A Nova Zelândia forçará os bancos a revelar o impacto de seus investimentos nas mudanças climáticas sob a primeira legislação do mundo que visa tornar o registro ambiental do setor financeiro transparente, disseram as autoridades.

O ministro do Comércio, David Clark, disse que a lei tornaria os relatórios climáticos obrigatórios para bancos, seguradoras e firmas de investimento.

“Tornar-se o primeiro país do mundo a introduzir uma lei como essa significa que temos a oportunidade de mostrar liderança real e abrir caminho para que outros países tornem as divulgações relacionadas ao clima obrigatórias”, disse ele.

Clark disse que isso forçaria as instituições financeiras a considerar o impacto no mundo real que seus investimentos têm sobre o clima e permitiria que o público avaliasse seu desempenho.

“É importante que cada parte da economia da Nova Zelândia esteja nos ajudando a reduzir as emissões e fazer a transição para um futuro de baixo carbono”, disse ele.

“Esta legislação garante que as organizações financeiras divulguem e, em última análise, tomem medidas contra os riscos e oportunidades relacionados com o clima.”

A legislação foi apresentada na segunda-feira e, se aprovada, tornará os relatórios climáticos obrigatórios até 2023.

O ministro da Mudança Climática, James Shaw, disse que os relatórios anuais provavelmente enfatizariam o fato de que os investimentos com alto teor de carbono se tornariam menos atraentes à medida que as medidas para reduzir as emissões fossem adotadas.

Leia também: Um evento de extinção em massa está no horizonte se a vida marinha continuar fugindo do equador

“Simplesmente não podemos chegar a emissões líquidas de carbono zero até 2050, a menos que o setor financeiro saiba que impacto seus investimentos estão tendo sobre o clima”, disse ele.

“Esta lei trará os riscos climáticos e a resiliência para o centro da tomada de decisões financeiras e de negócios”.

A primeira-ministra de centro-esquerda da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, comprometeu a nação do Pacífico Sul a se tornar neutra em carbono até 2050 e a gerar toda a sua energia a partir de fontes renováveis ​​até 2035.

Fonte: aljazeera

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.