Talvez o nome “Chris Gardner” não lhe pareça muito familiar, mas você certamente já viu ou ouviu falar sobre o filme À Procura da Felicidade , estrelado por Will Smith. O filme é inspirado na verdadeira história de Christopher Gardner, um homem que enfrentou muitos obstáculos na vida para alcançar a felicidade, sendo forçado a dormir nas ruas com seu filho.

Natural de Wisconsin, Chris nunca teve bons modelos de paternidade e viveu uma infância turbulenta ao lado de suas três meia-irmãs. Entre brigas e conflitos da mãe e do padrasto violento, Chris e suas irmãs foram colocados em orfanatos duas vezes.

O padastro era abusivo com sua esposa e filhos. Inclusive, até denunciou a mãe de Chris às autoridades e a mandou para a prisão por trabalhar enquanto recebia ajuda dos Serviços Sociais.

Mas, apesar de todo esse sofrimento, um dia permaneceria na memória de Chris para sempre. Era natal e ele tinha 16 anos. Ele estava tomando banho quando seu padrasto subitamente entrou no banheiro com uma espingarda e o chutou para fora de casa, deixando-o na rua, molhado e nu em uma noite fria.

© Chris Gardner / Facebook © À Procura da felicidade / Columbia Pictures

Depois de ter vivido essas tristes experiências, algo ficou claro para Chris: ele não se tornaria seu padrasto. Ele escolheu tomar sua mãe como um exemplo de força.

“Eu escolhi abraçar o espírito de minha mãe – que apesar de ter tido muitos de seus próprios sonhos negados, adiados e destruídos – ainda instilou em mim que eu poderia ter sonhos”, confessei.

Chris deixou Wisconsin quando entrou na Marinha dos EUA e se juntou ao Corpo Médico. Lá, ele conheceu o Dr. Robert Ellis, que lhe ofereceu um emprego como assistente de pesquisa no Centro Médico da Universidade da Califórnia. Foi em 1974 quando ele se mudou para San Francisco.

O futuro de Chris parecia brilhar. Em 1977, ele se casou com Sherry Dyson e planejava ir para a Faculdade de Medicina, mas depois percebeu que o tempo e o dinheiro que ele teria que investir estavam aquém de suas possibilidades, então mudou de idéia. Isso arruinou seu relacionamento com sua então esposa.

Algum tempo depois, Chris conheceu uma mulher chamada Jackie Medina, que ficou grávida. Foi quando ele se separou de sua esposa para cuidar de Jackie e seu filho. Na época em que seu filho nasceu, ele trabalhava como assistente de laboratório de pesquisa, mas como seu salário não era suficiente, ele se tornou um representante de vendas de uma empresa de equipamentos médicos, mas sem luxo.

Certa vez, viu um homem bem vestido sair de uma Ferrari vermelha na rua. Naquele dia, sua vida mudou. Impressionado, Chris perguntou: “O que você faz e como faz?” O homem era Bob Bridges, um corretor da bolsa que ganhava cerca de mil dólares por mês.

Impulsionado pela possibilidade de alcançar seu tão esperado sucesso, Chris cancelou suas reuniões de vendas e adiou o pagamento de suas multas de estacionamento até ser aceito no programa de treinamento de outra empresa. Então ele deixou o antigo emprego. Mas, por azar, quando ele apareceu no escritório em seu primeiro dia de trabalho, descobriu que a pessoa que o contratara havia sido demitida.

Com um filho pequeno e o segundo relacionamento também se desabando, Chris foi forçado a procurar outro lugar para tentar uma nova chance e conseguiu uma entrevista na Dean Witter Reynolds para treinar como corretor.

© À Procura da felicidade / Columbia Pictures

Mas, mais uma vez, a sorte não estava do seu lado e, pouco mais de uma semana antes de sua entrevista de emprego, ele foi preso por 1.200 dólares que havia acumulado em multas. Ele passou 10 dias na prisão e, quando saiu, percebeu que Jackie havia ido embora levando o filho e todos os seus pertences. Um dia após sua libertação, Chris teve que comparecer à entrevista com as mesmas roupas que usara durante o tempo em que esteve na prisão: calça casual, tênis e jaqueta. Apesar disso, ele foi aceito no programa de estágio. Ele receberia um salário de mil dólares por mês.

Quatro meses depois, Jackie voltou com o pequeno Christopher, e eles decidiram que seria melhor que o menino ficasse com o pai. Havia apenas um pequeno problema: a pensão em que Chris morava não aceitava crianças e ele não tinha dinheiro suficiente para alugar uma casa. Foi então que uma peregrinação começou para pai e filho.

Cena final de À Procura da Felicidade, quando Chris passa pelos personagens do filme / Crédito: Divulgação

O salário de Chris mal era suficiente para fraldas, comida e puericultura; portanto, quando se tratava de escolher se o dinheiro era gasto em comida ou abrigo, a decisão era sempre comida. Chris e seu menino passavam a noite onde quer que pudessem; Motéis, albergues, parques baratos, debaixo de uma mesa no escritório de Chris e até em um banheiro público em uma estação de metrô em Oakland.

Chris e seu filho foram de uma “casa” a outra por cerca de um ano. Enquanto isso, ele continuou seu estágio em finanças e nunca disse a seus colegas que não tinha onde morar.

Depois de passar por tempos consideravelmente difíceis e se destacando como estagiário dedicado e perseverante, Chris fez o exame para obter sua licença como corretor da bolsa em 1982. Ele passou e conseguiu um emprego estável com um salário muito melhor. Agora ele já era capaz de alugar uma casa.

Chris deixou de ser aprendiz, sem lugar para dormir, para ser um respeitado corretor da bolsa. Ele até teve a chance de trabalhar em Wall Street, em Nova York, e morou nessa cidade por 2 anos antes de se mudar para Chicago e iniciar a Gardner Rich & Co., sua própria empresa, com um investimento inicial de dez mil dólares em 1987.

Um ano depois, ele conseguiu ganhar mais de um milhão de dólares. A falta de dinheiro não era mais um problema para ele. Animado com suas realizações, ele comprou sua própria Ferrari, mas não apenas a de qualquer pessoa, ele comprou uma que antes pertencia ao jogador de basquete Michael Jordan.

Em 2006, Chris havia conseguido expandir sua empresa imensamente e a vendeu em um acordo de vários milhões de dólares. Mais tarde, ele se tornou o fundador da Christopher Gardner International Holdings e colocou escritórios em Nova York, Chicago e São Francisco. Além disso, ele contribui para várias organizações filantrópicas relacionadas à educação, acesso à moradia e projetos de criação de emprego.

Atualmente, Chris é um palestrante de sucesso que viaja pelo mundo motivando as pessoas a perseguir seus sonhos e explicando tópicos relacionados ao sucesso nos negócios.

Adaptado de Bright Side

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.