De acordo com o dogma cristão, aqueles que cometem certos erros ou falhas que são considerados proibidos por Deus (ou seja, a Bíblia ), são considerados pecadores, e a menos que se arrependam de seus pecados, eles serão enviados para o inferno na vida após a morte. Lá eles vão suportar o sofrimento sem fim como punição pelos pecados que cometeram. Isso, na mente de Schopenhauer, é desleal e injusto. Como ele aponta:

Tomado em seu sentido comum, o dogma [do cristianismo] é revoltante, pois chega a este ponto: condena um homem, que tenha talvez vinte anos de idade, a expiar seus erros, ou mesmo sua incredulidade, em eternidade de tormentos […]

De fato, como pode ser leal e justo que uma pessoa imperfeita que comete erros, ou simplesmente não subscreva uma ideologia religiosa específica, seja lançada no fogo do inferno, onde está queimando até o fim dos tempos? Schopenhauer continua:

Mais do que isso, torna essa danação quase universal o efeito natural do pecado original e, portanto, a conseqüência necessária da queda.

Considere isto: neste nosso mundo imperfeito, nunca puniríamos um filho só porque nasceu de certos pais, por mais pecaminoso que seja este último. Então, como pode um Deus que tudo ama punir algumas pessoas só porque algumas outras pessoas (a saber, Adão e Eva) supostamente cometeram um pecado contra Deus milhares de anos atrás? Então Schopenhauer continua dizendo:

Este é um resultado que deve ter sido previsto por aquele que fez a humanidade, e que, em primeiro lugar, não os fez melhores do que são, e em segundo lugar, preparou uma armadilha para eles, na qual ele deveria saber que eles cairiam; porque ele fez o mundo inteiro, e nada está escondido dele. De acordo com essa doutrina, então, Deus criou do nada uma raça fraca propensa ao pecado, a fim de entregá-los ao tormento sem fim.

Isso é interessante: Deus criou os seres humanos sabendo que eles não são inteligentes o suficiente para não cometer um certo erro, então ele os provoca com uma tentação que certamente os fará cometer, e depois os pune por cometê-los? Só um louco sádico faria isso, você não concorda? Schopenhauer continua com outra bomba-pensamento:

E, como uma última característica, nos é dito que esse Deus, que prescreve tolerância e perdão de toda falta, não exerce a si mesmo, mas faz exatamente o oposto; pois uma punição que vem no final de todas as coisas, quando o mundo acaba e termina, não pode ter como objetivo melhorar ou impedir, e é, portanto, pura vingança.

Deus é benevolente, amoroso, perdoador e, no entanto, se vinga das pessoas pelos erros que cometem, sem nunca lhes dar outra chance de compensá-los? Isso não parece tão amoroso para mim! Schopenhauer argumenta:

[Nesta] opinião, toda a raça está destinada à eterna tortura e condenação, e criada expressamente para este fim, a única exceção são aquelas poucas pessoas que são resgatadas pela eleição da graça, a partir de que motivo não se conhece.

Claro, muitas vezes somos informados de que algumas pessoas escolhidas por alguma razão desconhecida ou ilógica merecem o amor de Deus e, portanto, têm a sorte de sair desta vida em segurança, sem ter que entrar na morada do inferno. Mas e o resto das pessoas? Deus não parece se importar com elas. Schopenhauer conclui:

[…] Parece que o Abençoado criou o mundo para o benefício do diabo! teria sido muito melhor não ter feito nada.

O mundo está cheio de sofrimento, e nenhum Deus todo amoroso teria criado dessa maneira. Parece, portanto, que ou o Deus cristão não é todo amoroso depois de tudo, ou que ele não existe em primeiro lugar. Se eu tivesse que escolher qual dessas duas afirmações faz mais sentido, eu definitivamente escolheria a segunda.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.

COMENTÁRIOS