Por Gema Sánchez Cuevas – do site La Mente es Maravillosa

Amar a si mesmo tem o poder de curar feridas e recompor partes quebradas. É o antídoto contra a apatia e a autodepreciação. Agora, o que podemos fazer para cultivá-lo?

Quanto você ama a si mesmo? Pense nisso. Você pode não ter feito essa pergunta ou mesmo pensado sobre isso. Nada acontece. É mais normal do que você imagina. Nós temos um mau hábito de esquecer de nós. É como se não existíssemos, como se fôssemos invisíveis aos nossos olhos, como se cuidar de nós mesmos estivesse fora de nossa lista de prioridades. Além disso, atrevo-me a dizer que o amor-próprio não ocupa um lugar nelas.

Como você se trata? Você já parou para refletir sobre isso? A maneira como falamos de nós mesmos, a concepção que temos sobre quem somos e, em última análise, como nos valorizamos influenciam a maneira como nos sentimos. O problema é que mal pensamos sobre isso.

Nós tendemos a viver na ponta dos pés, por cima, sem nos aprofundarmos em como isso nos afeta, o que acontece ao nosso redor. É como se não dessemos importância ao nosso bem-estar pessoal. A questão é que, com o passar do tempo, o peso do dia a dia aumenta e, se negligenciamos, podemos nos envolver em uma névoa cinzenta que, pouco a pouco, nos atormenta.

Viver desconectado de nosso interior tem suas conseqüências, embora não tenhamos consciência disso. Podemos observá-lo no protagonista do curta que aparece no final do artigo. Agora, o que podemos fazer para nos libertar da teia do automatismo? Como podemos impedir que os rótulos negativos e as mensagens que recebemos cresçam em nosso interior? Vamos nos aprofundar.

O peso das mensagens recebidas

De pequeno, crescemos recebendo todo tipo de mensagens sobre quem somos, o que devemos sentir e como agir. Pais, parentes, professores, amigos, companheiros de vida … todo mundo tem algo a nos dizer, na maioria das vezes com boas intenções – mesmo que nem sempre seja favorável ou apropriado para nós.

De “isso é impossível, mantenha os pés no chão” ou “você está perdendo tempo, concentre-se no que é importante” para “você não vai conseguir” ou simplesmente “você é muito sonhador”. O ponto é que todas as mensagens que recebemos nos afetam de uma forma ou de outra, especialmente durante a nossa infância. De fato, algumas delas moldam nossa identidade , e outras funcionam como mandatos para nos governar, e quando não o fazemos, nos sentimos culpados.

Em alguns casos, essa culpa aprendida origina a ferida emocional da rejeição. Uma pegada muito profunda e dolorosa que se traduz em um profundo sentimento de autodepreciação, que tem como conseqüência a subvalorização de si mesmo e um vazio no amor-próprio. Assim, crescer com essa ferida molda uma realidade muito dolorosa.

“Demorei muito tempo para aprender a não me julgar pelos olhos de outro.”

-Sally Field-

Os julgamentos do crítico interno

Sentir-se rejeitado pelos outros e, por fim, por si mesmo gera uma armadilha mental originada pelo crítico interno . Aquela voz que vem de dentro de nós e que se dedica a julgar como pensamos, sentimos e agimos. Para isso, utiliza qualquer estratégia: comparações, críticas destrutivas ou desqualificações diversas.

” Eu não deveria ter dito isso “, “Eu deveria ter agido diferente “, ” Eu não entendo nada direito ” ou ” Eu sou um desastre ” são apenas alguns exemplos de diálogos realizados por nosso crítico interno. O problema é que não questionamos isso, muito pelo contrário. Temos esse tipo de mensagem tão integrada que lhes damos o valor da verdade absoluta e, de fato, tudo o que fazemos confirma isso. Porque se não nos consideramos válidos para um trabalho, para liderar uma equipe ou para escrever, provavelmente nem tentaremos ou boicotaremos para banir a esperança mínima que temos em nossas mentes.

A influência das redes sociais

Um dos problemas que aumentam grandemente as comparações e a autocrítica negativa atualmente são as redes sociais, pois criam realidades alternativas que podem nos prender se não estivermos atentos. Estar horas e horas submersas nesse cenário de aparências e sentimentos simulados pode nos fazer acreditar que essa é a única coisa que existe; A verdade é que é apenas uma vitrine, na qual cada pessoa pode controlar a imagem que deseja dar aos outros.

Segundo a psicoterapeuta Sherrie Campbell, as redes sociais podem criar uma falsa ilusão de pertencimento e conexão com os outros, o que nos encoraja a dar mais peso a esse mundo on-line imaginário.

A questão é que, se desprezamos e rejeitamos, isto é, se tivermos uma imagem negativa de nós mesmos, as redes sociais aumentarão essa percepção. Na verdade, são os testes – falsos – que confirmam o quão entediantes são nossas vidas, quão pouco divertidos somos e quão solitários somos.

Não é fácil acompanhar o ritmo de vida que outras pessoas mostram nas redes sociais. Um estudo da Universidade de Pittsburgh, na Pensilvânia (EUA), afirma que muitas vezes as redes sociais geram inveja e a crença distorcida de que os outros têm uma vida muito mais original, feliz e interessante.

Como vemos, somos especialistas em nos maltratar, mas acima de tudo em comparar nossas vidas com as dos outros, sem perceber que é um absurdo. Por que perder tempo comparando se as condições, características, perspectivas e experiências das pessoas são diferentes umas das outras?

A protagonista do curta-metragem Vencedor é um exemplo de como as redes sociais podem ser uma faca de dois gumes; Acima de tudo, se há feridas do passado que não foram curadas, uma vez que a pessoa que suporta o peso de uma ferida geralmente filtra a realidade através dela. Sua mente frequentemente opera a partir de distorções cognitivas (formas errôneas de processamento de informações ou interpretações errôneas), como abstração seletiva, personalização, rotulação ou raciocínio emocional, e as redes sociais estimulam esse tipo de mecanismo.

“No passado, você era o que você tinha, agora você é o que você compartilha.”

-Godfried Bogaard-

Amor-próprio: a reunião consigo mesmo

O que fazer para impedir o crítico interno? Como reconstruir nossas partes quebradas? É possível parar o labirinto mental que nos prende na autodepreciação? Parece que o protagonista do nosso curta, finalmente, descobre o ingrediente secreto: o amor-próprio.

“Você é tão incrível quanto se permite ser.”

-Elizabeth Alraune-

No entanto, não é fácil reconciliar-se consigo mesmo, muito menos quando na maior parte do tempo a coisa é negativo. São muitos anos treinando na crítica, na demanda, na desqualificação, de modo que, de repente, quase por magia, começamos a amar uns aos outros. São necessárias muitas doses de paciência, esforço, aceitação e, claro, compromisso consigo mesmo.

Abraçar nossas partes quebradas envolve, a princípio, sofrimento, mas também muita coragem e capacidade de perdoar e nos perdoar. Ser capaz de nos dar amor quando é o que mais precisamos – e não sabíamos disso – requer muita força e muito esforço. Por essa razão, há vários aspectos que devemos levar em consideração:

• Considerar-nos valioso. Somos muito mais que nossos erros e fracassos, muito mais que nossos resultados. Somos edição limitada e ninguém pode roubá-la de nós. Talvez tenhamos crescido sem perceber e que mesmo nesses momentos é difícil para nós acreditarmos, mas nunca é tarde demais para olhar no espelho e começar a ver todo o potencial que temos.

• Praticar a autocompaixão. Entender e aceitar nossos erros e limitações com respeito é essencial para seguir em frente. Sabendo que nos confundir é uma oportunidade para aprender e que julgar a nós mesmos é um hábito que não nos ajuda a mudar nossa perspectiva. De fato, de acordo com um artigo da revista Personality and Social Psychology, a autocompaixão facilita a realização pessoal.

• Perdoar. O perdão é um ato libertador dos laços do passado. Perdoar é uma oportunidade para curar nosso ressentimento, o que em algum momento causou tanto dano. Agora, não só devemos perdoar os outros, mas também a nós mesmos pelo tratamento que nos dedicamos.

• Viver com intenção. Estar ciente do momento presente é uma forma de deixar ir o passado e evitar que o futuro nos sobrecarregue com suas preocupações. Viver no dia-a-dia, saborear o que acontece a cada momento, comprometido em cuidar de nós mesmos e nos servir é um mecanismo de proteção.

• Desconectar para conectar. Apesar de estar na era da conexão digital, é aconselhável se desconectar deste mundo intangível para se conectar com o que é revelado diante de nossos olhos e, claro, com as pessoas ao nosso redor. Desta forma, impediremos que o teatro das aparências domine nossas vidas.

“O amor é uma cura milagrosa. Amar a nós mesmos faz milagres em nossas vidas “.

-Louise L. Hay-

Como podemos ver, o amor-próprio é construído pouco a pouco, tecido com delicadeza e regado todos os dias. É essa luz que todos carregamos por dentro, mas que, às vezes, é tão difícil para nós carregá-la com intensidade. Querer-nos é o apoio do nosso bem-estar, o abraço que nos protege e o bálsamo que cura nossas feridas.

Finalmente, deixamos você com este maravilhoso curta metragem.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.