Tem havido muita conversa sobre a vida de Stephen Hawking, sua doença, seu grande senso de humor e sua importante contribuição para o campo da física. A teoria de tudo é um filme de 2014 dirigido por James Marsh que conta o lado mais cotidiano e humano do famoso físico inglês. É inspirado na biografia Verso l’infinito ( Viagem ao infinito: minha vida com Stephen ), escrita por Jane Hawking, primeira esposa de Hawking, sobre os anos que passaram juntos.

O filme A teoria de tudo encontrou grande consenso entre os críticos e recebeu várias indicações ao Oscar. O ator que desempenhou o papel de Stephen Hawking, Eddie Redmayne, ganhou o Oscar de Melhor Ator. Não foi fácil levar esse filme para a tela grande, precisou da aprovação de Jane e Stephen , já que é uma história pessoal e delicada. Foi uma aposta arriscada.

Stephen Hawking apreciou tanto o filme que se ofereceu para emprestar sua voz sintetizada às partes finais, elogiou a interpretação de Redmayne e não se empolgou. A teoria de tudo , em vez de se transformar em drama, nos excita, nos move e nos envolve completamente. Isso nos aproxima do outro lado da vida de um gênio , um lado mais amargo, de uma pessoa que comete erros como qualquer outra pessoa e que tem um excepcional senso de humor, apesar de ter perdido a capacidade de se mover.

Às vezes idealizamos pessoas ilustres e famosas em todo o mundo, pensamos que sua vida é muito diferente da nossa, não sofrem, são perfeitas, o dinheiro resolve seu problema … A teoria de tudo nos mostra a pessoa por trás do gênio, no bem e no mal, na espontaneidade de sua vida cotidiana. É também a história de uma mulher, Jane, uma grande lutadora, que nos lembra da importância do amor e do apoio a uma pessoa apesar das dificuldades.

Após a morte do físico, muito tem sido dito sobre sua vida e seu trabalho como cientista e não há dúvida de que ele foi um dos grandes gênios do século 21 e que ele será lembrado para sempre. A teoria de tudo é uma homenagem à vida, ao cotidiano, à esposa de Hawking, aos seus filhos e um grande presente para todos os espectadores.

Superação pessoal: A teoria de tudo

O filme começa com uma festa universitária durante a qual um jovem Stephen sabe o que mais tarde se tornará sua esposa, Jane. Os dois parecem muito diferentes: ele estuda ciências, ela escreve cartas, ele é ateu, ela é crente. Muito em breve, no entanto, eles se apaixonam. Stephen começa a notar os primeiros sintomas de uma doença estranha, que então será diagnosticada como doença do neurônio motor (ligada à ELA, ou seja, esclerose lateral amiotrófica).

Stephen tem apenas 21 anos quando recebe o diagnóstico, ele está prestes a discutir a tese de doutorado e um futuro brilhante espera por ele. Os médicos, no entanto, dizem que ele tem com menos de dois anos de vida. Por esta razão, Stephen decide se afastar de Jane e esconder a verdade, mesmo que não por muito tempo.

Quando Jane descobre sobre a doença, ela decide ficar com ele, mesmo que o tempo pareça estar contra eles. Hoje sabemos que Stephen Hawking não só superou esses dois anos de vida, mas se tornou um exemplo de superação pessoal e nenhuma cadeira de rodas parou sua curiosidade e seu desejo de conhecimento.

O filme transmite o sofrimento do jovem Hawking, seu medo e a rejeição inicial do terrível diagnóstico, sua luta interior, raiva e finalmente a aceitação … Passamos por todas essas fases graças à magnífica interpretação de Eddie Redmayne e Felicity Jones no papel de sua esposa Jane. Contra todas as probabilidades, Jane e Stephen criam uma família e têm três filhos. Stephen dedica sua vida à ciência e Jane, sem qualquer ajuda, cuida de todo o resto.

É incrível ver o sacrifício de Jane e sua devoção ao marido, especialmente quando ele recusa toda a ajuda e não percebe que ela se sente frustrada, porque ela tem que lidar com três filhos pequenos e um marido que dificilmente pode ajudá-la. Jane desiste de tudo por Stephen, por sua família, e se torna um grande apoio para o gênio da física.

O legal desse filme é que ele não homenageia apenas a figura de Hawking como físico, mas retrata seu lado mais humano e, acima de tudo, é um tributo a Jane, uma mulher que foi capaz de tudo por amor, um guerreira cuja batalha inspirou o filme que todos podemos ver hoje. A superação pessoal é um tema fundamental neste filme, não só no que diz respeito a Stephen, mas também com Jane.

Aulas de vida na teoria de tudo
A teoria de tudo é também um espelho que reflete a realidade de um mundo em que certas pessoas são recompensadas por seu trabalho e outras deixadas de lado pela mesma razão. Em várias ocasiões, falamos sobre os problemas econômicos que Jane e Stephen enfrentam, algo que nunca teríamos imaginado de um físico tão famoso.

Na verdade, o filme é um retorno às raízes, quando o gênio ainda não era uma celebridade e nos lembra que, ao contrário dos astros da música ou do esporte, muitos geniosnão são recompensados por seus esforços, eles não são reconhecidos antes. de uma certa idade e ter dedicado sua vida à pesquisa não é garantia de sucesso.

Somos convidados a refletir sobre o que realmente importa na vida, lembrar os valores a não perder, entender como é importante ter um propósito, não desistir apesar da adversidade, ter uma família e amigos para abraçar, o dom da vida … Por que nós não sabemos quando tudo isso terminará.

“A vida seria trágica se não fosse divertida.” – Stephen Hawking

Stephen e Jane acreditam que o tempo é contra eles, que a vida do físico pode chegar ao fim a qualquer momento e por isso eles escolhem queimar os estapas, formar uma família o mais rápido possível e aproveitar cada momento juntos, conscientes de que a estrada nem sempre será fácil. Os dois acabam se separando, mas não vemos sua separação como um acontecimento trágico; antes, é um gesto de amor pelo outro.

Jane sacrificou tudo por seu marido e Stephen foi o único a tomar outro rumo e mesmo que a ideia pareça improvável, egoísta e irracional, não é. Jane teve uma segunda chance, um renascimento, sem deixar de amar Stephen, mas começando um novo caminho.

A interpretação de Eddie Redmayne merece elogios porque ser Hawking e moldar seus gestos poderia ter sido artificial e forçado, mas isso não aconteceu. Redmayne é um Hawking em movimento, natural, sem artifícios e totalmente credível.

A teoria de tudo é uma bela maneira de lembrar Stephen Hawking, mas também para nos lembrarmos de que ninguém escapa à morte, que todos nós podemos redimir o lado humano que parece que perdemos, que nunca devemos perder o sorriso e o senso de humor. A vida também é feita de adversidade, de obstáculos, somos nós que escolhemos como vivê-la, como delinear o caminho a ser percorrido para que valha a pena.

Via la mente e meravigliosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.