As doze melhores fotos tiradas em todo o universo? Se você concorda ou não com o mitólogo Joseph Campbell, que disse que Deus é o maior mistério incognoscível, ver essas fotografias pode dar a sensação de que você está observando algum grande poder em ação.

Independentemente da sua crença em uma inteligência divina, qualquer pessoa pode apreciar essas imagens incríveis e ajudar a celebrar o 30º aniversário do lançamento da NASA do telescópio espacial Hubble em órbita.

A baixa órbita terrestre do Hubble está fora da distorção da atmosfera terrestre, o que lhe permite capturar imagens de altíssima resolução com luz de fundo substancialmente mais baixa do que os telescópios terrestres. Uma ferramenta de pesquisa vital que abre uma visão profunda do espaço, muitas das observações de Hubble levaram a avanços na astrofísica, como a determinação da taxa de expansão do universo.

O único telescópio espacial projetado para ser mantido no espaço pelos astronautas, uma nova câmera de campo amplo e câmera planetária foi transportada para o Hubble via ônibus espacial duas décadas atrás. Estas são algumas das imagens notáveis ​​fotografadas desde então, especialmente ao utilizar a câmera mais avançada para pesquisas, que faz fotos usando comprimentos de onda ultravioleta.

Muitas das fotografias mais notáveis ​​se concentram em nebulosas. Uma nebulosa (em latim para “névoa”; forma plural, nebulosa) é uma nuvem interestelar de poeira, gás e plasma, um local onde as estrelas se formam.

A Nebulosa da Formiga

É uma nebulosa planetária na constelação de Norma distante cerca de 3000 anos luz da Terra. O seu nome provém da sua forma, que recorda o tórax e a cabeça de uma formiga.

Olhos brilhantes

Os núcleos de duas galáxias em fusão, a 114 milhões de anos-luz de distância, na distante constelação de Canis Major, formam olhos escarnecedores. As duas galáxias misturadas começaram a se fundir 40 milhões de anos atrás, estimulando a formação de novas estrelas.

A Nebulosa da Ampulheta

A Nebulosa da Ampulheta envolve uma estrela moribunda a 8.000 anos-luz de distância. Sua forma de ampulheta foi criada a partir de ventos estelares mais fracos no núcleo ou possivelmente de uma estrela companheira invisível e dos efeitos gravitacionais que a acompanham.

A Nebulosa do Olho de Gato

NGC 6543 ou Nebulosa do Olho de gato é uma nebulosa planetária na constelação do Dragão. Estruturalmente é uma das nebulosas mais complexas conhecidas

Noite Estrelada


Assim é chamada pela forma como lembrou aos astrônomos a pintura de Van Gogh com suas espirais de poeira girando através de trilhões de quilômetros de espaço interestelar.

A Nebulosa do Cone

A Nebulosa do Cone é um topo de montanhas com gás e poeira frios, um lugar turbulento onde estrelas estão sempre em processo de nascer. A parte mostrada aqui tem 2,5 anos-luz de comprimento (o equivalente a 23 milhões de viagens à Lua).

Nebulosa do Esquimó

A Nebulosa do Esquimó é classificada como nebulosa planetária. Foi descoberta por William Herschel, em 1787, e recebeu o apelido ‘Esquimó’ por lembrar um rosto envolto por uma pele parca.

Nebulosa da Águia

A Nebulosa da Águia é um jovem aglomerado estelar aberto localizado na constelação de Serpente. O objeto foi descoberto pelo astrônomo francês Jean-Philippe de Chéseaux em 1745-46 e seu nome deriva da forma que sua nuvem interestelar protoestelar em torno do aglomerado, que lembra uma águia.

Galáxia do Sombreiro

A galáxia do Sombreiro, é uma galáxia espiral com núcleo brilhante rodeado por um disco achatado de material escuro, que fica a 28 milhões de anos-luz de distância.

Nebulosa Trífida

A Nebulosa Trífida é uma região HII, ou seja uma região composta de gás estelar e poeira onde recentemente, em termos astronômicos, começou formar novas estrelas. Está localizada na constelação de Sagitário e seu nome significa “dividido em três lóbulos”.

Nebulosa ômega

Uma tempestade perfeita de gases turbulentos: nebulosa ômega / cisne – Uma pequena região na nebulosa cisne, a 5.500 anos-luz de distância, é descrita como ‘um oceano borbulhante de hidrogênio e pequenas quantidades de oxigênio, enxofre e outros elementos.

Pilares da criação em uma região de formação estelar

Curral submarino? Capa do álbum Enchanted para o grupo de rock, Yes ? Esta é uma das imagens mais famosas do Hubble: Pilares da Criação, onde estrelas estão se formando na Nebulosa da Águia.

Essas estruturas maciças – o pilar mais alto tem 4 anos-luz da base à ponta – são na verdade colunas de gás hidrogênio e poeira, as incubadoras de novas estrelas. Várias estrelas recém-nascidas, quentes e brilhantes nas proximidades, estão causando um tipo de evaporação desgastando as bordas dos pilares gasosos. Essas nuvens especialmente densas de hidrogênio agem como estalagmites emergindo de uma enorme e escura nuvem molecular abaixo da estrutura.

Adaptado de Good News Network

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Pensar Contemporâneo
Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.