Do site Rincón de la Psicología

O analfabetismo emocional é o mal da nossa era. Os números provam isso.

No mundo existem mais de 450 milhões de pessoas afetadas por diferentes transtornos mentais.

Cerca de um milhão de pessoas cometem suicídio todos os anos.

Cada 100 pessoas, 20 sofrem de depressão.

Distúrbios como anorexia e vícios aparecem em idades cada vez mais jovens.

A incapacidade de entender nossas emoções e expressá-las de maneira assertiva poderia estar na base desse crescente mal-estar psicológico. Devemos estar cientes de que o desenvolvimento tecnológico e o acesso à educação e à informação não nos tornam mais felizes, livres ou psicologicamente equilibrados, porque temos uma questão pendente que não é ensinada nas escolas: a aprendizagem emocional.

O que é analfabetismo emocional?

O analfabetismo emocional é a incapacidade de compreender, catalogar e gerenciar nossas emoções e, portanto, de entender e aceitar as emoções dos outros. É uma desconexão com emoções e sentimentos, o que não apenas nos impede de especificar o que estamos sentindo, mas também limita nosso escopo de ação, transformando-nos em pessoas reativas e impulsivas que permanecem aprisionadas em suas emoções.

Esse termo está intrinsecamente ligado à alfabetização emocional, um conceito proposto pelo psicoterapeuta Claude Steiner na década de 1970, que se refere à capacidade de entender emoções, ouvir os outros e ter empatia com seus estados emocionais, além de expressar emoções de uma maneira produtiva.

Uma pessoa com educação emocional será capaz de gerenciar suas emoções para se fortalecer e se motivar, melhorar sua qualidade de vida e seus relacionamentos interpessoais. Uma pessoa vítima de analfabetismo emocional, ao contrário, será vítima de suas emoções, o que provavelmente causará mais de um problema ao longo da vida, seja em nível pessoal ou interpessoal.

Enquanto a pessoa emocionalmente educada usa emoções e sentimentos em seu favor, o analfabeto emocional é vítima de suas redes e, portanto, só pode ver o aspecto mais escuro ou mais negativo das emoções.

Os sinais de analfabetismo emocional

– Não ter granularidade emocional; isto é, não ser capaz de identificar com precisão as emoções ou sentimentos que experimenta.

– Não saber medir o alcance das palavras, para que possam não ferir os outros por falta de tato.

– Reagir impulsivamente, especialmente quando você é vítima de emoções como raiva, ódio, ressentimento ou medo.

– Não leve em consideração as emoções das pessoas com as quais você se relaciona.

– Não refletir sobre seus estados emocionais para encontrar sua causa.

– Tomar decisões deixando-se levar apenas pelas emoções, sem analisar as consequências de suas ações.

– extrema suscetibilidade aos acontecimentos da vida, de modo que muitas coisas afetam mais do que deveriam, desproporcionalmente.

– Facilmente entra em colapso diante de obstáculos e imediatamente pensa que não vale nada.

– Sente que é uma vítima de suas emoções, que elas assumem o controle de sua vida e levam a tomar decisões das quais se arrepende mais tarde.

– Não pode virar a página e seguir em frente, está amarrado a eventos passados através de emoções como culpa e angústia.

A origem do analfabetismo emocional

Quando somos pequenos, somos todos analfabetos emocionais. Nosso repertório emocional é muito limitado. Os bebês experimentam felicidade, angústia e desgosto desde que nascem e são capazes de expressar essas emoções através de suas expressões faciais e postura corporal. À medida que crescem, seu mundo emocional se expande.

Entre 2 e 6 meses eles já podem sentir raiva, tristeza, surpresa e medo. Cerca de 4 meses eles são capazes de distinguir diferentes expressões emocionais nas pessoas ao seu redor e em 6 meses eles imitam as emoções que vêem nos outros.

No entanto, os pais ou cuidadores desempenham um papel essencial neste processo de alfabetização emocional. As crianças precisam de validação emocional, um processo pelo qual elas buscam aceitação da experiência emocional em outras pessoas importantes. Se esse processo de validação ocorrer adequadamente, a criança aprende a identificar e gerenciar suas emoções.

Se, pelo contrário, há um processo de invalidação emocional, em que as experiências emocionais dessa criança são rejeitadas, ignoradas ou julgadas continuamente, ela assumirá que as emoções são suas inimigas e que deve reprimi-las ou escondê-las. Como resultado, não terá a oportunidade de se familiarizar com elas e aprender a gerenciá-las de maneira assertiva.

Por essa razão, o analfabetismo emocional geralmente vem de lares em que as emoções são reprimidas e estas são classificadas como negativas e indesejáveis. São adultos que, quando crianças, não tiveram a oportunidade de aprender a administrar seus estados emocionais e não receberam as ferramentas de autocontrole emocional necessárias para lidar com seus sentimentos de forma assertiva.

As 6 chaves para a alfabetização emocional

Assim como há um período ideal para aprender a ler e escrever, há também um estágio adequado para aprender a administrar as emoções de modo assertivo. Trata-se dos estágios iniciais da vida: a infância e a adolescência, embora isso não signifique que não possamos iniciar o aprendizado emocional nos estágios posteriores da vida. De fato, ao desenvolver essas seis esferas de sua vida interior, você pode enriquecer sua esfera emocional:

1. Autoconsciência emocional. Trata-se de conhecer seus sentimentos, nomear suas emoções sabendo que tristeza não é o mesmo que apatia ou depressão e que ansiedade não é o mesmo que sobrecarregar ou se preocupar. Essa habilidade não envolve apenas reconhecer as emoções, mas ser capaz de explicar sua origem, encontrar sua causa para compreendê-las e reconhecer seus gatilhos.

2. Autocontrole emocional. Trata-se de aprender a administrar as emoções de maneira assertiva, de modo que elas não nos prejudiquem nem aos outros. Para fazer isso, precisamos obter ferramentas psicológicas que nos permitam controlar a raiva, a irritabilidade, a liberdade do estresse … Não se trata de reprimir, negar ou esconder essas emoções, mas de canalizá-las para que elas cumpram seu papel da melhor maneira possível.

3. Empatia. A empatia é a capacidade de entender a condição de outra pessoa a partir de sua perspectiva, implica colocar-se em sua pele e sentir o que essa pessoa está experimentando. É uma participação afetiva na realidade de alguém, tornando nosso o seu mundo emocional. Não se trata apenas de entender suas razões, mas de captar suas emoções e aceitá-las, dando-lhes a validação emocional de que necessitam.

4. Resiliência emocional. Resiliência é a capacidade de emergir fortalecida da adversidade, enfrentar os maus momentos sem quebrar e tirar proveito deles. A alfabetização emocional envolve a capacidade de curar feridas emocionais, virar a página e seguir em frente, para que o passado não se torne um fardo que nos ligue a estados como depressão ou ansiedade.

5. Interatividade emocional. É a capacidade de gerenciar as emoções de forma positiva, para que a melhor versão das pessoas possa ser trazida à luz. Uma pessoa com habilidades emocionais saberá como mediar conflitos interpessoais e fornecer apoio emocional quando necessário.

6. Auto-motivação. Refere-se à capacidade de definir metas que nos motivam ao longo do caminho e geram emoções positivas que facilitam a realização desses objetivos, de modo a não jogar a toalha ou nos desmoralizar com os obstáculos.

“A alfabetização emocional exige que as pessoas entendam seus próprios estados emocionais e os dos outros; aprendendo a gerir as suas emoções e empatia […] A alfabetização emocional é tanto um processo de desenvolvimento individual como uma atividade coletiva, é tanto a si mesmo e a construção de um grupo, de modo que os sentimentos próprios de bem-estar emocional cresçam com os dos outros, e não às suas custas. A alfabetização emocional envolve o estabelecimento de conexões entre pessoas e o trabalho com suas diferenças e semelhanças, para administrar a ambiguidade e a contradição. É um processo dinâmico através do qual a pessoa se desenvolve emocionalmente e envolve cultura e empoderamento “, escreveu o psicólogo Brian Matthews.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.