No site La Mente è Maravigliosa

A origem da morte de acordo com a mitologia japonesa é encontrada em uma curiosa lenda que fala da criação do estado japonês . Apesar da influência da antiga civilização chinesa, uma parte muito importante da religião e mitologia japonesa tem suas próprias raízes. Também se baseia nas tradições xintoístas e budistas, bem como nas crenças populares camponesas.

Os mitos japoneses convencionais são baseados no Kojiki e no Nihonshoki . Kojiki significa literalmente “arquivo histórico” e é a mais antiga crônica conhecida sobre os mitos, lendas e história do Japão. O Nihonshoki é o segundo mais antigo e narra as ações das várias divindades.

A lenda sobre a criação do Japão

No início dos tempos, as primeiras divindades japonesas criaram dois semideuses. Um homem chamado Izanigi e uma mulher, Izanami . Essas deidades ancestrais confiou-lhes a missão de criar uma terra tão maravilhosa a ponto de ser incomparável com qualquer outro planeta.

Anos depois, quando completaram a missão imposta pelos primeiros deuses, decidiram que era hora de ter filhos. Da união dessas duas divindades vieram as oito grandes ilhas japonesas.

A harmonia reinou neste mundo recém-criado. As divindades viveram felizes junto com seus numerosos filhos até que um dia Izanami gerou Kagutsuchi, o deus do fogo . Por causa do nascimento muito complicado, a mãe passou um longo período de doença, até que ela perdeu a vida.

O sofrimento pela morte de sua amada foi tão devastador que Izanigi, depois de ter enterrado o corpo de Izanami no mítico Monte Hiba perto de Izumo, decidiu ir em busca de sua esposa no coração do reino de Yomi, ou a terra dos mortos .

Izanigi começou sua jornada em direção ao território das trevas. Todos os demônios que ele encontrou em seu caminho, no entanto, o avisaram que Izanami nunca poderia ser resgatada para a vida normal. Era realmente impossível retornar à terra dos vivos depois de comer em Yomi .

Depois de muitos meses de sofrimento e aventuras, Izanigi finalmente encontrou sua esposa em um lugar onde a escuridão reinava. A mulher lhe disse que não poderia voltar com ele porque já era tarde demais, ela já havia comido a comida do submundo. No entanto, ele decidiu tentar convencer as divindades de Yomi a deixá-la ir. A única condição para obter a aprovação dos deuses era que Izanagi permanecesse fora do palácio.

Mas, como no mito de Orfeu, ele não resistiu à tentação de ver sua esposa e, depois de acender uma chama, entrou no majestoso edifício . Usando a luz, Izanigi quebrou a lei da escuridão do submundo e viu o corpo de sua esposa transformado em um cadáver em decomposição, transbordando de vermes. As divindades, acompanhadas de trovões e relâmpagos, emergiam de sua cabeça e peito.

Diante desse espetáculo assustador, ele fugiu aterrorizado enquanto sua amada o acusava de humilhá-la e passou a persegui-lo por todo o reino de Yomi para matá-lo. Depois de uma perseguição incessante, Izanami conseguiu perfurar o corpo do marido com uma lança, ferindo-o.

Apesar de seus ferimentos, ele correu sem parar tentando alcançar o mundo dos vivos e sentir a brisa do vento. Assim que ele alcançou a fronteira entre os dois mundos, agarrou a maior pedra e fechou a entrada para a terra das trevas para sempre .

De dentro da caverna, Izanami gritava com o marido para deixá-la entrar no reino dos vivos, mas aterrorizado com o que aconteceu, ele se recusou categoricamente. Neste ponto, a deusa ameaçou-o dizendo-lhe que, para se vingar, ele mataria 1.000 humanos por dia. Neste momento, Izanagi gritou para ela: “E então eu vou dar vida a outros 1500 seres por dia”.

Aqui, então, é a origem da morte para os japoneses que, ainda hoje, depois de mais de 500 anos, celebram seu Dia dos Mortos, ou Obon.

A origem da morte segundo a mitologia japonesa

A origem da morte, segundo a mitologia japonesa, faz parte de um passado milenar no qual mitos e religiões pertenciam ao pensamento global dessa cultura ancestral.

Hoje, o senso de comunidade, família e morte no Japão mudou muito e antigas tradições deram lugar a um pensamento mais ocidentalizado. Para nós ocidentais, a morte é vista como algo impuro, que precisa ser embelezada; um assunto que é melhor não falar, se não embelezar com mistificações e ornamentos que servem apenas para distrair a mente e os pensamentos.

Ao contrário da cultura ocidental, na qual ela é vista como um verdadeiro tabu, a morte na mitologia japonesa era considerada algo inevitável, enquanto o que realmente importa são as ações tomadas na vida. A dor da morte de um ente querido se transforma em uma sensação reconfortante se alguém acredita que sua alma ainda está entre nós.

“Para sempre é muito tempo. Acho que nos encontraremos novamente amanhã, em melhores circunstâncias ou em outras vidas. “

Miyamoto Musashi

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.