Não há dúvida de que a motivação é um dos fatores mais difíceis, mas importantes da vida. É a diferença entre sucesso e fracasso, estabelecimento de metas e falta de objetivo, bem-estar e infelicidade. E, no entanto, por que é tão difícil ficar motivado – ou mesmo se o fizermos, continuar assim?

Essa é a pergunta que cientistas liderados pela professora Carmen Sandi da EPFL e pelo Dr. Gedi Luksys da Universidade de Edimburgo têm procurado responder. Os pesquisadores trabalharam com base em conhecimentos anteriores que lhes diziam duas coisas: primeiro, que as pessoas diferem muito em sua capacidade de se engajar em comportamentos motivados e que problemas motivacionais como apatia são comuns em distúrbios neurodegenerativos e psiquiátricos. Em segundo lugar, para atingir uma área do cérebro chamada de “núcleo accumbens”.

Situado próximo à base do cérebro, o núcleo accumbens tem sido objeto de muitas pesquisas. O motivo é que rapidamente se descobriu que ele desempenhava um papel importante em funções como aversão, recompensa, reforço e motivação.

Para testar e quantificar a motivação, a equipe da EPFL projetou o que é conhecido como “tarefa de força de incentivo monetário”. A ideia é que os participantes realizem uma tarefa com esforço crescente – e mensurável – e recebam somas de dinheiro que correspondem ao seu esforço. Basicamente, faça mais e receba mais.

Neste estudo, 43 homens foram escaneados para medir metabólitos no nucleus accumbens em seus cérebros com uma sofisticada técnica de imagem cerebral chamada “espectroscopia de ressonância magnética de prótons”, ou 1H-MRS. Isso pode medir especificamente a abundância de substâncias neuroquímicas no cérebro, como neurotransmissores e metabólitos. Por causa disso, o 1H-MRS é usado mesmo em ambientes clínicos para determinar distúrbios neurológicos.

Posteriormente, cada participante foi solicitado a apertar um dispositivo que mede a força – um dinamômetro até um determinado nível de contração para ganhar 0,2, 0,5 ou 1 franco suíço. Este procedimento foi repetido por um número de 120 tentativas consecutivas, o que tornou o desempenho na tarefa bastante exigente.

A ideia do experimento era que as diferentes somas levariam os participantes a decidir se iriam investir energia e realizar a tarefa de acordo em cada tentativa. Os cientistas também realizaram o experimento em condições de isolamento e de grupo para investigar a influência da competição no desempenho.

Depois de coletar os dados comportamentais, os pesquisadores os processaram por meio de um modelo computacional que estimou os parâmetros mais adequados que deveriam ser medidos em relação à utilidade, esforço e funções de desempenho. Isso permitiu que eles questionassem se determinados níveis de neurotransmissores previam funções motivacionais específicas.

A análise revelou que a chave para o desempenho – e, por extensão, a motivação – está na proporção de dois neurotransmissores no nucleus accumbens: glutamina e glutamato. Especificamente, a proporção de glutamina para glutamato está relacionada à nossa capacidade de manter o desempenho por um longo período de tempo – o que os pesquisadores chamam de “resistência”.

Outra descoberta foi que a competição parece impulsionar o desempenho desde o início da tarefa. Esse foi especialmente o caso de indivíduos com baixas razões de glutamina para glutamato no nucleus accumbens.

“Os resultados fornecem novos insights no campo da neurociência da motivação”, diz Carmen Sandi. “Eles mostram que o equilíbrio entre glutamina e glutamato pode ajudar a prever componentes computacionais específicos de desempenho motivado. Nossa abordagem e dados também podem nos ajudar a desenvolver estratégias terapêuticas, incluindo intervenções nutricionais, que abordam os déficits no engajamento de esforço ao direcionar o metabolismo. ”

Fonte: EPFL / Créditos da imagem: Domínio público

Pesquisa original: Glutamine-to-glutamate ratio in the nucleus accumbens predicts effort-based motivated performance in humans

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.