Todos nós, em algum ponto, sucumbimos ao argumentum ad verecundiam ou argumento de autoridade. Não é difícil, pois em nossa sociedade muitas vezes se dá mais atenção à fonte do discurso do que à sua veracidade. Achamos que se alguém “importante” disse isso, será verdade. Infelizmente, essa é uma armadilha relativamente comum na qual caímos sem perceber. Assim, acabamos aceitando ideias falsas ou incorretas sem questioná-las.

Qual é o argumento da autoridade?

O argumento ad verecundiam, também conhecido como argumentum ad auctoritatem, consiste em defender que uma ideia só é verdadeira porque quem a cita é uma autoridade na matéria que nos inspira respeito. Na verdade, mais do que um argumento, é uma falácia. Falácias são aparentemente razões válidas para provar ou refutar uma ideia, embora na realidade essas razões não tenham fundamento lógico.

Muitas pessoas usam falácias intencionalmente para tentar persuadir ou manipular os outros, embora tenham plena consciência de que seus argumentos carecem de rigor e veracidade. O problema é que algumas dessas falácias podem ser muito persuasivas, portanto nem sempre são fáceis de detectar. Esse é o caso do argumento da autoridade.

As 2 armadilhas que o argumento ad verecundiam contém

O argumento ad verecundiam é um recurso que se baseia em depoimentos ou citações de pessoas, geralmente famosas ou de reconhecido prestígio ou autoridade, ou mesmo especialistas no assunto. Basicamente, sua lógica é a seguinte:

• Tudo o que X diz é verdade
• Se X disse “isso”,
• Portanto, “isso” é verdade.

No entanto, esse argumento aparentemente lógico começa com um erro, já que “tudo o que X diz” não precisa ser necessariamente verdade. Não apenas porque X pode mentir, mas também porque pode estar errado ou ter uma visão tendenciosa.

Apesar disso, o argumento de autoridade é frequentemente usado para dois propósitos:

1. Antecipar possíveis opiniões contrárias , desmontando-as de antemão simplesmente porque não provêm de uma fonte de autoridade, para que se feche qualquer possibilidade de diálogo.

2. Reforçar a ideia ou tese que pretende defender , baseando-se não em argumentos, razões e explicações mas sim numa pessoa que goza de algum respeito ou prestígio na sociedade.

Poder do referente, o fenômeno psicológico que sustenta essa falácia

A falácia ad verecundiam não é um fenômeno novo. Dizem que os pitagóricos costumavam recorrer a ela para apoiar seus conhecimentos. Quando alguém pediu que se explicassem, eles simplesmente responderam que “o professor disse isso”. É por isso que essa falácia também é conhecida pela frase latina “magister dixit”.

Na época medieval, a expressão ” Roma locuta, causa finita “, que significava ” Roma falou, a questão está resolvida “, também se baseava nesta falácia. Ele estava se referindo ao fato de que uma vez que a Igreja Católica definiu uma verdade, ela automaticamente se tornou um dogma que não aceitava questionamentos. Portanto, não era necessário explicar esta “verdade” ou procurar as suas causas, bastava recorrer à Igreja para silenciar qualquer tentativa de discussão ou crítica construtiva .

Infelizmente, a ciência também carece de exemplos de argumentos de autoridade. No ensino que se ministrava nas universidades medievais, não podiam ser questionadas as ideias reunidas nos manuais dos antigos escritores, como no caso do conhecimento de Galeno na Medicina ou de Ptolomeu na Astronomia.

Obviamente, o recurso ao argumento da autoridade impede uma discussão construtiva que leve à mudança ou melhoria da ideia original. Embora tenhamos deixado a Idade Média para trás, essa falácia continua a nos acompanhar. E caímos nessa toda vez que pensamos que algo é verdade só porque uma autoridade governamental, um especialista ou mesmo uma figura famosa o disse.

Na verdade, é a estratégia que muitas campanhas de marketing usam quando usam pessoas importantes em seus anúncios, que são uma referência para determinados grupos de compradores. É implicitamente assumido que, se essa pessoa alegar que aquele produto ou serviço é bom, isso será verdade.

Na realidade, esse fenômeno se baseia em uma tendência humana profundamente arraigada de buscar referências externas para orientar nossos comportamentos ou decisões. Quando somos jovens, por exemplo, e não sabemos como reagir a uma nova situação, procuramos em nossos pais sinais que nos dizem o que fazer.

Como adultos, embora tenhamos adquirido mais experiência de vida, continuamos a procurar esses pontos de referência, principalmente quando passamos por momentos de grande incerteza ou nos encontramos em situações inéditas. Porém, é precisamente nesses momentos que devemos estar mais atentos do que nunca, porque qualquer um pode tornar-se “referência” sem ser um ponto de referência confiável.

Na verdade, em certos sistemas de organização social, como as ditaduras, o argumento da autoridade pode se tornar o único argumento existente, de modo que uma única visão de como as coisas devem ser impostas é imposta. Esse mesmo fenômeno é replicado em famílias autoritárias. Nesses casos, os filhos não recebem uma explicação lógica das normas e regras que se impõem em casa, mas sim ouvem: “Porque eu falei, ponto final!”

O argumento ad verecundiam é sempre falso?

Existem diferentes tipos de argumentos de autoridade e nem todos são falsos. É importante aprender a distinguir afirmações verdadeiras daquelas que não são, mesmo que sejam apoiadas pelo poder do referente.

Podemos dizer, por exemplo, que pi (π) é 3,14 porque Arquimedes o disse usando o típico “magister dixit”. A afirmação de que pi é igual a 3,14 é verdadeira, mas o argumento que usamos para sustentá-la não é válido. Na verdade, teríamos que explicar o método usado para calcular pi.

Claro, vale esclarecer que não se trata de desacreditar os especialistas nos diversos campos de ação, pois em muitos casos eles podem ter um conhecimento mais amplo e sólido do que o nosso. No entanto, aceitar certas ideias só porque alguém importante as disse, sem tentar compreendê-las, não é dialético nem inteligente.

Einstein disse que ” se você não consegue explicar de maneira simples, não entende bem “. Todas as ideias, mesmo as mais complexas em Física Quântica ou Engenharia Social, podem ser explicadas de forma simples para que todos possam entendê-las. Usar o argumento da autoridade para fugir dessas explicações implica manter-nos nas sombras da ignorância.

As seis perguntas críticas de Walton para desmascarar o argumento de autoridade

O filósofo Douglas Walton explicou que o argumento da autoridade envolve o uso do “poder” como arma, em vez de recorrer à razão e à cognição. Afirmou que se trata de “ mau uso do recurso a uma autoridade como fonte para tentar prevalecer injustamente ou ‘silenciar a oposição’ em uma discussão ”.

Para evitar cair nessa falácia, Walton ofereceu uma lista de seis questões críticas para avaliar o argumento de autoridade apresentado pela pessoa “A” usando o poder do referente de “X”:

  1. Experiência – Quão confiável X é como fonte especializada?
  2. Campo – X é um especialista no campo de que A está falando?
  3. Opinião – O que A está implicando no que X disse?
  4. Confiabilidade – X é uma fonte confiável e honesta ou pode ser tendencioso?
  5. Consistência – A é consistente com o que outros especialistas dizem?
  6. Provas – A afirmação de X é baseada em provas?

Com essas questões em mente, poderíamos analisar se uma ideia é válida ou, pelo contrário, é apenas uma falácia baseada na potência do referente ou mesmo se quem está nos transmitindo essa ideia a está deformando a seu bel-prazer. Sem dúvida, nestes tempos, existem seis perguntas que devemos nos colocar com frequência.

Adaptado de Rincón de la Psicología

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.