Normalmente, nas culturas asiáticas, o nascimento de uma menina é considerado uma responsabilidade infeliz por causa do sistema de dote que coloca um ônus financeiro para os pais. Por esse motivo, as filhas nunca foram tão celebradas quanto os filhos.

Mas em uma vila na Índia, os moradores honram o nascimento de uma filha com um ritual único de plantar cento e onze árvores frutíferas.

Acredita-se que o número 111 na cultura indiana traga sucesso – e esse é exatamente o sentimento sobre o qual a prática foi fundada.

Através dessa tradição, toda vez que uma menina nasce, o povo de Piplantri, no Rajastão, combate o preconceito histórico contra as filhas e embeleza sua terra natal ao mesmo tempo.

O ex-líder da vila, Shyam Sundar Palawal, começou a prática em 2006 para homenagear a morte de sua filha Kiran.

Querendo garantir a proteção e o cuidado futuros das crianças do sexo feminino na aldeia, ele lançou um programa que não apenas melhoraria o ambiente local, mas também arrecadaria dinheiro para a família da menina. O costume nobre persiste há mais de uma década.

Para garantir que as jovens sejam sempre fornecidas, as aldeãs se reúnem para arrecadar 30.000 rúpias (US $ 480) para serem reservadas como seu fundo pelos próximos vinte anos. Os pais da criança retribuem o gesto assinando um juramento de que sua filha não será casada até que complete 18 anos e receba educação.

Essas ações incríveis servem como mais do que apenas esperança para o futuro da igualdade de gênero na Índia. O plantio de árvores frutíferas garantiu a disponibilidade de recursos para a população em expansão da vila. Com 60 a 65 meninas nascidas todos os anos, Piplantri plantou 350.000 árvores.

Por compaixão de um homem, mais de um quarto de milhão de árvores estão dando frutos, e centenas de meninas passaram a se tornar independentes e auto-suficientes.

Assista ao vídeo do projeto:

Via Good news network

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.