Por que o número de amizades que podemos manter ativamente se limita a 150? O psicólogo e antropólogo evolucionista Robin Dunbar , da Universidade de Oxford, é pioneiro no estudo da amizade. Ao longo de várias décadas, ele e seus colegas investigaram a natureza da amizade e das relações sociais em primatas não humanos e humanos.

Seus trabalhos de pesquisa e monografias sobre redes sociais, boatos, fofocas e amizades acumularam dezenas de milhares de citações acadêmicas, mas ele pode ser mais conhecido na cultura popular pelo “número de Dunbar”, o limite para o número de pessoas com quem um indivíduo pode manter relações sociais estáveis. Para os humanos, esse número é de aproximadamente 150, embora haja, é claro, variações entre os indivíduos e também durante a vida.

A expressão “relações sociais estáveis” é o que chamamos de amigos e familiares com os quais interagimos regularmente. A maioria de nós pode conhecer muito mais pessoas, mas elas provavelmente se enquadram em uma categoria de “conhecidos” em vez de “amigos”. Conhecidos, por exemplo, são colegas que ocasionalmente nos encontramos no trabalho, mas nós não os convidamos regularmente para compartilhar refeições ou trocar anedotas como faríamos com nossos amigos.

Dunbar recentemente revisou mais de duas décadas de pesquisa em humanos e primatas não humanos no artigo “A Anatomia da Amizade” e descreve duas restrições fundamentais: o Tempo e nosso cérebro. Para manter as amizades, temos que investir tempo. Como a maioria de nós sabe intuitivamente, a amizade está sujeita a hierarquias.

Dunbar e outros pesquisadores foram capazes de estudar essas hierarquias cientificamente e encontraram consistência notável na estrutura da hierarquia de amizade entre redes e culturas. Essa hierarquia pode ser melhor visualizada como círculos concêntricos de amizade.

O círculo interno mais interno consiste em 1-2 amigos, geralmente o parceiro romântico e / ou o membro da família mais próximo. O círculo seguinte contém aproximadamente 5 amigos muito próximos, depois círculos progressivamente mais amplos até atingirmos o máximo de 150. Quanto mais amplo o círculo se torna, menos tempo investimos em “preparação” ou na comunicação com nossos amigos.

O tempo social que investimos também reflete a proximidade emocional que sentimos. Parece que até 40% do nosso tempo social é investido no círculo interno dos nossos 5 amigos mais próximos, 20% no nosso círculo de 15 amigos e progressivamente menos. Nosso tempo social geral disponível para “investir” em amizades em qualquer dia é limitado pela nossa necessidade de dormir e trabalhar, o que limita o número de amigos em cada círculo, bem como o número total de amizades.

A segunda restrição que limita o número de amizades que podemos manter é a nossa capacidade cognitiva. De acordo com Dunbar, existem pelo menos dois processos cognitivos fundamentais na formação de amizades. Primeiro, é preciso haver alguma base de confiança numa amizade porque ela representa contratos sociais implícitos, como a promessa de apoio futuro, se necessário, e uma promessa subjacente de reciprocidade – “Se você está aqui para mim agora, estarei lá por você quando você precisar de mim.”

Para uma amizade estável entre dois indivíduos, ambos precisam estar cientes de como certas ações podem minar este contrato implícito. Por exemplo, amigos que emprestam continuamente meus livros e parecem pensar que têm permissão para mantê-los indefinidamente, descobrirão que gradualmente são empurrados para os círculos externos de amizade e, eventualmente, cruzam o território de conhecidos.

Isto não é apenas porque eu sinto que ele esteja abusando de mim e o contrato social implícito está sendo violado, mas também porque ele não parece colocar no esforço mental para perceber o quanto eu valorizo meus livros e como seu “empréstimo” unilateral pode me afetar. Isso nos leva a “mentalizar”, o segundo componente cognitivo importante que é crítico para amizades estáveis, de acordo com Dunbar.

Mentalizar refere-se à capacidade de ler ou entender o estado de espírito de outra pessoa. Para se engajar em um diálogo ativo com os amigos, não apenas requer ser capaz de ler seu estado de espírito, mas também inferir o estado de espírito das pessoas sobre as quais eles estão falando. Esses níveis de mentalização (“eu acho que você acha que ela estava correta …”) parecem atingir um limite em torno de quatro ou cinco. Dunbar cita o exemplo de como, em uma reunião, até quatro pessoas podem ter uma conversa ativa em que cada pessoa está seguindo de perto o que todo mundo está dizendo, mas uma vez que uma quinta pessoa se junta (a quinta roda!), A conversa provavelmente se dividirá em duas conversas e que o mesmo é verdadeiro para muitos programas de TV ou peças em que as cenas raramente mostram mais do que quatro personagens participando ativamente de uma conversa.

A era digital mudou o número de amigos que podemos ter? A pesquisa anterior de Dunbar e seus colegas contava com meios tradicionais de comunicação entre amigos, como interações cara a cara e telefonemas, mas essas descobertas ainda se aplicam hoje quando as mídias sociais como Facebook e Twitter nos permitem ter várias centenas ou até mesmo milhares de “amigos” e “seguidores”? A descoberta surpreendente é que as redes sociais online são bastante semelhantes às redes tradicionais! Em um estudo sobre as redes de mídia social do Facebook e do Twitter, Dunbar e seus colegas descobriram que as redes de mídia social exibem uma hierarquia de amizade e números de amigos que eram extremamente semelhantes às redes “offline”.

Mesmo que seja possível ter mais de mil “amigos” no Facebook, verifica-se que a maioria das interações bidirecionais com indivíduos é novamente concentrada em círculos muito estreitos de aproximadamente 5, 15 e 50 indivíduos. As mídias sociais facilitam muito a transmissão de informações para um amplo grupo de indivíduos, mas esse compartilhamento de informações é muito diferente da “preparação” de amizades que parece ser baseada na reciprocidade em termos de construção de confiança e mentalização.

Há uma tendência a acreditar que a Internet revolucionou todas as formas de comunicação humana, uma crença que se enquadra na rubrica de “internet-centrismo”
A pesquisa de Dunbar é um lembrete importante de que os principais princípios biológicos e psicológicos, como a anatomia da amizade em humanos, evoluíram ao longo de centenas de milhares de anos e não serão fundamentalmente ofuscados por melhorias tecnológicas na comunicação. A amizade e seus limites tradicionais estão aqui para ficar.

 

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.