulnik, existem diferentes tipos de casais que podemos resumir em três categorias macro: o tipo que nos aperfeçoa, o tipo no qual um deles prejudica o outro e o tipo em qua ambos saem prejudicados.

As uniões compostas por duas pessoas que se aperfeiçoam estão destinadas a durar mais e experimentar uma melhor qualidade de vida, e isso se aplica tanto à vida do casal quanto à vida individual . Essa troca de energias positivas também afeta positivamente a saúde de ambas, melhorando o equilíbrio emocional e o senso de humor. É o único modelo de relacionamento que realmente vale a pena experimentar.

Quanto aos outros tipos de casais, que se baseiam em se machucar, devem intervir tentando melhorá-los, mudando atitudes negativas e tentando dar um novo sentido ao relacionamento, que lança as bases para um relacionamento mais saudável. Se isso não for possível, a possibilidade de ter que terminar o relacionamento deve ser considerada.

No entanto, para encerrar um relacionamento, às vezes precisamos nos sentir seguros e, para isso, buscamos o apoio de outras pessoas. Esse fenômeno pode nos levar a procurar imediatamente um novo parceiro e, dessa forma, não tendo tido tempo para refletir sobre o que aconteceu, provavelmente cometeremos os mesmos erros.

Nós não somos metade de ninguém

A escolha do parceiro ocorre inconscientemente, com base em nossa experiência de vida, mas de acordo com o momento que estamos vivenciando. Se não nos esforçarmos para melhorar e nos conhecermos melhor, não poderemos escolher o parceiro adequado com quem possamos viver um relacionamento com base na melhoria mútua.

Nosso parceiro não pode satisfazer todas as nossas necessidades, portanto, ter essa ideia em mente e esperar que ela se torne realidade é apenas uma utopia que pode nos levar a uma frustração constante. No entanto, como pessoas, precisamos nos relacionar com as outras e experimentar diferentes tipos de relacionamentos que podem nos enriquecer.

Uma das crenças mais perigosas que podemos ter sobre relacionamentos românticos é nos considerar seres incompletos, que precisam de outra “metade”. Esse pensamento nos levou a ter uma visão distorcida do amor, considerando o sentimento de que todos podem. Abraçar essa visão significa não ser realista, ignorando as limitações que o amor pode acarretar. Ao fazer isso, acabamos tendo relacionamentos baseados no vício e no medo.

Saber distinguir entre sofrimento e amor

Nossas crenças e nossas escolhas não são apenas o resultado do que observamos em nosso ambiente circundante. É claro que somos influenciados por muitos estereótipos sociais : modelos rígidos aos quais acreditamos que o mundo se adapta.

Os meios de comunicação, propondo continuamente esses estereótipos, assumem um peso significativo em nossa maneira de agir. Televisão, cinema, literatura nos bombardeiam com informações, mas precisamos entender se essas informações são completas, corretas e reais. Tanto na fábula do príncipe encantado quanto nos livros e filmes mais famosos, a mesma idéia é sempre confirmada: amor e sofrimento andam de mãos dadas.

Eles nos fazem acreditar que quanto mais os membros de um casal brigam, se tratam mal, vivem um amor impossível dificultado por todos, mais eles se amam. Por esse motivo, acabamos ouvindo e pronunciando frases como “o amor não é bonito se não for sofrido” ou “muito amor, muita dor”. E começamos a sonhar em viver amores impossíveis ou secretos, aqueles que olham mais para a intensidade do que para a qualidade do sentimento. Obviamente, isso nos leva a escolher nosso parceiro com base nessas fantasias românticas, e não na vida real.

Mas não é só isso, ele nos leva a assumir um papel específico dentro do casal, um papel imposto que muitas vezes acaba sufocando nosso verdadeiro eu, nossos verdadeiros pensamentos, sentimentos e desejos. Livrar-se desses preconceitos, rejeitar esse papel ao qual parecemos estar destinados é difícil, mas não impossível.

Seja feliz consigo mesmo ao escolher seu parceiro

Todos esses preconceitos muito errados sobre relacionamentos amorosos e não amorosos (geralmente também se aplicam à amizade) podem nos levar a decisões erradas na escolha de um parceiro e até à dependência emocional . Situação em que esquecemos de ser pessoas independentes que têm o direito de ter sua própria identidade.

Para fortalecer nosso “sistema imuno-emocional”, é necessário aprender a nos conhecer e amar , para escolher o parceiro com critérios, focando em alguém que possa aumentar nossa felicidade. Mas mesmo antes de buscar a felicidade com os outros, é preciso encontrá-la no relacionamento consigo mesmo.

Escolha um parceiro que tenha maturidade

É essencial ter em mente que, quando você tem um relacionamento de casal, o respeito mútuo é fundamental, e a escolha de estar juntos deve ser livre , ditada pela vontade e não pela necessidade ou dependência emocional. Com essas observações em mente, entraremos em um relacionamento sentimental porque preferimos estar com a outra pessoa (apesar de estarmos bem sozinhos), e não porque precisamos estar com alguém para preencher o vazio que temos por dentro com o amor dos outros.

Para estabelecer um relacionamento em que nos aperfeiçoamos, devemos escolher o parceiro com o coração, mas sempre levando em consideração nossas necessidades e desejos. Para fazer isso, é preciso haver um esforço de ambos os lados.

“É tão difícil amar a si mesmo que você prefere amar os outros.”
-Marcello Macrì-

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.