” Desejar ser feliz todos os dias é uma doença ” , disse Zygmunt Bauman. Tristeza e alegria são dois lados da mesma moeda, e ambos são necessários para levar uma vida plena. Não pode haver um sem o outro. Mas nós não entendemos isso. Ou não queremos entender isso.

Classificamos a tristeza como uma emoção “negativa”. E sendo negativa, queremos nos livrar dela o mais rápido possível. Nós resistimos a ficar tristes. Preocupamo-nos porque estamos tristes. Ficamos ainda mais tristes por estarmos tristes. E assim caímos em um ciclo que acaba piorando nosso humor.

A ditadura da felicidade nos deixa infelizes

Em 2018, um grupo de psicólogos da Universidade de New South Wales realizou uma série de experimentos para determinar como a expectativa social de felicidade nos afeta, especialmente quando enfrentamos fracassos.

Em um dos experimentos, os participantes enfrentaram testes projetados para fracassar. Foi dito a um grupo que eles dificilmente seriam capazes de resolver os problemas. Outro grupo estava em uma “sala feliz”, com pôsteres motivacionais e anotações alegres coladas nas paredes. E um terceiro grupo estava em uma sala neutra e eles não foram informados sobre seu possível desempenho.

Os psicólogos descobriram que as pessoas na “sala feliz” estavam muito mais preocupadas com o seu fracasso. ” Quando as pessoas estão em um contexto em que a felicidade é altamente valorizada, cria uma sensação de pressão de que elas devem se sentir assim “, explicaram os pesquisadores. Como resultado, quando experimentam o fracasso, começam a refletir e a rejeitar sentimentos negativos. Isso faz com que se sintam ainda piores.

Eles também descobriram que, quando pensamos que a sociedade espera que não nos sintamos tristes e que sempre sejamos felizes, experimentamos com mais frequência estados emocionais negativos, marcados por estresse, ansiedade e tristeza.

Não é por acaso que uma pessoa que vive em um país ocidental e compartilha sua cultura tem 4 a 10 vezes mais chances de desenvolver depressão clínica ou ansiedade ao longo da vida do que uma pessoa da cultura oriental. Na China e no Japão, as emoções que classificamos como negativas e positivas são vistas como partes essenciais da vida. Não há pressão constante para se sentir alegre e feliz o tempo todo.

De fato, a filosofia budista que permeia a cultura oriental exige reconhecer todas as emoções e abraçar a tristeza e a dor como parte da condição humana. Em vez de fugir da tristeza, ela enfatiza a necessidade de entender sua natureza e aprender a viver com esse sentimento.

Não é o que você sente, e sim, o significado que você dá

Em 2016, psicólogos da Universidade Estadual do Colorado, da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz e do Instituto Max-Planck de Desenvolvimento Humano desenvolveram outro experimento muito interessante que desmascarou algumas das crenças que muitas vezes consideramos um nível emocional.

Eles recrutaram 365 pessoas e fizeram seis testes diários sobre sua saúde emocional durante um período de três semanas. Eles observaram seus estados emocionais, sua saúde física e o grau de bem-estar e satisfação com a vida.

Eles descobriram que não há ligação direta entre estados emocionais considerados negativos e pior saúde física, menos bem-estar ou insatisfação com a vida. No entanto, as pessoas que classificaram esses sentimentos como adversos relataram sentir-se piores, tanto física quanto emocionalmente.

Isso nos indica que não são as experiências aversivas em si mesmas que podem nos prejudicar, mas o significado que lhes confiamos. A tristeza não é intrinsecamente negativa, depende de como vivemos e assumimos isso.

Os benefícios da tristeza ocasional

Para abraçar a tristeza, devemos reivindicar seu papel em nosso universo emocional. De fato, a tristeza estimula a reflexão pessoal após uma perda. É um rito de passagem que nos ajuda a atualizar nossos esquemas mentais para aceitar a perda e seguir em frente.

Também nos ajuda a ser mais empáticos. Um estudo da Queen’s University revelou que as pessoas mais tristes eram mais capazes de detectar as emoções de outras pessoas, pois costumam ser mais sensíveis a pequenos sinais extra-verbais. Por sua vez, a tristeza nos permite fortalecer os laços com os outros e receber a ajuda de que precisamos naquele momento, uma vez que gera simpatia nos outros.

Curiosamente, a tristeza também nos ajuda a encontrar melhores argumentos e ser mais persuasivo. De fato, a tristeza ocasional encoraja o pensamento crítico, ajudando-nos a ver as coisas de uma perspectiva que pode ser muito mais objetiva, uma vez que nos afasta do viés otimista que geralmente temos.

A tristeza também nos ajuda a detectar mentiras e a ser menos crédulos, por isso não somos tão facilmente enganados e somos mais precisos na detecção de dados falsos, como descobriram os psicólogos da Universidade de Illinois.

Aceitar a tristeza para se sentir melhor

Durante muito tempo, a sociedade nos enviou uma mensagem clara: existem emoções negativas das quais devemos nos livrar o mais rápido possível. Portanto, quando as experimentamos, preocupamo-nos e colocamos em prática todo tipo de estratégias desadaptativas para fazê-las desaparecer, da esquiva à supressão e negação.

Aceitar a tristeza, por outro lado, nos libertará dessa pressão. Quando nos esforçamos para evitar a tristeza a todo custo e a vemos como um problema, podemos não ser felizes, mas, ao contrário, nos condenamos a um ciclo de insatisfação.

Devemos entender que cada emoção tem sua razão de ser; portanto, em vez de rejeitar a tristeza, precisamos entender sua causa e a mensagem que ela deseja transmitir para nós. Podemos até dar um passo adiante e abraçar a tristeza, o que implica não nos resignarmos à sua presença, como se fosse um mal necessário do qual somos prisioneiros, mas acolhê-lo de braços abertos, como fazemos com alegria ou felicidade.

Esse abraço pode durar o tempo que decidirmos. Abraçar a tristeza nos dará a oportunidade de fazer as pazes com dor, sofrimento, perda e fracasso. Esse abraço conforta a alma porque nos permite reconhecer nossa humanidade. E, a longo prazo, ele retorna nosso equilíbrio.

Jennifer Delgado / Rincón de la Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.