A Inteligência Artificial (IA) encontrou uma nova expressão na arte do fotógrafo e designer digital holandês Bas Uterwijk , que publica rostos “recriados” por tecnologia de aprendizado de máquina de um software chamado Artbreeder.

O funcionamento do aplicativo é simples de entender: ele compila todas as informações conhecidas sobre uma pessoa – não apenas sua estrutura facial física, mas também informações geográficas e temporais (local de nascimento e período de vida, por exemplo) – para criar uma figura que é mais aproximado do que suas conclusões técnicas podem chegar.

Certamente, uma figura que chama muita atenção no Instagram de Uterwijk é a “imagem” de Jesus Cristo. A máxima figura humana do Cristianismo também foi recriada pelo software de inteligência artificial, alcançando um resultado consideravelmente diferente do que se vê em “santos”, imagens e estátuas encontradas na maioria das igrejas ao redor. A imagem foi tirada de seu perfil no Instagram, mas ainda está presente no site pessoal do artista, onde ele guarda seu portfólio:

A maioria dos historiadores modernos – incluindo alguns que não seguem preceitos religiosos – concorda que Jesus (ou alguém que venha a ser conhecido como Jesus) existiu de fato, posicionando seu nascimento em Belém, região a cerca de 10 km de Jerusalém. A própria Bíblia não oferece nenhuma pista quanto à sua aparência física, exceto para mencionar que ele não se destacou da multidão de forma alguma.

Considerando que Jerusalém está situada no Oriente Médio, um homem que não se destacasse fisicamente de sua população média seguiria mais ou menos o mesmo padrão corporal dos habitantes da região. Em suma, o software usado por Uterwijk concluiu que Jesus era um homem com tons de pele negra e traços faciais mais marcantes, enquanto a representação moderna (devido em grande parte à expressão romana de Jesus Cristo) o coloca como um homem branco com cabelos lisos.

Uterwijk adicionou uma legenda explicando sobre quais foram as referências e processo de criação, para chegar próximo ao que acredita ser a imagem de Cristo. Confira abaixo o que disse o artista:

“Sou fotógrafo profissional há 14 anos, mas tenho experiência em imagens geradas por computador e efeitos especiais. Há pouco mais de um ano, deparei com o software #artificialintelligence #Artbreeder (anteriormente Ganbreeder), que utiliza uma rede neural treinada em fotografias e pinturas de milhares de rostos humanos. Este aplicativo permite combinar múltiplas fontes de faces e mesclá-las em uma versão sintetizada, guiada pelas decisões artísticas do usuário. Eu o uso para criar personagens históricos e fictícios. Quando eu estava brincando com várias representações culturais de Jesus de Nazaré de origem bizantina e renascentista, incluindo “Salvator Mundi” de Leonardo da Vinci e o Sudário de Turim. Ajustando a etnia para uma face mais convincente do Oriente Médio. Fiquei feliz com o resultado como uma representação de uma representação cultural coletiva, mas ao mesmo tempo senti que carecia de qualquer precisão histórica. Então mudei o cabelo e a barba para um comprimento e estilo mais credíveis para a época e região e trouxe elementos encontrados em alguns retratos de múmias #Fayum, empurrando a arte renascentista para o fundo. O resultado é uma impressão artística de como esse homem poderia ser, mais do que uma busca científica por uma semelhança exata”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.