Créditos: Christina Chung

Uma nova terapia ensina as pessoas a processar seu trauma como uma maneira de tratar a dor crônica. Funciona?

Os seres humanos há muito procuram entender a base da dor. Até o final do século 17, a dor e a doença eram consideradas um subproduto do pecado, ou algo que uma pessoa suportou para testar sua fé. Mas depois que o filósofo René Descartes primeiro teorizou que a dor era uma sensação física interpretada pelo cérebro, os médicos começaram a procurar respostas no corpo.

Hoje, a dor crônica – que afeta 50 milhões de pessoas apenas nos Estados Unidos – ainda é amplamente entendida como um fenômeno que sempre se origina no corpo. Mas um grupo pequeno e influente de médicos está apresentando uma hipótese muito diferente: algumas dores físicas crônicas, dizem eles, podem ser um subproduto do trauma emocional não resolvido.

Esse conceito pode ser controverso entre as pessoas que procuram tratamento, que podem se irritar com a ideia de que sua dor física pode não ter uma origem física. Implicar que há um aspecto emocional na dor pode ser confundido com a afirmação de que tudo está na cabeça de uma pessoa. Mas pesquisas em andamento mostram que a dor física crônica, pelo menos para algumas pessoas, pode realmente ter uma base emocional e psicológica.

Quando as pessoas experimentam o trauma, isso não afeta apenas a saúde mental delas ”, diz Abigail Lott, psicóloga clínica licenciada e professora assistente da Emory University. “Isso pode afetar seu corpo também.”

“Nos modelos estatísticos que executamos, você pode usar variáveis diferentes para prever a probabilidade de alguém relatar dor”, diz ela. “Vimos que quanto mais você sofre trauma, maior a probabilidade de você ter uma condição de dor.”

Um exemplo notável disso é o estudo de experiências adversas na infância. Publicado em 1998, o estudo pesquisou 9.500 pessoas sobre traumas passados quando crianças, como abuso sexual, violência doméstica e exposição ao abuso de substâncias. As pessoas que foram expostas a mais de uma experiência adversa na infância tinham uma probabilidade aumentada de duas a quatro vezes de má saúde física, incluindo sofrimento físico crônico. Outros estudos encontraram uma correlação entre o trauma emocional e o aparecimento de condições como fibromialgia, síndrome pré-menstrual, dor lombar não especificada e incapacidade relacionada à dor.

“O medo e a dor meio que trabalham juntos e ajudam a manter um ao outro.”

Os pesquisadores estão explorando por que o trauma emocional e a dor física crônica coexistem com tanta frequência. Uma teoria é que distúrbios baseados em traumas como o transtorno de estresse pós-traumático -TEPT, (post-traumatic stress disorder – PTSD)
preparam o corpo para a dor.

“Quando você experimenta [TEPT], você tem um sintoma chamado hyperarousal onde o seu sistema nervoso autônomo está em alerta máximo o tempo todo”, diz Lott. “Parte disso significa estar extremamente tenso e sintonizado com ameaças o tempo todo, incluindo dor física.”

Essa hipervigilância não apenas torna a pessoa mais sintonizada com os sinais de dor dentro do corpo, mas também pode reduzir o limiar de uma pessoa para o que causa uma sensação de dor e a rapidez com que alguém pode se recuperar dela. Quando isso acontece, “os pacientes começam a isolar-se, eles não estão envolvidos em nada, não estão tentando se exercitar e isso pode piorar a condição de dor”, diz Lott. “O medo e a dor meio que trabalham juntos e ajudam a manter um ao outro.”

Os pesquisadores também descobriram que o trauma emocional e a dor física crônica ativam vias neurais similares no cérebro. Em um estudo de 2011, as pessoas foram convidadas a ver fotografias de seus ex-parceiros românticos durante um exame de ressonância magnética funcional. Os pesquisadores notaram que as áreas do cérebro que processam a dor física se iluminam. Em outras palavras, para o cérebro, dor física e experiências emocionais dolorosas são indistinguíveis, disseram os pesquisadores.

O que os pesquisadores estão apenas começando a entender é que a exposição a múltiplos traumas emocionais pode fortalecer as associações neurais com a dor de tal forma que os danos emocionais não resolvidos podem realmente produzir dor física crônica dentro do corpo.

O Dr. Howard Schubiner, professor clínico de medicina interna na Michigan State University, estudou a conexão entre trauma e dor por décadas – algo a que ele se refere como um distúrbio do circuito neural ou Síndrome mente-corpo, um termo que ele popularizou. Schubiner conduz oficinas em todo o país ensinando outros médicos, clínicos e leigos sobre a relação entre trauma e dor física, e como essas associações podem ser “desaprendido”. Schubiner também trata as pessoas em sua prática privada.

“O primeiro passo é eliminar uma condição física e, em seguida, decidir em um transtorno do circuito neural”, diz Schubiner. “Como médico, se eu descobrir que você tem uma grande hérnia de disco que está pressionando um nervo, isso me deixa feliz – diz que sou um bom médico, descobri que o paciente tem um problema estrutural e que não é necessário tratamento mente-corpo. ”Mas muitas vezes, diz Schubiner, as pessoas que ele vê têm dor crônica devido a uma associação aprendida entre dor e trauma, mesmo após a lesão ter cicatrizado. Por exemplo, um veterano do Vietnã cujas feridas pulsam ao som de um helicóptero, ou uma jovem que sente dor pélvica quando revive uma agressão sexual na infância (as duas pessoas que ele tratou).

“Quando esses gatilhos ocorrem, os circuitos neurais aprendem, assim como os cães de Pavlov, a criar dor”, diz Schubiner. Os gatilhos podem ser qualquer coisa, diz ele, de eventos ligados ao trauma (como o helicóptero) a associações aparentemente aleatórias, como tempestades ou sentado em um determinado assento. “A dor é real, mas não devido a mudanças no clima ou na cadeira em que você está sentado – é porque o cérebro reconhece esses gatilhos e diz que é hora de gerar dor.”

A dor que é altamente localizada em uma pessoa sem história de trauma provavelmente é um problema de tecido, diz Schubiner – por exemplo, um disco deslocado pressionando um nervo nas costas de alguém. Mas quando o tecido é curado e a dor persiste, pode ser devido à hipersinal, algo que Schubiner diz que pode ser acalmado a tempo. A dor que se desloca para diferentes lugares do corpo, ou a dor que flutua com base em uma experiência emocional, pode ser um distúrbio do circuito neural.

Mark Lumley, diretor de doutorado em psicologia clínica na Wayne State University, estudou distúrbios do circuito neural e co-autor de pesquisas sobre a síndrome mente-corpo ao lado de Schubiner. Uma vez que uma questão do circuito neural é considerada, ele diz, os médicos tomam uma história psicossocial – um resumo detalhado da saúde mental e bem-estar social de um indivíduo – para determinar se o início da dor se alinha com um evento traumático particular. Então, um paciente e um profissional iniciam o árduo trabalho de confrontar seu trauma em um ambiente seguro.

“Os pacientes podem ter problemas com isso e evitá-lo no início”, diz Lumley. “Mas se eles escolherem se abrir para essas experiências emocionais, como um ataque sexual que experimentaram quando eram adolescentes, a dor deles começa a fazer coisas interessantes.”

Lumley e Schubiner chamaram esse tratamento de terapia de percepção emocional e expressão, ou TECE (TPEE em inglês). Em uma sessão, que geralmente dura 90 minutos, os profissionais orientam uma pessoa que busca atendimento por meio de uma dramatização para capturar uma lembrança dolorosa ou um trauma atual e aliviá-la terapeuticamente. “O paciente imagina que a outra pessoa está na sala com eles e eles revivem o encontro, mas desta vez eles colocam um novo fim no que aconteceu”, diz Lumley. “Nós perguntamos: ‘Quais são as emoções que você precisa expressar?’ Ajudamos os pacientes a encontrar a voz para fazer isso, expressá-lo na linguagem ou expressão “.

Para outras pessoas, essa abordagem pode levar mais tempo. “Há uma grande variedade de quanto tempo leva para tratar”, diz Schubiner. “Depende da pessoa, quão grave é o trauma e quão capaz é o paciente de se expressar.” Algumas pessoas optaram pelo tratamento com TECE porque a ideia de confrontar o trauma é grande demais para ser enfrentada. “Nós tivemos absolutamente pessoas dizendo: ‘Não, eu prefiro estar com dor do que confrontar meu pai, isso é o quanto isso me assusta'”, diz Lumley.

Mas Schubiner diz que eles viram resultados positivos. Quando uma pessoa é exposta ao trauma e recebe continuamente mensagens de segurança, Schubiner diz que a associação entre emoção e dor começa a se desenredar. “Pode levar um dia, uma semana, um ano, mas pegar algo assustador e mostrar ao paciente que é

Mas Schubiner diz que eles viram resultados positivos. Quando uma pessoa é exposta ao trauma e recebe continuamente mensagens de segurança, Schubiner diz que a associação entre emoção e dor começa a se desenredar. “Pode levar um dia, uma semana, um ano, mas tomar algo assustador e mostrar ao paciente que é seguro – é assim que o circuito neural se inverte”, diz Schubiner.

Eventualmente, o cérebro é capaz de formar novas vias neurais que não produzem dor, um processo chamado neuroplasticidade. Mesmo na velhice, os cérebros são capazes de formar novos caminhos estruturais que se fortalecem com a repetição – assim, quando um paciente expulsa e processa lembranças traumáticas, enquanto recebe mensagens de segurança, eventualmente o cérebro desaprende sua conexão entre dor e trauma emocional. Schubiner diz.

Atualmente, a terapia cognitivo-comportamental é um dos métodos mais comumente praticados para o tratamento da dor crônica. Técnicas como mindfulness, aceitação e terapia de compromisso ou terapia comportamental dialética também fornecem às pessoas ferramentas para relaxar e lidar com a dor, em vez de tentar eliminá-la diretamente.

Mas Lumley, Schubiner e outros estão tentando desafiar esses métodos para o tratamento da dor crônica. “Há algumas evidências para dizer que essas abordagens funcionam, mas elas também começam com a suposição de que sua dor não vai desaparecer – você só precisa se ajustar e aprender a conviver com ela”, diz Lumley. “O trauma emocional que parece ser um fator de risco para a dor é ignorado, e nós queríamos abordar isso.”

Além disso, diz Schubiner, apenas a crença de que uma pessoa tem uma condição incurável causa medo e desamparo que fortalece os circuitos neurais e exacerba a dor.

As questões do circuito neural e EAET não são consideradas parte da medicina convencional: uma declaração de posição sobre dor crônica da Academia Americana de Neurologia reconhece apenas a terapia cognitivo-comportamental e o uso de opioides como um meio para tratar distúrbios da dor como fibromialgia, dor regional crônica e enxaqueca. .

Mas estudos revisados por pares estão começando a demonstrar a eficácia do EAET. Um ensaio clínico, liderado por Lumley e Schubiner, avaliou a eficácia do EAET em comparação com a terapia cognitivo-comportamental (TCC) e outro tratamento controle chamado educação FM para pessoas com fibromialgia, que envolve o aconselhamento de pessoas sobre como a dor causada pela fibromialgia é real, mas pode nem sempre ser apenas o resultado de um problema estrutural.

Os resultados mostraram que o EAET levou à diminuição dos sintomas de fibromialgia, diminuiu a dor e um número maior de pacientes alcançou 50% de redução da dor, em comparação com os pacientes submetidos à TCC. Outro ensaio clínico descobriu que, quando usado para tratar veteranos com mais de 50 anos que viviam com dor lombar crônica, o EAET era mais eficaz em melhorar a intensidade da dor do que a TCC.


Fontes:

Elemental Medium (Em inglês, traduzido por nós), Relationship of Childhood Abuse and Household Dysfunction to Many of the Leading Causes of Death in Adults, Social pain and physical pain: shared paths to resilience, Social rejection shares somatosensory representations with physical pain, Ethical considerations for neurologists in the management of chronic pain,

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.