Por: Puleng Segalo

O provérbio africano , “Até que o leão possa contar sua própria história, a história da caça sempre glorificará o caçador”, fala da importância de contar as próprias histórias. Durante muito tempo, as histórias e realidades africanas foram contadas pelos colonizadores de uma forma que pintava a África como atrasada e incivilizada. É por esta razão que muitos estudiosos da literatura contam a história do colonialismo e do apartheid através de autobiografias pessoais.

Uma dessas estudiosas é Sindiwe Magona. Magona publicou mais de uma dúzia de livros para adultos, de romances aclamados pela crítica – como Beauty’s Gift – a poemas, peças e biografias. Ela escreveu mais de 130 livros infantis. Mas são suas duas autobiografias que chamaram minha atenção como estudiosa de psicologia. Nestes, To My Children’s Children (1990) e Forced to Grow (1992), Magona narra sua história de memória, lembrança, classe, pertencimento, lar e identidade.

Em uma conversa com a antropóloga e ativista Elaine Salo em 2009, Magona disse:

Eu experimentei uma raiva incrível sobre os outros escrevendo sobre nós, eu me perguntei: ‘Como eles ousam escrever sobre você?’ Disse a mim mesma que isso não deveria me impedir de escrever sobre mim mesma… Há valor em quem, como eu, escrever sobre nossas experiências, que não estudou o apartheid, mas o viveu.

Então, fiz uma revisão crítica de To My Children’s Children, que cobre os primeiros 23 anos da vida de Magona. Meu objetivo era chamar a atenção para a importância da auto-história como forma de protesto, de autoconhecimento e de cura.

Quem é Sindiwe Magona?

Magona nasceu em 1943 na pequena cidade de Gungululu, nos arredores de uma área chamada Mthatha, no que era então conhecido como a terra natal de Transkei, no Cabo Oriental da África do Sul. Ela nasceu cinco anos antes da Grã- Bretanha colonial entregar o poder aos africânderes . O apartheid foi oficialmente introduzido em 1948 e com ele uma série de leis opressivas e racistas, como áreas de convivência separadas e o sistema educacional banto . Foi nesse contexto que Magona cresceu.

Em seu trabalho e em suas palestras públicas, ela fala da pobreza e de ganhar a vida como empregada doméstica enquanto estudava a distância. Ela se tornaria professora, mãe, esposa e líder comunitária, concluiria estudos de pós-graduação e passaria duas décadas no serviço público das Nações Unidas.

O trabalho de Magona reflete o fato de que ela cresceu durante o apartheid, quando os negros eram tratados como cidadãos de segunda classe. Quando criança, ela teve que navegar por um sistema que a relegava à periferia e tratava os negros como sub-humanos.

No entanto, ela foi uma das muitas mulheres negras que encontraram uma forma de resistir a esse sistema opressor que visava ditar seu modo de ser no mundo. De acordo com a estudiosa literária e autora Barbara Boswell, Magona é uma das escritoras que transcendem suas identidades recebidas como trabalhadoras e reprodutoras do trabalho para a nação do apartheid, para se tornarem autoras de suas próprias vidas e obras.

Magona se recusou a silenciar e, em vez disso, respondeu escrevendo sobre suas experiências vividas.

Casa: aqui hoje, desparecida amanhã

Em sua auto-história, Magona conta a narrativa das formas violentas em que o aparato estatal funcionou para desarraigar as pessoas de suas casas e reassenta-las em outro lugar. As casas das pessoas estavam literalmente aqui hoje e desaparecidas amanhã.

Casa é um conceito multifacetado e multidimensional que é mais do que apenas espaço físico. O lar para Magona não pode ser divorciado de lugar, local de nascimento, pertencimento, privação, alienação e também da mistura de culturas. Em To My Children’s Children, ela escreve:

Quando digo lugar, isso significa menos uma localidade geográfica e mais um grupo de pessoas com as quais estou conectado e a quem pertenço. Isso é um dado, uma constante em minha vida.

Ao contar sua história, Magona entrelaça não apenas sua realidade pessoal vivida, mas a história coletiva de crescer sob o apartheid. Toda a sua infância envolveu testemunhar as desigualdades e injustiças que grassavam na sociedade. Ela reflete:

Quem dirigia carros? Brancos. Quem escreveu livros? Brancos. Quem era dono de lojas? Brancos. Quem morava em casas distintas de barracos? Brancos. Cujos filhos sempre usavam sapatos para a escola? Quem comprou brinquedos? Quem comprou manteiga? Quem tinha refeições para sentar à mesa e mesas para sentar? Quem teve servos e quem nunca foi servo?

Resiliência e esperança

Mas a autobiografia de Magona também pode ser lida como uma tentativa de conectar esse passado ao presente e a um futuro possível. Sua auto-história nos mostra que não é apenas o sofrimento que pode ser passado de uma geração para outra, mas também resiliência, amor, compaixão e esperança. Como ela articula em sua conversa com Salo:

Mas precisamos buscar o bem das tradições que deixamos para trás em nossa pressa de ser ‘civilizados’. Agora é a hora de a África ser verdadeiramente africana através do auto-exame crítico, da autocura, para uma totalidade que possamos sustentar. Se você se respeitar, respeitará os outros porque se verá nos outros. A totalidade começa com o eu e irradia para fora. Esse auto-respeito tem tudo a ver com a totalidade da cura e a totalidade do ser.

Ela nos lembra que não é amando o próximo que nos tornamos seres humanos melhores – o desafio diante de nós é aprender a entender e talvez um dia amar nosso inimigo.

As autobiografias de Magona nos oferecem um caminho para reflexão, lembrança, reimaginação e sonho. As gerações futuras, os filhos das crianças, carregam o fardo e a responsabilidade de remodelar o país e o mundo – e só podem fazer isso se souberem e entenderem de onde vêm.

Artigo originalmente publicado em The Conversation

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.