“O ímpeto que faz você voar é nossa grande possessão humana. Todo mundo tem isso. É o sentimento de estar ligado às raízes do poder, mas logo se torna medo desse sentimento … É por isso que a maioria das pessoas se livra de suas asas e prefere andar e obedecer à lei. ”( Hermann Hesse, Demian )

O psicólogo do século 20, Abraham Maslow, estava convencido de que dentro de nós existe um impulso para alcançar a grandeza e um desejo de avançar em direção ao que ele chamou de nossas “maiores possibilidades”. Poucos entre nós, no entanto, conseguem algo de grande valor. Embora haja várias razões para isso, uma delas, de acordo com Maslow, é simplesmente que tememos a nossa grandeza mais do que desejamos.

“Nós geralmente temos medo de nos tornarmos aquilo que podemos vislumbrar em nossos momentos mais perfeitos… Nós gostamos e até mesmo nos emocionamos com as possibilidades divinas que vemos em nós mesmos… E ainda assim trememos simultaneamente com fraqueza, temor e medo diante dessas mesmas possibilidades. ”(Abraham Maslow, os alcances mais distantes da natureza humana)

Maslow chamou esse medo de grandeza de Complexo de Jonas, em referência ao personagem bíblico Jonas, que tentou fugir do destino dado a ele por Deus.

Em seu livro Art and Artist , Otto Rank argumentou que os seres humanos são movidos por dois medos fundamentais: o medo da morte e o medo da vida. O medo da morte, segundo Rank, não é apenas um medo de nossa extinção física. Também tememos um tipo de morte psicológica que ocorre quando nos conformamos tão plenamente às normas sociais que perdemos nossa individualidade. Esse medo, segundo Rank, nos motiva a nos diferenciarmos pela atualização dos potenciais que nos tornam únicos. Isso nos leva a “existir” no sentido latino da palavra, isto é, “sair, aparecer, emergir”.

Destacar-se muito, no entanto, pode estimular sentimentos de solidão e isolamento. Quanto mais individuamos, mais perdemos a proteção reconfortante da multidão e esse medo de ficar sozinho, que Rank caracterizou como o medo da vida. Esse medo que Rank defendia nos leva a restabelecer uma conexão maior com a sociedade por meio da conformidade e a rejeitar muito do que nos torna únicos. A vida de cada pessoa alterna-se entre o impulso de individuação impulsionado pelo medo da morte e o impulso para a conformidade impulsionado pelo medo da vida. “Entre essas duas possibilidades de medo”, ele escreveu, “… o indivíduo é jogado para trás e para frente toda a sua vida.” (Otto Rank, Will Therapy)

Para a maioria de nós, o medo da vida predomina sobre o medo da morte. Temos mais medo de nos sobressair, de ousar ser diferentes, do que de renunciar à nossa individualidade. Essa análise de Rank sugere que, em sua raiz, nosso medo da grandeza é um medo da vida – o medo de ficar em pé sozinho e de nos separar das massas. Pois, como Nietzsche tantas vezes gostava de comentar:

“O conceito de grandeza implica… ser capaz de ser diferente.” (Nietzsche, Além do bem e do mal)

Mas o medo da vida não é a única coisa que nos inibe de realizar nosso potencial. Colin Wilson, um dos autores mais prolíficos do século 20, sugeriu que uma “neurose insignificância” permeia a sociedade moderna, atuando como uma barreira adicional para o cultivo de sua grandeza.

Wilson observou que muito do pensamento do século 20 foi dominado pelo que ele chamou de “a hipótese não-heroica”, que ele definiu como “a sensação de derrota, desastre ou futilidade, que parece estar subjacente a tantas escritas modernas” (Colin Wilson, The Idade da derrota). Ao responder a antiga questão, “o homem é mais parecido com um Deus ou um verme?”, Ele pensou que a era moderna instilou no indivíduo uma crença de que estamos muito mais próximos do verme, ajudando a explicar a tendência do indivíduo médio a aceitar uma vida muito abaixo do seu potencial.

Abraham Maslow, amigo de Colin Wilson, chegou a conclusões muito semelhantes. Maslow tinha o hábito de perguntar a seus alunos quem entre eles escreveria um grande romance, ou se tornaria um grande líder ou compositor, e descobriu que:

“Geralmente, todo mundo começa a rir, corar e se contorcer até eu perguntar. “Se não você, então quem mais?” O que, claro, é a verdade… Se você planeja deliberadamente ser menos do que é capaz de ser, então eu lhe aviso que você ficará profundamente infeliz pelo resto de sua vida. Você estará evitando suas próprias capacidades, suas próprias possibilidades. ”( Abraham Maslow, The Farther Reaches of Human Nature  )

Maslow achava que a ansiedade exibida por seus alunos era o resultado de uma incapacidade de compreender as “possibilidades divinas” por muito tempo sem sucumbir ao temor legítimo de que tal arrogância pudesse levar a ilusões de grandeza doentias. Como resultado desse medo, as pessoas tendem ao extremo oposto e se consideram mais análogas a um verme, incapazes de conseguir qualquer coisa significativa. Maslow, no entanto, acreditava que os dois extremos – ver a si mesmo como um deus ou um verme – eram igualmente prejudiciais. Ele, portanto, aconselhou que encontrássemos a “medalha de ouro” ou “meio termo”. Para superar nosso medo da grandeza, precisamos aprender a nos mover com ousadia em direção aos nossos objetivos, mantendo simultaneamente a humildade na consciência de que todos somos afinal “humanos, humanos demais”. Ou como Maslow explicou:

“Para algumas pessoas, essa evasão do próprio crescimento, estabelecer baixos níveis de aspiração, o medo de fazer o que é capaz de fazer, auto-incapacitar voluntariamente … são na verdade defesas contra a grandiosidade, a arrogância, o orgulho pecaminoso, a autoconfiança. Há pessoas que não conseguem administrar essa integração graciosa entre a humildade e o orgulho que é absolutamente necessário para o trabalho criativo. Para inventar ou criar, você deve ter a “arrogância da criatividade” que tantos pesquisadores notaram. Mas, claro, se você tem apenas a arrogância sem a humildade, então você é de fato [delirante]. Você deve estar ciente não apenas das possibilidades divinas internas, mas também das limitações humanas existenciais … Se você pode se divertir com o verme tentando ser Deus”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.