Quando Paulo Coelho nasceu, a 24 de agosto de 1947, viu a avó ao seu lado e relembrou o momento para o resto da vida – ou assim afirma. Dezessete anos depois, ele foi parar em um manicômio, enviado por seus pais preocupados com suas tendências anti-sociais; ele escapou três vezes antes de ser finalmente libertado em 1967.

Após sua libertação, começou a vida de indiscrições juvenis de Coelho. Ele passou seus vinte e trinta anos escrevendo canções para Raul Seixas (o astro do rock mais famoso do Brasil), ouvia a pregação de um guru satanista, consumia drogas, desfrutava de vários tipos de orgias e vivia uma vida geralmente considerada “subversiva” pelos brasileiros de então -governo militar. Preso por este mesmo governo por conta de atividades subversivas e torturado por choques elétricos nos órgãos genitais, Coelho admite que a experiência foi traumática, mas não se arrepende de nada.

O peregrino, perdido e achado

Após uma ruptura repentina com o estilo de vida rock’n’roll que se seguiu à sua captura, Coelho vagou pelo mundo sem nenhum propósito maior. Ele se lembrou da decisão de seus pais de mandá-lo para um asilo, lembrou-se de suas objeções ao sonho de infância de ser escritor e, finalmente, resignou-se à opinião deles. Ele conseguiu um emprego como advogado e se casou com uma mulher na igreja. Entre 1975 e 1982, ele foi, como ele diz, “normal”, levando uma vida de encontros rotineiros, refeições regulares e cheques de pagamento estáveis. Mas logo descobriu-se que ‘eu não suportava ser normal’. Coelho deixou a esposa e deixou seu país para viajar o mundo com Christina Oiticica , sua atual esposa.

Então, em 1987, Coelho escreveu O Diário de Um Mago. No fundo, o livro é sobre o próprio Coelho e a sua viagem (de descoberta) pela Rota de Santiago de Compostela . Coelho realmente fez a viagem – o homem que havia tentado o ateísmo, o budismo e um monte de outras religiões finalmente voltou ao catolicismo depois de percorrer o caminho de 500 quilômetros de extensão. A Peregrinação foi muito bem recebida, mas seu outro livro, escrito apenas um ano depois – O Alquimista – foi descontinuado após uma tiragem inicial de apenas algumas centenas de cópias. Munido de sua atitude de ‘pensamento positivo acima de tudo’ (mais sobre isso depois), Coelho abordou uma outra editora, que imprimiu o livro – e o tornou uma lenda da literatura de autoajuda.

O escritor mais vendido

Desde então, 65 milhões de cópias de O Alquimista foram vendidas em todo o mundo, um número sem precedentes superado apenas por um punhado de clássicos. Ao todo, Coelho vendeu mais de 150 milhões de livros, que foram traduzidos para cerca de 60 idiomas. De Pinochet a Clinton, de Putin a Madonna, celebridades e figuras políticas de todo o mundo juraram lealdade aos fãs de Coelho.

Além disso, Paulo Coelho pode muito bem ser o autor vivo mais citável, enquanto O Alquimista pode muito bem ser o livro mais citado do mundo depois da Bíblia, com todos os tipos de joias universalmente aplicáveis ​​e facilmente compreensíveis.

A história é simples: um menino pastor andaluz segue seu sonho profético e parte em uma jornada para encontrar um tesouro no distante Egito. De ‘Diga ao seu coração que o medo do sofrimento é pior do que o próprio sofrimento’ a ‘Não importa o que ele faça, cada pessoa na terra desempenha um papel central na história do mundo’ e ‘quando você quiser alguma coisa, todo o universo conspira para ajudá-lo a alcançá-lo ‘, O Alquimista em si é um tesouro de sabedorias populares, uma característica que deve ter contribuído para o sucesso retumbante do livro; passou anos nas listas de mais vendidos em países como Alemanha, França, Polônia e Espanha. Foi – e ainda é – o livro mais vendido já publicado em português.

Os outros livros de Coelho não ficam para trás. De Veronika decide morrer(1998), um texto amplamente baseado nas próprias experiências do autor em manicômios, a O Zahir (2005), que ecoa a peregrinação de Coelho na década de 1980 e seu primeiro romance; desde Manuscrito encontrado em Accra (2012), um documento histórico “falsificado” apresentando P. Coelho como “o copta”, até seu mais recente lançamento, Adultério (2014), os livros de Coelho foram sucesso instantâneo em todas as nações.

A figura paterna da filosofia pop

Embora os livros de Coelho sejam compreensivelmente cativantes, apresentando histórias que entrelaçam o drama pessoal com questões universais, muito de seu apelo reside em sua qualidade aparentemente “filosófica”. Coelho não é nenhum Wittgenstein, é claro, mas ele tem uma fração de semelhança com nomes como Nietzsche e Sartre no sentido de que veste sua própria filosofia em histórias, usando personagens e situações memoráveis ​​e universalmente atraentes para ilustrar “a camada abaixo” ou , de fato, ‘acima’. Suas idéias e opiniões giram em torno da criação, do eu, dos sonhos, do amor e do propósito, dando ao seu trabalho um viés filosófico pop; Os leitores de Coelho freqüentemente o aceitam como seu guru espiritual; os críticos tendem a dizer que tudo é pseudo-filosófico besteira, o tipo que caberia muito bem em um episódio de Baywatch .

Livros, entretanto, não são suficientes para o homem que disse ‘tudo me diz que estou prestes a tomar uma decisão errada, mas errar faz parte da vida’. PaulocoelhoTV, o canal do autor no YouTube, tem um alcance potencialmente enorme e, com vídeos que abrangem entrevistas, vídeos promocionais e monólogos filosóficos, Coelho está em uma missão de espalhar sua palavra online. ‘Vamos conversar sobre o sentido da vida’, diz ele no início de um dos vídeos. ‘O sentido da vida é o sentido que você dá à sua vida (…)’, continua, antes de passar a explicar como deu sentido à sua.

O discurso continua na mesma linha, voltando novamente aos temas que permeiam seus livros – sonhos, propósito, amor – e se apoiando fortemente na anedota coelhiana. Outros vídeos da série incluem ‘Medo de mudar’, ‘Sentir-se inútil’, ‘Humanos e energia’, acrescentando mais um toque de autoajuda à obra de Coelho. Para resumir as palavras de um homem de muitas palavras citáveis, tudo o que importa para liderar um sucesso, vida feliz é pensamento positivo. Nem as circunstâncias, nem a intervenção divina, nem os fatores intrínsecos – tudo o que importa é o pensamento positivo, garante Coelho aos seus telespectadores famintos por filosofia. ‘Sempre foi a tendência da minha vida ser clara sem ser superficial’, revelou em entrevista em 2013.

O Rei do Twitter

O feed de Paulo Coelho do Twitter é tão abrangente quanto seus livros, opiniões e canais de vídeo: de retuítes de fotos de fãs a citações inspiradoras que podem ou não vir de seus livros, de selfies glamorosos com o pôr do sol no fundo a lembretes multilíngues que seu livros estão disponíveis em estantes de todo o mundo, @paulocoelho é um universo à parte. Inegavelmente, um exército de mais de 15 milhões de seguidores faz de Coelho uma celebridade da Internet, um status que ele abraça de todo o coração: ‘O Twitter eu acho uma arte’, afirmou ele em uma entrevista de 2013 para o The Guardian, quando a contagem ainda estava em míseros 6,3 milhões. Retweets abundam, com alguns dos coelhoismos mais populares sendo: ‘Nunca se desculpe por ser você mesmo’ (2.162 RTs); ‘Quando repetimos um erro, não é mais um erro: é uma decisão’ (2.374 TRs); ‘Se você entende a vida, você precisa de uma verificação da realidade’ (3.542 RTs).

A sua página no Facebok conta com mais de 28 milhões de seguidores, Paulo Coelho veio para ficar.

Adaptado de Culture Trip

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.