Do Nos Pensées

A dor é um indicador individual e subjetivo de que algo está errado dentro do nosso corpo.

Pode ter um enorme impacto no nosso bem-estar e na nossa capacidade de lidar com o processo de recuperação e a vida diária. Os processos da mente são responsáveis por identificar e transformar a dor física, daí a importância de saber como o nosso cérebro a percebe e analisa.

No cérebro, há lugares muito bem definidos que são responsáveis por nossas percepções de dor. Muitas dores estão enraizadas em processos cerebrais que podem ser afetados pela atitude mental e emoções.

As estratégias da mente que podem ter um efeito benéfico no dano físico são: exercícios de relaxamento e respiração, terapias como música e biofeedback.

Características emocionais da dor.

Os estudos de McCracken de 2004 indicam que as pessoas que têm maior aceitação da dor referem-se a ela menos e têm menos sintomas de ansiedade e depressão.

O mais importante neste estudo é que o nível de aceitação da dor não é uma função da intensidade da dor. Ou seja, as pessoas não aceitam mais sob o pretexto de que é menos intenso.

A aceitação envolve ter contato com experiências desagradáveis ou dolorosas sem que isso tenha um impacto significativo na direção.

Acima de tudo, isso significa que não há comportamento de evitação incapacitante ou que a pessoa não se sente limitada quando se trata de estabelecer metas.

A sociedade às vezes encoraja um certo estilo de vida inadequado por meio de slogans ou frases prontas, que por sua simplicidade se tornam verdades contagiosas. Um exemplo: “evite o sofrimento e você será feliz”. Mas tenha cuidado!

O sofrimento é parte integrante de nós mesmos. Deve ser aceito como uma coisa normal: é normal sofrer em certos contextos.

Isso não significa que o catastrofismo nos cega porque está associado a uma evolução negativa da dor. O catastrofismo é um conjunto de processos cognitivos e emocionais que predispõem a dor a se tornar algo crônico.

Seja catastrofismo ou aceitação, ambos são considerados determinantes importantes do prognóstico para a evolução da dor, uma vez que são dois importantes mediadores na transformação da dor. A luta de ambos é fundamental para o controle da mente sobre a dor física.

Dor e mente

Nossos pensamentos e emoções afetam nossa saúde física, pois há sempre um aspecto psicológico em cada doença. Ou seja, toda dor tem um componente emocional.

Dr. Sarno, professor de medicina de reabilitação da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, diz que o cérebro gera dor que não tem causa biológica, de modo que prestamos mais atenção ao nosso corpo e que desse modo, concentramos nossa atenção nas “tensões emocionais reprimidas”.

Quando reconhecemos as tensões emocionais que reprimimos, os sintomas da dor física diminuem.

Um estudo da Universidade de Stanford sugere que o treinamento do cérebro pode reduzir a dor sem recorrer à medicação.

Mesmo que não funcione em todos os indivíduos, a técnica pode levar a novos tratamentos médicos.

Só funciona quando as pessoas podem ver sua área do cérebro em relação à dor usando imagens de ressonância magnética.

O estudo mostra que, sob certas circunstâncias, é possível “dominar” nossa atividade cerebral e controlar a intensidade da dor que sentimos sem precisar usar medicação.

A técnica abre novos caminhos para novos tratamentos médicos, embora se deva saber que ela não funciona da mesma maneira em todos os indivíduos.

A associação entre boa suscetibilidade à aceitação da dor e treinamento mental apropriado são fatores-chave na redução do impacto da dor em nossas vidas . Talvez não possamos fazê-lo desaparecer, mas usando nossa mente podemos ganhar muito terreno.

A dor está em sua mente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.