Cada amostra de frutos do mar testada neste estudo de microplásticos estava poluída

Os plásticos não foram feitos para consumo humano, mas estamos consumindo. Minúsculos remanescentes desses polímeros sintéticos agora se infiltraram em nosso ar, comida e água, e evitá-los se tornou uma batalha quase impossível.

Um estudo de cinco frutos do mar populares, comprados em um mercado na Austrália, revela o quão onipresentes esses micropoluentes se tornaram.

Depois de comprar cinco caranguejos azuis selvagens, dez camarões tigre cultivados, dez lulas selvagens, dez ostras cultivadas e dez sardinhas selvagens, os pesquisadores encontraram vestígios de plástico em cada amostra.

“Considerando uma porção média, um comedor de frutos do mar poderia ser exposto a aproximadamente 0,7 miligramas de plástico ao ingerir uma porção média de ostras ou lulas, e até 30 mg de plástico ao comer sardinhas, respectivamente”, explica Francisca Ribeiro, que estuda a exposição à dieta para plásticos na University of Queensland, Austrália.

“Para efeito de comparação, 30 miligramas é o peso médio de um grão de arroz.”

Ainda não sabemos o que isso está fazendo com nossos corpos, se é que algo está acontecendo, mas há razão para descobrir.

O oceano é o maior sumidouro de plásticos do mundo, e entender até que ponto a cadeia alimentar marinha está contaminada com esses poluentes é parte do desafio.

Depois de ingerir plásticos de nossa própria fabricação, muitas espécies marinhas foram encontradas lutando contra danos físicos e estresse oxidativo. Alguns até morreram, como as baleias encalhadas que encontramos cheias de lixo.

Os riscos para os mamíferos terrestres não são conhecidos e, embora provavelmente não estejamos engolindo tanto plástico quanto essas baleias, precisamos saber quanto realmente estamos consumindo para saber se estamos em perigo.

“Nossos achados mostram que a quantidade de plástico presente varia muito entre as espécies e difere entre indivíduos da mesma espécie”, diz Ribeiro .

Usando uma nova técnica de espectrometria de massa que examina simultaneamente cinco tipos diferentes de plástico popular, os pesquisadores descobriram que as amostras de lula do mercado australiano continham menos vestígios, enquanto as sardinhas continham a maioria.

O polietileno, que é um plástico usado em filmes e laminados, foi encontrado em maior concentração, enquanto o cloreto de polivinila, também conhecido como PVC, foi o mais onipresente, encontrado em todas as amostras.

Isso não está de acordo com o que outros estudos recentes descobriram. Embora não sejam apenas frutos do mar que contêm microplásticos (açúcares, sais, álcool e água também os contêm), a pesquisa mostrou que essa categoria de alimentos é responsável pela maior parte de nossa ingestão de plástico.

Em lugares onde os frutos do mar são consumidos pesadamente, estudos sugerem que algumas pessoas engolem pelo menos 11.000 partículas microplásticas por ano.

O problema é que muitos desses estudos empregam metodologias diferentes e relatam os resultados de maneiras diferentes. Além disso, muitos não identificam tipos individuais de plástico e dependem apenas de observações visuais.

Ter uma maneira universal de testar cuidadosamente as amostras de tecido para vários tipos de plásticos permitirá que os cientistas comparem os resultados de todo o mundo com muito mais facilidade. Esta nova técnica parece um caminho promissor, permitindo aos cientistas aprimorar em quantidades ainda menores de plástico com maior precisão do que antes.

“Não entendemos completamente os riscos para a saúde humana da ingestão de plástico”, disse a cientista marinha Tamara Galloway da Universidade de Exeter, “mas este novo método tornará mais fácil para nós descobrirmos.”

Se ao menos fosse mais difícil encontrar frutos do mar para testá-lo.

O estudo foi publicado na Environmental Science & Technology

Fonte: Daily Mail

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.