Traduzido e adaptado de La mente è meravigliosa

Transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, representam um desafio para a  sociedade. Embora sejam mais comuns entre as adolescentes, a verdade é que nem os meninos nem as mulheres que passaram a adolescência são imunes a ela.

O termo “boa menina” é frequentemente associado a uma imagem de rigidez, pureza, doçura, controle emocional e uma infinidade de necessidades que limitam o desenvolvimento natural e espontâneo de qualquer ser humano. Esse estereótipo, por trás do qual inúmeras pressões são ocultadas, é frequentemente uma condenação para os adolescentes aos quais exigimos que sejam “boas garotas”.

Uma maneira fácil de controlar seu peso, corpo e imagem é, portanto, através de sacrifícios alimentares. Renúncias voluntárias que na maioria dos casos são feitas sem primeiro se informar, que são superficialmente gerenciadas e que, portanto, levam a um alto nível de frustração. Essa maneira de se relacionar com a comida é, afinal de contas, sua maneira pessoal e trágica de administrar e desviar o sofrimento. O desejo de ser uma pessoa que você não é, o desprezo que sentem quando olham no espelho.

Anorexia e bulimia

Muitas vezes associamos a palavra anorexia à privação de alimentos e à bulimia com expurgos, vômitos ou comportamentos que se destinam a “vazios” após a alimentação. No entanto, estas não são regras rígidas e fixas, elas podem mudar de acordo com a pessoa que sofre deste distúrbio.

Na realidade, existem dois tipos diferentes de anorexia, a restritiva e a purgativa (com o termo “purga”, indicamos qualquer comportamento compensatório que vise eliminar os alimentos ingeridos). A anorexia restritiva está associada ao perfeccionismo, rigidez, hiper-responsabilidade e sentimentos de inferioridade. Esse purgante (em que além da restrição completa de alimentos, as pessoas que sofrem com isso tentam se purificar) está associado a problemas familiares de obesidade ou excesso de peso, impulsividade, reações distímicas, labilidade emocional e hábitos de dependência.

No caso da bulimia nervosa, no entanto, expurgos ou comportamentos compensatórios são comuns. Na bulimia nervosa prototípica, onde ocorrem os expurgos, há maior distorção da imagem corporal, maior número de hábitos alimentares anormais e maiores problemas psicológicos associados.

O caso de bulimia não purgativa (compulsão alimentar sem comportamento compensatório) pode assemelhar-se a um transtorno da compulsão alimentar compulsiva, mas não é porque também existe uma imagem supervalorizada do peso e da forma física. Este subtipo está associado a outros problemas, como pensamentos suicidas, vícios e transtornos de controle de impulsos.

O que elas têm em comum?

A base comum de todos esses transtornos é seu componente emocional: os pacientes se consideram incapazes de administrar suas emoções. Emoções que, em alguns casos, não conseguiam expressar-se satisfatoriamente por causa de um ambiente familiar que não era estimulante, restritivo, que reclamava demais deles em nível comportamental ou que não respondia adequadamente ao seu alto nível intelectual ou à sua precisa de carinho.

Uma vez que o distúrbio tenha sido claramente diagnosticado e outras doenças, como diabetes mellitus, neoplasia, caquexia hipofisária ou outras desordens psicológicas, como transtorno obsessivo-compulsivo ou psicose, tenham sido descartadas, podemos alegar estar diante de um problema. distúrbio alimentar.

Esses distúrbios costumam aparecer entre as idades de 10 e 30 anos e, em 95% dos casos, são mulheres que compartilham uma ideia excessivamente positiva de magreza. Elas compartilham a extrema preocupação com o peso e o corpo, distorções cognitivas, sintomas depressivos e ansiosos, bem como comportamento social problemático.

Por que surge nessa idade?

Se levarmos em conta que muitas das vítimas são adolescentes, uma das prováveis causas desses distúrbios é o fato das mulheres jovens terem dificuldade em gerenciar a transição de criança para mulher. Seu sistema de comunicação infantil ainda é limitado e se sentem sob pressão, encontram-se em um contexto em que se sentem emocionalmente inibidas e, nessa idade, tornam-se mais conscientes da imagem que, pelo menos na aparência, se impõe ao sexo feminino : magreza, beleza, pureza e submissão.

Se fosse um mero problema de imagem, as pessoas que sofrem de anorexia encontrariam seu equilíbrio alimentar depois de terem atingido uma forma de peso adequada. A necessidade de perfeição, o medo de recuperar o peso e a distorção perceptiva de seu corpo, no entanto, faz com que esse comportamento alimentar incorreto persista ao longo do tempo. Estes são modelos comportamentais que encontram uma recompensa apenas em sua própria repetição.

Mitos sobre anorexia e bulimia

A personalidade das mulheres que sofrem deste distúrbio é frequentemente associada a uma desorganização geral na vida, fraqueza, falta de inteligência, altos níveis de influência contra os comentários dos outros. Mas essas não são as características pessoais que encontramos nos pacientes quando avaliamos sua situação.

Não é sequer uma questão de pessoas delirantes que são incapazes de distinguir a realidade da imaginação. No caso da anorexia, os pacientes não são histéricos e, segundo alguns estudos, não é nem uma alteração de percepção, mas de comparação com modelos cada vez mais exigentes que resultam em comportamento restritivo.

Este é o modo deles de se relacionar com o mundo, de enterrar o que eles nunca foram capazes de expressar; não comer é a melhor maneira que eles encontraram para controlar o que acontece com eles. Por isso, quando não conseguem, punem sem pena.

Eles não são histéricos, eles se sentem solitários

Por outro lado, concentrar sua atenção nesse objetivo permite evitar enfrentar outros problemas, que sempre serão secundários e podem ser adiados até que resolvam o real problema para eles: seu peso.

A maioria deles está ciente de estar dentro de um processo destrutivo, mas uma vez que você entra nesse vórtice, você cria um sistema de punições e reforços tão poderosos que é muito difícil para eles sair dele. Eles programaram seus cérebros de tal maneira que sua inércia prejudicial é realmente poderosa.

Muitas das meninas e meninos que sofrem desses distúrbios são capazes de ter uma vida normal novamente. É um caminho difícil e caro, que requer paciência e em que muitas vezes há recaídas. No entanto, para ter sucesso em vencer a batalha, você precisa do apoio das pessoas que os amam. Seu apoio é a confiança é essencial para poder sair do túnel.

Isso acontece porque os transtornos alimentares afetam diretamente a autoestima da pessoa que sofre, faz com que ela se sinta inferior, porque sempre se compara a modelos que acredita serem superiores, mais perfeitos, mais desejáveis. Por essa razão, a pessoa sempre se sente inferior e aspira a se tornar outra coisa, constantemente.

É comum que pessoas que sofreram algum tipo de transtorno alimentar, como anorexia ou bulimia, também tenham dependência excessiva, medo de abandono, hipersensibilidade a críticas, alexitimia, etc. De certa forma, esses distúrbios podem ser superados, mas resultarão em um desafio constante ao longo da vida para evitar recaídas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.