A solidão livremente escolhida em um momento particular de nossas vidas pode agir não apenas como um bálsamo, como uma terapia eficaz para se reconectar com sucesso a si mesmo. Às vezes, é também uma maneira de estabelecer uma distância saudável daquilo que não nos convém, do que nos perturba, nos impede ou prejudica nossa paz interior.

Estamos falando sobre o que, em psicologia, é frequentemente definido como “solidão funcional”, um conceito que dá origem a algo que parece familiar a muitos: a necessidade de afastar-se de um ambiente prejudicial ou desgastante o objetivo de encontrar a si mesmo e, assim, recuperar o bem-estar psicológico de alguém.

“Não há solidão pior do que não estar bem consigo mesmo”.

-Mark Twain-

Aqui não estamos nos referindo à solidão não escolhida, a esse isolamento causado por relações sociais deficientes ou a essa tristeza relacionada à falta de companhia significativa. Nesse caso, há um componente terapêutico essencial: poder recompor suas dimensões básicas, como a autoestima, as prioridades pessoais ou encontrar um espaço limpo, privado e privado que tenhamos sido arrancado.

Como Pearl Buck, escritor e vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, disse uma vez, em todos nós, existem fontes de grande beleza que precisam ser renovadas de tempos em tempos para se manterem vivas. Por mais estranho que pareça, podemos fazer isso através de períodos de solidão.

O sentimento de solidão mesmo acompanhado: um abismo perigoso

A maioria de nós tem medo da solidão. Na verdade, imagine-se andando em um shopping center desértico em uma tarde de sábado, para que num segundo nosso cérebro nos envie um sinal de alerta. Nós sentimos medo e angústia. Isto é devido a um mecanismo básico, um instinto que nos lembra que não podemos sobreviver na solidão. O ser humano é social por natureza e é assim que avançamos como espécie: vivendo em grupos.

Hoje, porém, encontramos fatos muito mais aterrorizantes do que um shopping center sem clientes. Como vários estudos mostram, quase 60% das pessoas casadas se sentem sozinhas. E 70% dos adolescentes, mesmo que tenham um grande número de amigos, sentem-se solitários e incompreendidos. Tudo isso nos obriga a lembrar que a solidão não se refere ao número de pessoas que fazem parte de nossas vidas, mas à qualidade emocional que temos com essas pessoas.

Por outro lado, o que fazemos com frequência é validar e perpetuar dinâmicas deficientes que geram um infortúnio declarado. Nos sentimos solitários, incompreendidos e “lixiviados” em nossa estação de trabalho, mas continuamos porque “temos que viver de algo”. Nós sempre saímos com nossos amigos porque, na verdade, eles sempre foram nossos amigos … Como abandoná-los agora? E, pior ainda, há aqueles que prolongam seu relacionamento amoroso porque têm ainda mais medo do vazio de não ter ninguém ao seu lado.

Todos esses exemplos dão origem a essa solidão disfuncional, onde todos acabam criando mecanismos autênticos de defesa para não ver a realidade, para dizer a si mesma que tudo está bem, que ela é amada e querida e outros valorizam o que fazem. Pensar assim é como se afogar e pedir mais água em sua cabeça.

A felicidade não pode ser curada com mais sofrimento. Ninguém merece se sentir sozinho enquanto está acompanhado.

Às vezes, passar um tempo em um ambiente opressivo, inútil e egoísta significa que a pessoa permanece concentrada no lado de fora, na ideia de satisfazer todas as necessidades dos outros, com a esperança de que, mais cedo ou mais tarde, ela satisfará. Mas isso nem sempre acontece.

É então que não há escolha senão tomar consciência da própria realidade e buscar uma solução. A solidão escolhida, a distância saudável e um período de tempo dedicado a si mesmo são sempre saudáveis, necessários e catárticos. Não estamos falando de iniciar um período de isolamento nem de tentar fugir. É muito simples: a chave está em deixar de fora o que não nos convém.

Dedicar-se um momento para si mesmo é uma receita que nunca falha. É encontrar a intimidade e os espaços pessoais, lembrar quem foi e pensar em quem queremos ser a partir de agora. Pode levar semanas ou meses. Todo mundo tem seu próprio ritmo, que deve ser respeitado e aceito.

A solidão livremente escolhida em um período específico da vida não só cura, não recompõe apenas peças quebradas. É também uma maneira de aprender a construir filtros pessoais adaptados. Estes filtros através dos quais vamos deixar entrar amanhã, apenas o que é bom para nós, ajustam-se às nossas frequências emocionais e cantos privilegiados do nosso coração.

Do site Nos Pensés

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.