Chimpanzés selvagens na África Ocidental foram encontrados com lepra pela primeira vez – e agora os cientistas estão lutando para chegar à raiz da doença infecciosa que é encontrada principalmente em humanos.

A descoberta desconcertante foi feita em vários chimpanzés no Parque Nacional de Cantanhez, na Guiné-Bissau, e em outro a mais de mil milhas de distância no Parque Nacional Taï, na Costa do Marfim, de acordo com um novo relatório da revista Science.

“Nunca vi isso em chimpanzés”, disse à publicação o veterinário de vida selvagem Fabian Leendertz, que tem um centro de pesquisa no parque da Costa do Marfim.

A antiga doença, agora conhecida como hanseníase e causada pela bactéria Mycobacterium leprae, infectou cerca de 12 milhões de pessoas em todo o mundo em meados da década de 1980, antes que os cientistas descobrissem que ela poderia ser curada com antibióticos.

A hanseníase já foi encontrada em outros animais – tatus nas Américas e esquilos vermelhos no Reino Unido, disse a revista. Ambas as espécies carregam o mesmo genótipo bacteriano, chamado 3I – que também foi encontrado em surtos que datam da Europa medieval – e em ambos os casos, parece que a doença passou de humanos para animais.

Mas a pesquisa com chimpanzés infectados com hanseníase até agora teve uma forma diferente. Dois genótipos raros – 2F e 4N / O – apareceram em outros chimpanzés encontrados com traços de M. leprae.

A doença em chimpanzés sugere que a bactéria causadora da hanseníase está à espreita em outro lugar – seja vivendo no animal que os chimpanzés caçam ou até mesmo no meio ambiente, disse a revista.

A lepra foi encontrada em chimpanzés pela primeira vez.
Projeto Chimpanzé Cantanhez / M

Leendertz descartou a transmissão humana porque a doença se espalha apenas por contato próximo e prolongado e não há casos conhecidos de hanseníase entre os pesquisadores. Os genótipos também encontrados em chimpanzés doentes são raros em humanos, de acordo com pesquisadores.

“O cenário mais provável é que haja algum reservatório de hanseníase não identificado”, disse Leendertz.

Anne Stone, uma geneticista evolucionista da Arizona State University, em Tempe, acredita que a bactéria teve outro hospedeiro antes de os humanos evoluírem.

“Os dados apontam cada vez mais para a possibilidade de que algo diferente dos humanos seja realmente o hospedeiro principal”, disse Stone à Science Magazine.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.