Rincón de la Psicología

“Os estúpidos são mais temíveis que a máfia, do que o complexo militar-
industrial ou a Internacional Comunista. Eles são um grupo desorganizado, sem
um líder ou norma, mas apesar disso, eles agem em perfeita harmonia,
guiados por uma mão invisível.

“Com o sorriso nos lábios, como se estivesse fazendo a coisa mais natural do
mundo, o estúpido aparecerá no calor do momento para estragar seus planos,
destruir sua paz, complicar sua vida e trabalho, fazer você perder dinheiro,
tempo, bom humor, produtividade, e tudo isso sem malícia, sem remorso e sem
razão. Estupidamente.

Estas são as palavras do famoso professor de história econômica Carlo
Cipolla, que lecionou na Universidade de Pavia e na Universidade de Berkeley
e publicou trabalhos acadêmicos nos quais analisou a superpopulação ao
longo da história, mas passou para a posteridade graças a sua “Teoria da
Estupidez”, condensada em seu livro “Allegro, ma non troppo”, um tratado
sobre a estupidez humana com tons satíricos.

As 5 leis fundamentais da estupidez humana

1. Sempre e inevitavelmente, cada um de nós subestima o número de
indivíduos estúpidos que circulam pelo mundo.

Que existem pessoas estúpidas não é novidade. Mas Cipolla estava
convencido de que subestimamos seu número e influência em nossas vidas e
na sociedade. Ele afirmou que “qualquer estimativa numérica provaria ser
subestimada”.

É suficiente pensar, por exemplo, naquelas pessoas que classificamos como
inteligentes, mas que de repente começam a se comportar de maneira tola e
obtusa. Ou basta sair para a rua para ver quantas pessoas insistem em nos
impedir, sem nenhuma razão aparente além de estupidez.

2. A probabilidade de que uma determinada pessoa seja estúpida é
independente de qualquer outra característica da mesma pessoa.

Cipolla estava convencido de que a estupidez era outra característica, como ter
cabelos loiros ou olhos negros. Portanto, é distribuído em todos os círculos da
sociedade em uma proporção mais ou menos semelhante. Ele cita um estudo
sobre o nível de estupidez nos quatro grandes estratos que compõem as
universidades: bedéis, funcionários, alunos e professores. Nesta análise
verificou-se que a distribuição da estupidez era uniforme, por mais que
ascendêssemos no nível educacional.

” Tanto faz se você frequenta os círculos elegantes ou se refugia entre os
lapidários polinésios, se você se tranca num mosteiro ou decide passar o resto
da vida na companhia de mulheres bonitas, a verdade é que você sempre vai
enfrentar a mesma porcentagem de pessoas estúpidas “, concluiu.

3. Uma pessoa estúpida é aquela que causa dano a outra pessoa ou grupo
sem, ao mesmo tempo, obter um benefício para si mesmo ou mesmo causar
prejuízo.

Cipolla não considerou a estupidez como uma questão de quociente intelectual,
mas sim uma falta de inteligência relacional. Parte da ideia de que, ao nos
relacionarmos uns com os outros, podemos obter benefícios e proporcionar
benefícios aos outros ou, pelo contrário, podemos causar danos ou prejudicar
os outros. Uma pessoa estúpida é aquela que prejudica os outros e muitas
vezes também ela mesma.

Seu comportamento é irracional e difícil de entender, mas é provável que você
se lembre de mais de uma pessoa que bloqueou o seu caminho, gerando
dificuldades, frustrações e preconceitos, mesmo que eles não tenham ganho
nada. Segundo sua teoria da estupidez humana, “há pessoas que, com suas
ações “inversasimiladas”, não apenas causam danos a outras pessoas, mas
também a si mesmas. Essas pessoas pertencem ao gênero dos
superestúpidos “.

4. Pessoas não-estúpidas sempre subestimam o potencial prejudicial de
pessoas estúpidas.

De acordo com Cipolla, esquecemos continuamente o perigo que pessoas
estúpidas representam. Ele diz que “as pessoas estúpidas são perigosas e
infelizes porque pessoas razoáveis acham difícil imaginar e entender o
comportamento estúpido”.

Geralmente, seu ataque nos surpreende e, mesmo quando o sofremos,
achamos difícil organizar uma defesa racional, porque o ataque em si carece
de racionalidade. Subestimando seu poder, permanecemos vulneráveis e,
portanto, à mercê de sua imprevisibilidade.

Podemos também cair no erro de pensar que uma pessoa estúpida só pode
causar dano a si mesma, que somos imunes a suas ações, mas com esse
pensamento confundimos a sinceridade com a estupidez e, acreditando que
somos invulneráveis, baixamos nossas defesas.

5. A pessoa estúpida é a pessoa mais perigosa que existe.

“Todos os seres humanos estão incluídos em quatro categorias fundamentais: o
desavisado, o inteligente, o malvado e o estúpido […] A pessoa inteligente sabe
que ele é inteligente. O malvado está ciente de que ele é mau. O desavisado é
dolorosamente imbuído do senso de sua própria sinceridade. Ao contrário de
todos esses personagens, o estúpido não sabe que é estúpido. Isso contribui
para dar maior força, incidência e eficácia à sua ação devastadora. O estúpido
não é inibido pela autoconsciência “, escreveu Cipolla para delinear a última lei
fundamental da estupidez humana.

Cipolla representa neste gráfico os 4 tipos de pessoas que levam em conta
quem beneficia ou prejudica seu comportamento:

E também nos adverte que “algumas pessoas estúpidas geralmente causam
apenas danos limitados, mas há outras que causam danos terríveis, não
apenas a um ou dois indivíduos, mas a comunidades ou a sociedades inteiras.
A capacidade de ferir uma pessoa estúpida depende da […] posição de poder
ou autoridade que ela ocupa na sociedade.

Como se proteger da estupidez humana?

“A inteligência e a estupidez não são o oposto uma da outra, nem a estupidez é
a falta de inteligência, mas a inteligência é o produto, mais ou menos
malsucedido, de uma série contínua de tentativas de dominar, ou escapar, de a
estupidez que constitui tudo o que é humano “, escreveu Matthijs Van Boxsel.

Além de rotular as pessoas, é importante entender os riscos que a estupidez
representa. Na verdade, todos podemos nos comportar de maneira estúpida,
se não medirmos o escopo de nossas ações ou palavras. Se não
desenvolvemos um pensamento crítico e nos esquecemos da introspecção
necessária, podemos nos tornar vítimas da estupidez, sofrendo ou
exercitando-a.

Um estudo muito interessante realizado na Universidade de Eötvös Loránd nos
dá outras pistas para obter autoconsciência ao determinar as 3 causas da
estupidez humana:

1. Ignorância ou excesso de confiança. Seria o mais alto grau de estupidez e
aparece em pessoas que assumem riscos de qualquer tipo, embora careçam
das habilidades ou conhecimentos necessários para enfrentá-los.

2. Falta de controle. É um grau médio de estupidez que corresponde a pessoas
impulsivas, que não têm autocontrole e agem deixando-se levar pelo primeiro
impulso.

3. Distração. Seria o menor grau de estupidez, que se manifesta naqueles que
não conseguem realizar algo porque não prestam atenção ou não alocam
recursos suficientes, lutando inutilmente.

RECOMENDAMOS







Um espaço destinado a registrar e difundir o pensar dos nossos dias.